De “gripezinha” a banho de ervas, os governantes que enfrentam o coronavírus rodeados de polêmica

Trump é parte do grupo de políticos que minimizaram o impacto da pandemia, como Bolsonaro e Lukashenko

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de máscara e com os polegares erguidos, saúda o público em frente ao Palácio da Alvorada, sua residência oficial em Brasília, em 17 de julho, pouco depois de anunciar seu diagnóstico de covid-19.
O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de máscara e com os polegares erguidos, saúda o público em frente ao Palácio da Alvorada, sua residência oficial em Brasília, em 17 de julho, pouco depois de anunciar seu diagnóstico de covid-19.Eraldo Peres (AP)

O anúncio do diagnóstico de covid-19 de Donald e Melania Trump ocorre apenas dois meses depois de o presidente norte-americano declarar que o vírus sumiria sozinho, apesar do avanço dos contágios no seu país. “Um dia, como por milagre, vai desaparecer”, afirmou. Assim como o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, Trump se contagiou com uma doença que vinha minimizando desde fevereiro. Outro dirigente afetado foi o presidente de Belarus, Aleksander Lukashenko, que tinha aconselhado beber vodca, jogar hóquei, ir à sauna e cultivar lavouras com um trator como receitas para combater a covid-19.

Não usar máscara ou tentar alcançar a chamada imunidade de rebanho, como propôs o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, são algumas das principais medidas que cercaram os líderes mais polêmicos na luta contra o coronavírus. Embora o tempo tenha revelado a real gravidade da covid-19, alguns dirigentes continuam minimizando o vírus e propondo soluções polêmicas:

Mais informações
U.S. first lady Melania Trump walks holding hands with U.S President Donald Trump as they depart down the West Wing colonnade after she delivered her live address to the largely virtual 2020 Republican National Convention from the Rose Garden of the White House in Washington, U.S., August 25, 2020. REUTERS/Kevin Lamarque
Trump e Melania testam positivo para covid-19 e entram em quarentena
Anthony Pereira, cientista político e professor da King's College de Londres, onde coordena o centro de estudos sobre o Brasil.
“Se Trump vence eleições via ação judicial, será nocivo e pode atiçar Bolsonaro”
Instalación de la ONG Río de Paz en la playa Copacabana (Río de Janeiro) en memoria de los fallecidos en Brasil por coronavirus. El país, el más afectado en el subcontinente, está a punto de superar el umbral de los 100.000 muertos, tras haber llegado a 99.572 fallecidos el sábado.
A corrupção cria um novo genocídio no Brasil
AME8258. RÍO DE JANEIRO (BRASIL), 22/06/2020.- Vista este lunes de un grafiti que muestra al presidente de Brasil, Jair Bolsonaro, mientras se coloca un tapabocas con la inscripción "Covard-17", en crítica a su manejo de la pandemia COVID-19 y en referencia al número que utilizó durante la campaña presidencial, en Río de Janeiro (Brasil). Brasil llegó este lunes a casi 51.000 muertos por coronavirus y 1,1 millones de enfermos, en medio de una crisis sanitaria que convive con las serias turbulencias políticas desatadas en torno al Gobierno del ultraderechista Jair Bolsonaro. EFE/Antonio Lacerda
Negacionismo de Bolsonaro diante da pandemia tem método e pode garantir sua sobrevivência política

Donald Trump (EUA)

Em 22 de janeiro, dois dias depois de ser registrado o primeiro contágio nos EUA, Donald Trump afirmou que tudo estava sob controle. “É uma pessoa que vem da China. Nós a temos sob controle. Vai ficar bem”, prometeu. Embora o avanço da pandemia afinal tenha demonstrado que alguns líderes subestimaram a gravidade do impacto da doença, Trump continuou defendendo tal postura até esta sexta-feira, quando publicou no Twitter que precisará fazer quarentena. O presidente relutava em usar máscara apesar dos quase 7,3 milhões de contágios registrados em seu país. Chegou a sugerir novos métodos para acabar com o agente patogênico, como injetar “desinfetante” nos pacientes para “limpar os pulmões” ou expô-los à luz ultravioleta. Em seu livro Rage (“raiva”), o jornalista Bob Woodward revela que o presidente admitiu em março que estava ocultando a gravidade da situação. “Sempre quis minimizar. Ainda prefiro minimizar, porque não quero criar pânico”, disse-lhe em 19 de março.

Jair Bolsonaro (Brasil)

Em março, o presidente do Brasil desobedeceu todas as recomendações médicas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e cumprimentou e inclusive abraçou admiradores durante um ato com mais de 8.000 pessoas em Brasília. O presidente se referiu ao vírus ―que já matou mais de um milhão de pessoas no mundo― como “uma gripezinha”, acusou os partidos de esquerda de causarem a pandemia e defendeu como tratamento a hidroxicloroquina, um medicamento cuja eficácia no combate a covid-19 não é comprovada. Inclusive, quando se confirmou que dera positivo no exame de covid-19, em julho, o presidente insistiu em considerar exagerada a atenção dada à pandemia no Brasil, que, com 4,85 milhões de casos positivos e 144.680 mortos, é o segundo país mais afetado do mundo.

Aleksandr Lukashenko (Belarus)

A gestão da pandemia em Belarus, com quase 90.000 contágios e 900 mortos, é uma das queixas que alimentam os protestos contra o presidente Aleksandr Lukashenko. Em abril, ele respondeu com brincadeiras a uma jornalista que lhe repreendia por suas medidas contra o coronavírus. “Você está vendo o vírus voando por aqui? Nem eu”, afirmou. Recomendava na ocasião como método preventivo beber vodca e jogar hóquei, e não fazer quarentena. As medidas que propunha para combater a pandemia incluíam também ir à sauna e passar o trator em lavouras. Além disso, desafiou as recomendações da OMS ao manter eventos com grande público. Pouco depois, apresentava-se como um sobrevivente do vírus. “Hoje você estão diante de uma pessoa que conseguiu sobreviver de pé ao coronavírus”, declarou.

Andrés Manuel López Obrador (México)

Em março, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, pediu à mídia que não exagerasse a gravidade do vírus, porque isso era ruim para a economia. “Querem que eu apareça com uma máscara, mas não estamos nessa etapa e não vou fazer isso”, insistiu. “Para que vou alarmar as pessoas?”, repetia o mandatário. Inclusive em julho, com a pandemia avançada, voltou a negar a importância de usar o acessório quando fosse possível manter a distância física com o interlocutor. “A pandemia está perdendo força pouco a pouco”, afirmava. As críticas afloraram quando López Obrador recomendou aos cidadãos se protegerem do vírus com amuletos e “retratinhos da virgem” e de outros santos.

Boris Johnson (Reino Unido)

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, chegou a ficar internado numa UTI após ser diagnosticado com covid-19, em abril passado. Nesse momento, os asilos de idosos se queixavam de que Johnson os abandonara à própria sorte no princípio da epidemia. As críticas pela demora em realizar testes generalizados se somaram às recriminações pela moderação na primeira estratégia de atuação contra o coronavírus em que perseguia, assessorado por seu gabinete científico, a chamada imunidade coletiva. Depois de superar a doença, Johnson mudou completamente a gestão da crise.

John Magufuli (Tanzânia)

Conhecido como o Bolsonaro ou o Trump da África, John Magulfi é repetidamente criticado por desinformar a Tanzânia sobre a crise da covid-19. Além da ausência de dados sobre infectados e mortos, o líder apela a Deus e a banhos de ervas para combater a enfermidade, resiste a qualquer medida de confinamento e chegou a anunciar que tinha enviado amostras de um mamão e uma cabra para serem analisadas e que deram positivo, numa nova tentativa de lançar dúvidas sobre a covid-19 e seu verdadeiro impacto.

Gurbanguly Berdimuhamedov (Turcomenistão)

O Governo do Turcomenistão, país que faz fronteira com o Irã ― uma das primeiras nações a detectar infectados procedentes da China ― erradicou a palavra coronavírus da Administração de Gurbanguly Berdimuhamedov, e a mídia independente denuncia que as autoridades ocultam a pandemia e detêm quem fala publicamente sobre a crise ou usa máscara.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS