Biden decreta fim do estado de emergência na fronteira com o México

Em carta aos líderes parlamentares, presidente descreve a medida como “injustificada” e congela verbas para o muro anti-imigração

O muro fronteiriço em Nogales, no Arizona, em uma imagem de arquivo.
O muro fronteiriço em Nogales, no Arizona, em uma imagem de arquivo.Charlie Riedel (AP)
Mais sobre política migratória

O presidente Joe Biden revogou formalmente o estado de emergência declarado em fevereiro de 2019 por seu antecessor, Donald Trump, na fronteira dos Estados Unidos com o México. O fim da excepcionalidade se soma à confirmação do congelamento das verbas destinadas à construção de um muro fronteiriço. Mas os quase 3.600 soldados mobilizados na região continuarão ali, segundo o Pentágono.

“Determinei que a declaração de emergência nacional em nossa fronteira sul foi injustificada”, defende Biden em uma carta remetida a Nancy Pelosi, líder da maioria democrata na Câmara de Deputados, e à vice-presidenta Kamala Harris, em sua condição de presidenta do Senado. “Também anunciei que será a política desta Administração não desviar mais dólares do contribuinte norte-americano para a construção de um muro fronteiriço”, acrescenta o presidente.

A proclamação completa a ordem executiva (medida provisória) assinada por Biden em seu primeiro dia na Casa Branca, quando questionou a validade da declaração de emergência nacional e ordenou uma pausa na construção do muro. Em suas primeiras semanas na Casa Branca, o presidente tem se dedicado a desfazer, por decreto, algumas das políticas mais controvertidas de seu antecessor.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

As tropas mobilizadas no terreno, segundo fontes do Pentágono citadas pelo site Politico, continuarão proporcionando apoio ao departamento de Segurança Nacional e aos agentes fronteiriços. O trabalho desses soldados, segundo as mesmas fontes, não estava relacionado com a construção do muro.

A mão dura com a imigração foi uma das características da Administração Trump, que chegou ao poder com a promessa de erguer um muro na fronteira com o México. O estado de emergência decretado por Trump, depois de atritos com o Congresso sobre o financiamento do muro, abria a porta para destinar verbas de outros órgãos públicos para as obras do polêmico projeto.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: