‘Vacinas VIP’ contra a covid-19 e os fura-filas abrem crise política na Argentina

Ministro da Saúde renuncia após o escândalo e um promotor inicia ação penal sobre as vacinações irregulares em todo o país

O ministro da Saúde da Argentina, Ginés González García, com a secretária da mesma pasta, Carla Vizzotti, na sexta-feira, durante entrevista coletiva em Buenos Aires.
O ministro da Saúde da Argentina, Ginés González García, com a secretária da mesma pasta, Carla Vizzotti, na sexta-feira, durante entrevista coletiva em Buenos Aires.JUAN MABROMATA (AFP)
Mais informações
LIM01. MADRE DE DIOS (PERÚ) 16/02/2021. Un grupo de personas intenta cruzar un bloqueo de la policía hoy, martes después de que inmigrantes cruzaron la frontera provenientes de Brasil, en la localidad de Iñapari, Madre de Dios, Perú. Aproximadamente 350 haitianos cruzaron el Puente de la Amistad desde Brasil, para ingresar a Perú, lo que produjo incidentes entre las autoridades peruanas y grupos de personas, entre ellas numerosas mujeres y niños que cruzaron irregularmente la frontera. EFE/Paolo Peña
Fugindo da pandemia no Brasil, haitianos são reprimidos na fronteira com o Peru
Aruká Juma, el último varón de los indígenas del pueblo Juma, fallecido por coronavirus este miércoles en Porto Velho.
O último ancião Juma morre de covid-19 e leva para o túmulo a memória de um povo aniquilado no Brasil
People wearing protective masks sit as they queue before receiving a dose of China's Sinovac Biotech vaccine for the coronavirus disease (COVID-19) at the Tanah Abang textile market, as Indonesia drives mass vaccination for vendors in Jakarta, Indonesia, February 17, 2021. REUTERS/Ajeng Dinar Ulfiana
Com só 10 países recebendo 75% das vacinas, fracasso moral vem em elevadas doses

O ministro da Saúde da Argentina, Ginés González García, reservou 3.000 doses da vacina russa Sputnik V para seu uso discricionário. E ele mantinha um espaço VIP de vacinação ao lado de seu escritório. Este é o cerne de uma crise política que pode causar sérios danos ao presidente argentino, Alberto Fernández, e que não termina com a renúncia do ministro: um promotor protocolou na sexta-feira, assim que estourou o escândalo, uma ação penal para que sejam investigadas as vacinações irregulares em todo o país.

O uso político da vacina era conhecido fazia dias. La Cámpora, organização intimamente ligada à vice-presidenta Cristina Fernández de Kirchner, instalou postos de vacinação em várias de suas instalações em Buenos Aires. Suspeitava-se também da existência de uma rede de privilégios, desde que, no início de fevereiro, a professora e ensaísta Beatriz Sarlo revelou que lhe haviam ofertado uma “vacina por baixo dos panos” e que a tinha rejeitado, sem dar maiores detalhes.

Vários jornalistas seguiram a pista. Mas foi um jornalista ligado ao peronismo e do lado dos privilegiados, Horacio Verbitsky, que desvendou o assunto com uma declaração no rádio: “Ontem fui vacinado”. Seu “velho amigo”, o ministro da Saúde, disse ele, lhe havia marcado um encontro na sede do ministério.

Verbitsky agora mantém silêncio. Após seu anúncio, foi demitido de uma estação de rádio e recebeu duras críticas do órgão de direitos humanos (o Centro de Estudos Jurídicos e Sociais) que preside. Diversas personalidades da esfera peronista, como a presidenta das Avós da Plaza de Mayo, Estela de Carlotto (também ela, 90 anos, vacinada a convite do Governo provincial de Buenos Aires) e o dirigente social Juan Grabois, atribuíram a Verbitsky uma “intenção política” difícil de entender.

Para o presidente Fernández, que sem êxitos na economia planejava ir às eleições parlamentares de novembro sob a bandeira de uma campanha eficaz de vacinação, a crise constitui um grave problema. Foi ele quem exigiu a renúncia imediata do ministro (este, na carta de demissão, culpou seu secretário pessoal) e quem eliminou da delegação que o acompanhou em sua viagem oficial ao México, a partir deste domingo, o muito influente deputado Eduardo Valdés e o senador Jorge Taiana. Quis se mostrar inflexível. Mas o dano estava feito. O ministro Ginés González, amigo do presidente há décadas, vacinou irregularmente não apenas políticos afins, mas também familiares e amigos. E a sucessora do ministro, sua até então número dois, a infectologista Carla Vizzotti, chega ao cargo em meio a evidências de que não poderia desconhecer a presença de vacinadores no ministério.

Além dos nomes já conhecidos, como o sindicalista, milionário e presidente do clube de futebol Independiente, Hugo Moyano, e seus familiares, provavelmente se somarão outros nos próximos dias. O promotor Guillermo Marijuan entrou com uma ação penal contra o ministro, o jornalista Verbitsky e “outras pessoas” pelo suposto crime de prevaricação, e exigiu que o Governo e as províncias entreguem as listas de vacinados de forma regular e irregular. “Este é um ato de inusitada gravidade institucional”, disse o promotor Marijuan.

Na Argentina, 241.000 pessoas foram totalmente vacinadas com a Sputnik V, segundo relatos oficiais, e outras 392.000 receberam a primeira dose. Mais de dois milhões de pessoas contraíram o vírus e o número de mortos ultrapassa 51.000.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS