Bombardeio israelense após lançamento de foguetes em Jerusalém mata 20 em Gaza

Os alarmes forçaram a suspensão de uma marcha nacionalista judaica na Cidade Velha. Mais cedo, dezenas de palestinos ficaram feridos em confronto com a polícia em Jerusalém após oração em Al Aqsa

Confrontos entre palestinos e policiais israelenses, nesta segunda-feira, na mesquita de Al Aqsa, em Jerusalém. Em vídeo, as imagens dos confrontos.
Confrontos entre palestinos e policiais israelenses, nesta segunda-feira, na mesquita de Al Aqsa, em Jerusalém. Em vídeo, as imagens dos confrontos.AHMAD GHARABLI / AFP

A escalada de violência durante o mês do Ramadã em Jerusalém entra nesta segunda-feira em sua jornada de maior tensão. Mais de 300 palestinos ficaram feridos, dos quais 228 tiveram que ser hospitalizados, em confrontos com a polícia israelense durante a primeira oração da manhã na mesquita de Al Aqsa, terceiro lugar mais sagrado do islamismo. Imagens difundidas pelas redes sociais mostram fiéis envoltos em gás lacrimogênio no interior do templo, enquanto na esplanada do recinto religioso havia uma batalha com pedradas de uma parte e lançamento de bombas atordoantes do outro. Horas depois, sirenes de alarme de bombardeio soaram em Jerusalém pela primeira vez desde a guerra de 2014 em Gaza. Em retaliação ao lançamento de sete foguetes contra a cidade e o centro de Israel, o exército bombardeou posições do Hamas na Faixa de Gaza. Nos ataques, 20 pessoas morreram, incluindo nove crianças, segundo fontes de saúde do enclave. A onda de violência que estourou em Jerusalém durante o mês do Ramadã se espalhou por Gaza. Os atentados no enclave, que também contou com 65 feridos, são os mais mortíferos desde 2019, segundo o canal de televisão palestino Al Aqsa.

Un agente trata de proteger um motoristas israelense judeu, depois dele ser atacado por palestinos.
Un agente trata de proteger um motoristas israelense judeu, depois dele ser atacado por palestinos. ohad zwigenberg / AP

Mais informações

As brigadas Ezzdin al Qassam, filiadas ao movimento islâmico Hamas, que governa de fato em Gaza, dispararam pelo menos sete projéteis na direção do centro de Israel. O Exército israelense disse em um comunicado que interceptou um dos foguetes com o escudo de defesa antimísseis Iron Dome, que causou explosões ao redor de Jerusalém. Outro dos projéteis caiu perto de uma casa do periferia da cidade e o resto atingiu vários terrenos baldios. A sede do Knesset (Parlamento), onde uma sessão foi realizada, teve que ser evacuada. O Hamas havia alertado em um comunicado algumas horas antes que, se as forças de segurança israelenses não se retirassem da mesquita de Al Aqsa, elas agiriam “em retaliação pelos crimes na Cidade Santa e pela brutalidade contra o povo palestino”.

Após o lançamento do foguete, um porta-voz militar especificou, em uma conferência telemática realizada com a imprensa internacional, que Israel havia lançado uma grande ofensiva contra as bases do Hamas na Faixa de Gaza. Um dos comandantes das milícias islâmicas foi um dos alvos selecionados, segundo o tenente-coronel Jonathan Conricus. Ao menos dois outros milicianos também perderam a vida na mesma operação, embora o referido porta-voz não tenha confirmado se isso coincidiu com o ataque de Beit Hanun, no qual morreram três menores palestinos. “A ofensiva apenas começou”, advertiu Conricus, que estimou que as ações retaliatórias podem durar “muitas horas, até dias”. O Exército interrompeu manobras em grande escala que estava realizando para concentrar tropas e material de guerra na fronteira com o enclave palestino, de acordo com a ordem emitida pelo Chefe do Estado-Maior General, General Aviv Kochavi, para “focar na cena de uma escalada “.

Mais de 600 palestinos e várias dezenas de policiais de Israel ficaram feridos desde a última sexta-feira em uma das mais graves ondas de distúrbios na área desde a Segunda Intifada (2000-2005), e em uma escalada de violência que alertou a comunidade internacional comunidade. Os Estados Unidos, principal aliado do Israel, pediu ao Governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que trate de reduzir a tensão na Cidade Sagrada. O Conselho de Segurança da ONU também se reuniu para tratar da situação de crescente violência.

A polícia proibiu a entrada dos nacionalistas na Esplanada das Mesquitas, chamada pelos judeus de Monte do Templo, durante a celebração do Dia de Jerusalém, nesta segunda. Essas visitas são tradicionais na data em que o Exército de Israel conquistou a parte oriental da cidade durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

À tarde está previsto que dezenas de milhares de nacionalistas e colonos israelenses saiam com a bandeira da Estrela de Davi pelo bairro muçulmano da Cidade Velha, em um provocador desfile que todos os anos faz a tensão disparar em Jerusalém.

Um ferido é levado em ambulância nos arredores da mesquita de Al Aqsa, nesta segunda-feira.
Um ferido é levado em ambulância nos arredores da mesquita de Al Aqsa, nesta segunda-feira. DPA vía Europa Press / Europa Press

A pedido do procurador-geral de Israel, o Tribunal Supremo adiou no domingo a publicação da sentença final, que estava anunciada para esta segunda-feira, sobre o despejo de várias famílias palestinas das casas que ocupam há sete décadas no bairro de Sheikh Jarrah, na parte norte do centro histórico. Esses desalojamentos foram promovidos junto à Justiça por uma associação de colonos judeus e, junto com os protestos contra as barreiras policiais instaladas no Ramadã na Porta de Damasco, principal acesso ao bairro muçulmano, motivaram a onda de violência em Jerusalém durante o mês sagrado do islamismo. Em ambos os casos, Israel recuou para evitar que a tensão explodisse.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50