Congresso do Peru elege como presidente interino o veterano político Francisco Sagasti

Parlamento desbloqueia a grave crise política iniciada com a destituição de Martín Vizcarra e a renúncia de Manuel Merino

El nuevo presidente de Perú, Francisco Sagasti, en una sesión del Congreso de Perú el pasado 3 de agosto. En vídeo, las declaraciones de Sagasti el 16 de noviembre, tras ser elegido presidente del Congreso. CESAR COX BEUZEVILLE / EFE
Mais informações

O Congresso do Peru elegeu nesta segunda-feira o veterano deputado Francisco Sagasti, 76 anos, como governante interino do país, desbloqueando assim a grave crise política que começou há uma semana com a destituição do presidente Martín Vizcarra. Após a renúncia de Manuel Merino, que ocupou o cargo de chefe do Governo provisório durante cinco dias, o Congresso conseguiu destravar a votação de seu substituto, cuja principal missão será conduzir o país às eleições de abril. Os peruanos aguardavam há uma semana em suspense uma saída do impasse institucional em meio a manifestações maciças nas ruas.

O deputado Francisco Sagasti, do Partido Púrpura, venceu a eleição da Diretoria do Parlamento nesta segunda-feira e, por sucessão constitucional, assumirá automaticamente a Presidência da República. Sagasti foi eleito por ampla maioria no Parlamento. O presidente obteve 97 votos a favor e 26 contra, sem abstenções.

Desde o meio-dia de domingo, os poderes Executivo e Legislativo do Peru não tinham ninguém no comando. O Parlamento não conseguiu chegar a um consenso na noite de domingo para eleger um novo presidente, que assumirá como interino em substituição a Merino, que se viu forçado a renunciar após seis dias de protestos multitudinários contra ele. Uma primeira lista que teria levado à presidência uma deputada de esquerda, a escritora Rocío Silva Santisteban, não alcançou os votos necessários, apesar de os porta-vozes dos partidos que integraram a lista lhe terem manifestado apoio inicialmente.

Enquanto os parlamentares votavam, milhares de jovens manifestantes aguardavam o resultado diante nos portões do Congresso: alguns enrolados na bandeira peruana, outros com cartazes em memória de Inti Sotelo e Bryan Pintado, mortos na noite de sábado, vítimas da repressão policial durante os protestos que pediam a renúncia de Merino.

Nesta segunda-feira houve inicialmente a disputa entre duas listas que, em essência, encarnavam as posições dos promotores da destituição de Vizcarra e a dos grupos que rejeitaram a moção de censura. Estes últimos, encabeçados pelo veterano deputado Francisco Sagasti, despontavam como favorito, segundo os cálculos das negociações prévias. E, por fim, a lista de seus rivais, cuja vitória teria ameaçado multiplicar a onda de protestos, caiu por uma votação formal.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: