Ascensão, orgia e queda do homem forte de Orbán em Bruxelas

József Szájer, um dos políticos mais próximos do primeiro-ministro húngaro, era o encarregado de suavizar o discurso ultradireitista de Budapeste perante as instituições europeias

József Szájer vota no Parlamento Europeu em 2013.
József Szájer vota no Parlamento Europeu em 2013.PATRICK SEEGER (EPA)

A festa foi marcada através de um aplicativo de encontros sexuais para homens. As portas do apartamento se abriram às 17h da última sexta-feira de novembro. O lugar fica a um passo da Grand-Place, a famosa praça no centro de Bruxelas. Na entrada, um letreiro alerta: “Entre se se atrever”. Do outro lado: luz escura, lasers em movimento pontilhando as paredes, e de fundo a trilha sonora da série The New Pope. É preciso deixar as roupas e celulares num armário na entrada. Talvez passar na cozinha para tomar alguma coisa, bater papo e conhecer os outros participantes. Depois ir para a sala, com colchões e sofás distribuídos por todo o cômodo, pornô rolando na tela, e o rosto do deus Baco observando a cena, de boca aberta e iluminada.

Mais informações

Havia 25 homens lá dentro, e József Szájer, o eurodeputado húngaro do partido ultraconservador e homofóbico Fidesz, um dos homens fortes do premiê Viktor Orbán em Bruxelas, encontrava-se “provavelmente naquele canto”, perto da janela, quando, por volta de 21h30, 15 policiais chegaram com lanternas, “sem uma ordem judicial” e proferindo “insultos homofóbicos”, segundo relata David Manzheley, de 29 anos, o organizador da orgia. Isso ele imagina, diz, porque a janela ficou aberta, e porque a reconstrução policial dos fatos cita um homem tentando escapar esgueirando-se pelo encanamento: o próprio Szájer.

O arquiteto da atual Constituição húngara, dura e repressiva com as minorias e especialmente hostil ao coletivo LGTBI, um homem de 59 anos casado com Tünde Handó, a juíza que amparava a guinada antiliberal na Hungria a partir das altas esferas do Poder Judiciário, encerrava assim, seminu na fria noite da capital europeia, com as mãos ensanguentadas e um comprimido de ecstasy entre seus pertences, três décadas de trajetória política junto a Orbán. Embora na verdade só tivesse desrespeitado as rigorosas normas belgas de confinamento por causa da pandemia, a abissal contradição com os postulados de seu Governo e seu partido o obrigaram, dois dias depois, a apresentar sua renúncia do cargo de eurodeputado.

Sua história foi revelada na imprensa belga na terça-feira, e Szájer assumiu as consequências “políticas e pessoais” através de um comunicado: “Peço desculpas à minha família, aos meus colegas, aos meus eleitores. Peço que avaliem meu passo em falso sobre o pano de fundo de 30 anos de trabalho duro e dedicado. O tropeço é estritamente pessoal, sou o único responsável. Peço a todos que não estendam isso à minha pátria ou à minha comunidade política”.

David Manzheley, organizador da orgia, na porta de seu apartamento.
David Manzheley, organizador da orgia, na porta de seu apartamento.Delmi Álvarez

Szájer é deputado europeu desde 2004, ano em que a Hungria entrou para a UE. Cultivou a fama de um político ágil, inteligente e respeitado dentro da sua família política, o Partido Popular Europeu (PPE, que reúne os eurodeputados de direita). Era frequentemente visto lado a lado com os líderes democratas-cristãos do continente e chegou a ser vice-líder da bancada popular. “Era realmente um peso pesado”, afirma Márton Gyöngyösi, eurodeputado húngaro de um partido rival, o Jobbik. Na Hungria, acrescenta, ficou conhecido como “Mr. PPE”: o sujeito que arrumava os desencontros entre Budapeste e Bruxelas, limando os duros discursos de Orbán. “Era como o Lobo de Pulp Fiction”, diz Gyöngyösi.

Em Budapeste, a palavra mais repetida sobre o escândalo de Szájer é hipocrisia. A mentira de um dos homens mais reputados do Governo do partido Fidesz. Szájer é conhecido por ser um dos pais da Constituição aprovada pelo Governo em 2011, moldada à imagem e semelhança da doutrina cristã e ultraconservadora do Fidesz. Nela, só se reconhece o casamento como a união entre um homem e uma mulher, excluindo assim os casais do mesmo sexo, transexuais e famílias monoparentais. Szájer gabava-se de ter redigido a Carta Magna no seu iPad durante suas viagens entre Bruxelas, Estrasburgo e Budapeste.

“Todos sabíamos que era gay, que vivia uma vida de mentiras, mas era um grande político. É uma pena que sua carreira tenha acabado assim”, diz Zsuzsanna Szelenyi, ex-integrante do Fidesz, que deixou o partido quando a formação abandonou as ideias liberais e abraçou o conservadorismo reacionário. “Se você for do Fidesz não pode sair do armário”, acrescenta Klara Ungar, que também deixou o partido por discordar de seus rumos autoritários, e que anos depois reconheceu ser lésbica.

Todos concordam que Orbán perdeu sua melhor cartada para negociar com a UE num momento em que a Hungria lançou seu maior desafio a Bruxelas com o veto aos orçamentos comunitários, por sua resistência a vincular a partilha dos recursos ao respeito ao Estado de direito. “A história teria ficado em um escândalo a mais de algum membro do Fidesz se tivesse sido revelado na Hungria, onde o Governo manipula policiais e juízes, como fez outras vezes”, explica o jornalista investigativo húngaro Szabolcs Panyi. Mas o incidente aconteceu no coração da UE. “Este escândalo escapou das suas mãos justamente quando ele precisava do seu fiel escudeiro para negociar com Bruxelas”, acrescenta.

Orbán e Szájer ganharam bolsa de Soros

Orbán e Szájer estudaram Direito na Universidade do Budapeste. O primeiro-ministro é dois anos mais novo que o ex-eurodeputado. Ambos também conseguiram uma bolsa para estudar no exterior financiada pelo bilionário filantropo de origem húngara George Soros, hoje inimigo de Orbán. E juntos fundaram o Fidesz em 1988. “Na época Szájer e todos nós sonhávamos com a queda da URSS, lutávamos por uma Hungria democrática”, recorda Szelenyi, de 54 anos.

Na quarta-feira passada, Orbán qualificou de inaceitável e indefensável o comportamento de seu amigo em Bruxelas. “O que nosso representante fez não tem cabimento nos valores da nossa família política”, acrescentou em um comunicado. A oposição húngara, muito fraturada desde que Orbán assumiu o poder absoluto do país centro-europeu em 2010, tenta tirar proveito político do escândalo. A comunidade LGTBI, por sua vez, critica a dupla moral do Governo, que nos últimos anos fez dos homossexuais e transexuais seus novos inimigos, privando-os do direito de adotar crianças e obrigando-os a se registrar nos documentos de identidade segundo seu sexo biólogo. “Respeitamos a vida pessoal de Szájer, mas é muito cínico que pertença a um partido que torna impossível a vida daqueles na sua mesma condição”, afirma Tamás Dombós, presidente do Hatter, principal associação LGTBI da Hungria.

A queda em desgraça de um dos homens da máxima confiança de Orbán chega num momento já ruim para o líder ultraconservador, cuja gestão da pandemia nesta segunda onda está sendo progressivamente questionada. Cada dia cresce o nervosismo perante uma crise econômica, e o veto aos orçamentos europeus por parte de um dos países que mais recursos recebem da UE também é uma aposta arriscada. O defensor da democracia iliberal, da Europa cristã, onde não há espaço para os imigrantes, que cerceia os direitos da comunidade LGTBI e que considera os burocratas de Bruxelas como inimigos, se encontra agora na encruzilhada após um segredo de polichinelo do seu partido vir à luz, minando a credibilidade do seu discurso.

David Manzheley no apartamento onde aconteceu a orgia. Ao fundo a janela pela qual supostamente József Szájer tentou fugir.
David Manzheley no apartamento onde aconteceu a orgia. Ao fundo a janela pela qual supostamente József Szájer tentou fugir.Delmi Álvarez

Enquanto isso, sentado no sofá do apartamento onde a orgia aconteceu, David Manzheley afirma que começa a ter medo. Recebeu telefonemas com ameaças de funcionários estrangeiros, conta. Na festa havia outros dois diplomatas cuja identidade não foi revelada. E suas frequentes festas sexuais, algumas delas com grande público e que não pararam durante a pandemia, já tiveram a presença de vários políticos de países cujos regimes são pouco tolerantes com o coletivo gay e que levam uma vida dupla, que pretendem ocultar. “Aqui se sentem livres”, diz.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: