Maduro submete ONGs da Venezuela ao controle do órgão de combate ao terrorismo

Organizações deverão apresentar ao Governo uma lista de membros e suas fontes de financiamento

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante um ato em Caracas, em 21 de abril.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante um ato em Caracas, em 21 de abril.Prensa Miraflores (Prensa Miraflores / EFE)

As ONGs da Venezuela terão que se registrar junto ao Escritório Nacional contra a Delinquência Organizada e o Financiamento do Terrorismo. A partir de 1º de maio, precisarão declarar os nomes de seus integrantes, suas fontes de financiamento, movimentações bancárias e uma lista de organizações associadas. A norma é um passo do chavismo para encurralar as ONGs, que desempenham um papel fundamental na documentação e denúncia da crise de direitos humanos que vive o país sul-americano. Durante o último ano, estes documentos elaborados pela sociedade civil venezuelana ecoaram nos relatórios de denúncias produzidos pelas Nações Unidas e o Tribunal Penal Internacional.

Mais informações
FILE PHOTO: FILE PHOTO: Venezuela's President Nicolas Maduro speaks during a news conference at Miraflores Palace in Caracas, Venezuela, March 12, 2020. REUTERS/Manaure Quintero/File Photo/File Photo
ONU acusa Governo de Maduro de crimes contra a humanidade
Migrantes venezolanos en la frontera con Colombia, en Cúcuta
  (Foto de ARCHIVO)
01/01/1970
Cresce a tensão armada na fronteira entre Colômbia e Venezuela, com mortos e milhares de deslocados
AME7648. CARACAS (VENEZUELA), 23/02/2021.- Fotografía cedida este martes por el equipo de prensa del presidente de la Asamblea Nacional de Venezuela, Jorge Rodríguez, donde aparece Jorge Rodríguez (d) durante una sesión del Parlamento Venezolano hoy, en Caracas (Venezuela). El Parlamento venezolano, de abrumadora mayoría chavista, pidió este martes al Gobierno expulsar a la embajadora de la Unión Europea (UE), Isabel Brilhante, en respuesta a las sanciones aprobadas por el bloque comunitario, una decisión que ya tomó y luego revocó el presidente Nicolás Maduro en 2020. EFE/ Prensa Presidencia Asamblea Nacional de Venezuela / SOLO USO EDITORIAL/SOLO DISPONIBLE PARA ILUSTRAR LA NOTICIA QUE ACOMPAÑA (CRÉDITO OBLIGATORIO)
Chavismo prepara medidas para controlar as redes sociais e o trabalho das ONGs na Venezuela

A normativa entrou em vigor discretamente, sem maiores discussões públicas nem difusão oficial. A solicitação de registro parte da premissa de que as associações sem fins lucrativos e as ONGs podem cometer delitos como o terrorismo, disseram em nota mais de 700 organizações que pedem a anulação da nova medida. A operação destas entidades agora ficará submetida à certificação do Governo.

Somando-se ao alerta sobre a situação das ONGs na Venezuela, a Anistia Internacional lançou na sexta-feira uma ação mundial urgente para denunciar a medida. Mas esta não é a única ameaça à vista. Como já ocorreu em 2020 na Nicarágua, o Governo de Nicolás Maduro prepara uma lei ―através da Assembleia Nacional eleita no questionado pleito de dezembro― para regular a cooperação estrangeira, outra via para introduzir controles. O projeto já foi apresentado ao Legislativo para sua discussão.

O Governo persegue há anos fundações envolvidas na distribuição de ajuda humanitária. São normais as expropriações de medicamentos, buscas policiais nas suas sedes, detenções e, mais recentemente, o congelamento de contas bancárias. As ONGs mais perseguidas são as que desenvolvem um trabalho social doando alimentos e remédios a pacientes crônicos e pessoas com HIV.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

“As bases do princípio de livre associação estão mudando, pois esta nova instância emitirá um certificado que permitirá que o representante legal das associações possa exercer suas funções, sujeitando o funcionamento à permissão do Governo”, diz o advogado Alí Daniels, diretor da organização Acesso à Justiça. “A provisão legal estabelece também as visitas in situ para verificar a validez da informação apresentada, o que significa um verdadeiro perigo de exposição para as vítimas.” A maior preocupação das ONGs é que sejam revelados seus beneficiários, que muitas vezes enfrentam violações de direitos humanos e, por isso, estão protegidos por acordos de confidencialidade.

Daniels salienta que a legislação internacional sobre a luta contra capitais ilegítimos não deve interromper nem desestimular o trabalho de quem luta pelos direitos humanos. As ONGs na Venezuela agiram em bloco e recorreram a representantes da ONU para pressionar pela revogação da lei.

A maior estridência contra as ONGs parte de Diosdado Cabello, deputado na nova Assembleia Nacional e número dois do chavismo. Nesta semana, em seu programa de televisão, Cabello disse que “há muitas [ONGs] vinculadas a programas de desestabilização, inclusive terroristas”. “Parem de escândalo. Vão para a Colômbia e não se registrem, e digam de onde tiram a grana”, afirmou.

Esta pressão ocorre num momento em que cresce a presença dos agentes humanitários no país, depois da autorização dada ao Programa Mundial de Alimentos, que atenderá escolares e que, como outras agências das Nações Unidas, opera em cooperação com organizações da sociedade civil.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS