Família de George Floyd receberá 27 milhões de dólares em um acordo histórico com Minneapolis

Pagamento põe fim a uma ação cível na cidade exatamente quando começa o julgamento do policial acusado de matar o homem negro, provocando uma mobilização em massa por justiça racial

Bridgett Floyd, irmã de George, dá entrevista coletiva em 8 de março, em Minneapolis.
Bridgett Floyd, irmã de George, dá entrevista coletiva em 8 de março, em Minneapolis.CRAIG LASSIG (EFE)
Mais informações
FILE PHOTO: A demonstrator holds up a "Black Lives Matter" sign during a protest over the death of a Black man, Daniel Prude, after police put a spit hood over his head during an arrest on March 23, in Rochester, New York, U.S. September 6, 2020. REUTERS/Brendan McDermid/File Photo
Biden impulsiona sua agenda contra o racismo sistêmico nos Estados Unidos
FILE - In this June 7, 2020, file photo, Alondra Cano, a City Council member, speaks during "The Path Forward" meeting at Powderhorn Park on Sunday, June 7, 2020, in Minneapolis. On Wednesday, Dec. 8, 2020, the Minneapolis City Council will decide whether to shrink the city's police department while violent crime is already soaring and redirect funding toward alternatives for reducing violence. (Jerry Holt/Star Tribune via AP, File)
Epicentro da luta antirracista nos EUA, Minneapolis vive crise de segurança após morte de George Floyd
A protester wearing a Black Panther jacket and holding a "Black Lives Matter" flag faces off with riot police in Rochester, New York, on September 5, 2020, on the fourth night of protest following the release of video showing the death of Daniel Prude. - Prude, a 41-year-old African American who had mental health issues, died of asphyxiation after police arrested him on March 23, 2020, in Rochester. (Photo by Maranie R. STAAB / AFP)
Black Lives Matter, o rumo incerto do grande movimento antirracista

A Câmara Municipal de Minneapolis, nos Estados Unidos, concordou pagar 27 milhões de dólares (cerca de 150 milhões de reais) à família de George Floyd para retirar a ação movida por sua morte no ano passado nas mãos da polícia da cidade. Segundo o advogado da família, Ben Crump, disse em um comunicado, trata-se do maior acordo extrajudicial já fechado em um caso de direitos civis. Isso, de acordo com Crump, “envia uma mensagem poderosa de que as vidas negras importam e que a brutalidade policial contra as pessoas negras deve acabar”.

O anúncio do acordo acontece enquanto está sendo realizado na cidade há quatro dias o processo de seleção dos jurados para o julgamento do ex-policial Derek Chauvin por homicídio. O ex-policial asfixiou Floyd pressionando seu pescoço com o joelho por mais de oito minutos, como mostrou o vídeo que deu a volta ao mundo e detonou uma mobilização maciça em todo o país por justiça racial no verão passado.

Paralelamente ao processo penal, a família de Floyd entrou com uma ação em julho contra a Câmara Municipal e contra Chauvin e os outros três policiais, já demitidos da polícia de Minneapolis, que participaram de sua prisão. A família alegou que os policiais violaram os direitos de Floyd ao contê-lo e que a Administração local tolerou que uma cultura de violência, racismo e impunidade fosse imposta na polícia.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Os 27 milhões de dólares, valor aprovado por unanimidade no plenário municipal, incluem 500.000 dólares que irão para o bairro onde Floyd foi preso. “Nenhuma quantia em dinheiro poderá compensar a intensa dor e o trauma causado por sua morte à família ou às pessoas de nossa cidade”, disse a presidenta da corporação, Lisa Bender. “Quero, em meu nome e em nome de toda a corporação municipal, oferecer minhas mais profundas condolências à família de George Floyd, seus amigos e toda a nossa comunidade que lamenta sua perda.”

A publicidade do acordo abriu o debate jurídico sobre suas implicações no julgamento de Chauvin, que acaba de começar, e há quem defenda que poderia levar à sua nulidade. O advogado do ex-policial, no início das sessões de seleção do júri nesta semana, tentou conseguir que qualquer menção a um possível acordo prejudicial no caso da ação cível fosse bloqueada, por entender que poderia prejudicar seu cliente.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS