Chile afirma que Coronavac tem 80% de efetividade para prevenir mortes

Dos 12,7 milhões de doses administradas no país sul-americano contra a covid-19, 90% são do laboratório chinês Sinovac

Santiago -
Uma professora recebe a vacina contra a covid-19, em uma imagem de 15 de fevereiro em Santiago.
Uma professora recebe a vacina contra a covid-19, em uma imagem de 15 de fevereiro em Santiago.Esteban Felix (AP)

Dois meses e meio após o começo da vacinação maciça contra a covid-19 no Chile, que já administrou 12,7 milhões de doses, o Ministério da Saúde publicou na sexta-feira o primeiro relatório de efetividade da vacina Coronavac, do laboratório chinês Sinovac. O país sul-americano realizou 90% das imunizações com essa vacina, enquanto 10% restante foi feito com a norte-americana Pfizer. De acordo com um estudo em grande escala realizado com a informação de 10,5 milhões de pessoas, a vacina tem 80% de efetividade para prevenir mortes, 14 dias depois da segunda dose. Os resultados, que foram chamados de “animadores” pela comunidade médica chilena, mostram que a vacina chinesa foi efetiva em 89% para evitar a internação de pacientes críticos em UTIs, em 85% para prevenir as hospitalizações e 67% para impedir a infecção sintomática da doença. Os dados também são positivos para o Brasil, onde a Coronavac é o imunizante mais usado contra a covid-19.

“São resultados muito bons”, afirmou Rafael Araos, assessor da Subsecretaria de Saúde Pública, encarregado de apresentar o estudo. “Se todos fôssemos vacinados no começo da pandemia e a efetividade da vacina se mantivesse estável no tempo, em vez dos 24.923 mortos confirmados até hoje, teríamos por volta de 5.000”, calculou o especialista. O Colégio Médico, o grêmio que liderou a contraparte do Governo na pandemia, reagiu imediatamente ao estudo: “Resultados animadores. Vamos nos vacinar e continuar nos cuidando”, escreveu nas redes sociais Izkia Siches, a médica que preside o órgão.

Mais informações
AME4158. SANTIAGO (CHILE), 08/02/2021.- Una enfermera vacuna contra la covid-19 a un adulto mayor, en un puesto de vacunación móvil diseñado para descongestionar los centros de salud hoy, en la comuna de La Reina, en Santiago (Chile). La segunda ola de la crisis sanitaria coincide con el avance del proceso de vacunación, que comenzó el pasado 24 diciembre con la inmunización del personal sanitario y continuó de forma masiva, la semana pasada, con la vacunación de los adultos mayores. En total, 651.266 han recibido la primera dosis y 13.436 la primera y la segunda dosis. Además de la vacuna de Sinova, Chile ha aprobado las de Pfizer y AstraZeneca. EFE/ Alberto Valdes
Chile garante os melhores índices de imunização contra covid-19 da América do Sul
Empleados del laboratorio de control de calidad en las instalaciones de Sant Joan Despí (Barcelona) de la empresa farmacéutica Reig Jofre, que producirá la vacuna de Janssen contra el coronavirus.
Qual é a melhor vacina contra a covid-19? Qual protege mais? A porcentagem de eficácia não é a única variável
Naples (Italy), 13/04/2021.- A health worker prepares to administer a dose of AstraZeneca COVID-19 vaccine at a vaccination hub in Naples, Campania, Italy, 13 April 2021. Over one million doses have been injected in Campania so far. (Italia, Nápoles) EFE/EPA/CIRO FUSCO
Por que a trombose após as vacinas da AstraZeneca e Janssen afeta mais as mulheres

O Chile já vacinou com duas doses 33,7% de sua população prioritária (15.200.840), que pretende terminar de inocular no primeiro semestre de 2021. Na próxima semana já começará a vacinar as pessoas saudáveis de 47 anos com a primeira dose. Ao contrário dos testes clínicos, a efetividade mostra a proteção dada pela vacina em condições de vida real. Os dados não são sequenciais, e sim independentes, o que explica a diferença de efetividade em contágios, internações, hospitalizações em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e mortes.

Os dados eram esperados pela comunidade científica e a sociedade em geral, dada a intensidade da nova onda da covid-19. Atualmente, o Chile tem 90% da população confinada —com comércio restrito e colégios fechados—, e na quinta-feira registrou um recorde de mortes: 218. Os casos diários estão em 7.590, ainda que nesta onda tenham chegado a 9.171, como aconteceu em 9 de abril. Os casos ativos chegam a 46.492. De acordo com o último relatório da ICOVID Chile, uma iniciativa liderada pela Universidade do Chile, a Pontifícia Universidade Católica do Chile e a Universidade de Concepción sobre a base dos dados oficiais, “o número de novos casos nacionalmente cresceu 12,6% em relação à semana anterior”. “A ocupação de leitos no país continua em vermelho e se estabilizou em 95,5%”, indica a ICOVID, que prognostica a agudização da crise hospitalar pelo aumento significativo dos novos casos.

A pesquisa de dois meses começou no início de fevereiro, paralelamente ao começo da vacinação maciça e utilizou a base de dados dos pacientes do sistema público, ao que pertencem oito de cada 10 chilenos (Fundo Nacional de Saúde – Fonasa, na sigla em espanhol). Foram feitos filtros de variáveis fundamentais para poder ajustar o modelo: idade (maior de 16 anos), sexo, região da residência, divisão das internações e nacionalidade, entre outros fatores, como doenças crônicas. Por fim, além dos filtros, se trabalhou com a informação de 10,5 milhões de pessoas: 2,5 milhões que receberam duas doses (completamente imunizadas), 1,5 milhão com uma dose (parcialmente imunizadas), e outros 6,5 milhões que não receberam nenhuma vacina no período do estudo.

Em números redondos: no período da pesquisa faleceram 54 pessoas com duas doses da Sinovac, 527 com só uma dose e 1.069 que não haviam recebido nenhuma, ainda que estes números não sirvam para calcular probabilidades.

Este primeiro acompanhamento do Ministério da Saúde foi feito sobre a base de casos e mortes confirmadas por covid-19, não com suspeitos. Não se mediu os anticorpos, de modo que não se estabeleceu a duração da imunidade. O estudo observacional não aborda especificamente a efetividade nas variantes que entraram no país (brasileira e britânica, pelo menos), mas como foi realizado em um momento de alta quantidade de transmissão da covid-19, é possível especular que a pesquisa contempla as diversas linhagens, informou o Ministério. Também não conseguiu determinar quando o Chile chegaria à imunidade de rebanho e a efetividade da vacina Pfizer no país. Sobre a necessidade de uma terceira dose da Coronavac, como se especulou localmente, será analisada de acordo com os próximos resultados.

“Com o tempo, é possível manter a efetividade, mas a informação deve ser atualizada. Porque não necessariamente a vacina irá se comportar igual em um mês: pode ser que melhore, piore e continue igual”, afirmou Araos. O Ministério da Saúde chileno entregará relatórios mensais sobre o comportamento da vacina chinesa. A variável dos falecimentos terá atenção especial, pois é menos efetiva do que em infecções, internações e hospitalizações na UTI.

Os resultados da efetividade da Sinovac no Chile se somam aos entregues previamente por outros países. “O Brasil mostrou uma efetividade de 50% para prevenir casos, enquanto a Turquia, mais de 80%, de modo que estamos no meio”, disse Araos. “A situação do Brasil era pior do que a nossa quando o estudo foi feito e a da Turquia, melhor”, acrescentou o assessor do Ministério da Saúde chileno, de maneira que era previsível estar entre os dois.

O relatório chileno também fornece dados sobre a efetividade da vacina Sinovac após 14 dias da primeira dose que, mesmo sendo bem menor, existe. Uma só injeção tem 40,23% de efetividade para prevenir mortes, 42,70% para evitar as internações em UTIs, 35,65% para prevenir as hospitalizações e 16,13% para impedir o contágio sintomático da doença. “Mas o pior que pode acontecer é que as pessoas relaxem após a primeira dose e até mesmo depois da segunda”, afirmou Araos. “É preciso se vacinar com o esquema completo da vacina inativa”.

O Ministério da Saúde, que foi acusado de excesso de confiança pelo plano de vacinação, o que teria feito com que as pessoas se descuidassem, hoje foi enfático: “A vacina que estamos usando demonstrou efetividade, devemos continuar vacinando e não se deve deixar de lado as medidas de saúde pública adicionais à imunização”, afirmou o ministro Enrique Paris.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS