Biden descarta passar a Trump informações sigilosas por “comportamento errático” do ex-presidente

Novo presidente dos EUA defende rompimento da tradição de fornecer informações de inteligência aos ex-presidentes, alegando que o republicano “pode deixar algo escapar algum dia”

O presidente dos EUA, Joe Biden, antes de embarcar para Delaware nesta sexta-feira.
O presidente dos EUA, Joe Biden, antes de embarcar para Delaware nesta sexta-feira.MANDEL NGAN (AFP)
Pablo Guimón
Washington -
Mais informações

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, considera que seu antecessor na Casa Branca, Donald Trump, não deveria receber as informações de inteligência geralmente transmitidas a ex-mandatários, devido ao “comportamento errático” que demonstrou. Com estas declarações, na sua primeira entrevista televisiva como presidente, o mandatário democrata vai um passo além do que sua Administração vinha debatendo nos últimos dias, sobre a conveniência de pedir um parecer sobre o tema a profissionais de inteligência. “Simplesmente acho que não há necessidade de que [Trump] receba as sessões informativas de inteligência”, disse Biden na entrevista à CBS. “Que valor tem lhe dar essa informação? Que impacto ele tem, além do fato de poder deixar algo escapar algum dia?”, afirmou o recém-empossado ocupante da Casa Branca.

Na entrevista, Biden se refere ao “comportamento errático” de seu antecessor, “não relacionado com a insurreição”, em referência à invasão do Capitólio em 6 de janeiro, cometida por hordas de seguidores que agiram incitados pelo próprio Trump, conforme alegarão os democratas no julgamento do impeachment previsto para a semana que vem no Senado. A entrevistadora da CBS, Norah O’Donnell, perguntou a Biden sobre suas declarações, no passado, de que Trump representa uma ameaça existencial para os EUA, e o presidente Biden afirma que continua entendendo assim.

Todos os presidentes que deixam o cargo levam consigo segredos nacionais – incluindo os procedimentos para lançar bombas atômicas e informações sobre o desenvolvimento de armas e operações de inteligência. Durante seus anos na presidência, Trump revelou indevidamente informações sigilosas para atacar adversários ou intimidar outros governantes.

Isso, somado ao fato de não reconhecer a legitimidade do atual presidente e seu ressentimento contra um suposto Estado profundo que teria conspirado para afastá-lo do poder, faz que, desde a troca de comando na Casa Branca, em 20 de janeiro, sucedam-se vozes de ex-funcionários e analistas manifestando sua preocupação com a possibilidade de que Trump, de maneira intencional ou não, revele informações sigilosas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: