Trump agora diz que dará aos ‘dreamers’ acesso à cidadania

Presidente dos EUA afirma na televisão que prepara uma ordem executiva que abriria caminho para a legalização dos jovens do programa DACA, depois de três anos tentando acabar com essa proteção

Manifestantes comemoram diante da Suprema Corte dos EUA, em 18 de junho, a sentença que impediu Trump de eliminar o programa DACA.
Manifestantes comemoram diante da Suprema Corte dos EUA, em 18 de junho, a sentença que impediu Trump de eliminar o programa DACA.Stefani Reynolds (GTRES)
Mais informações

Na enésima aparente mudança de critério sobre o programa Ação Diferida para Chegadas na Infância (DACA, na sigla em inglês), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou sexta-feira que pretende legalizar os 700.000 imigrantes irregulares beneficiários dessa proteção e oferecer um “caminho para a cidadania” norte-americana. O anúncio, feito de passagem em uma entrevista na televisão, ocorre quase um mês depois que a Suprema Corte o impediu de eliminar esse programa, que protege da deportação imigrantes que chegaram aos EUA sendo menores de idade.

“Vou fazer uma grande lei de imigração”, disse Trump em entrevista a José Díaz-Balart na Telemundo. “Um dos aspectos da lei será o DACA, vamos ter um caminho para a cidadania”, enfatizou duas vezes. “Vou enviar uma lei como ordem executiva”, acrescentou. Quando o jornalista lhe perguntou se estava se referindo a um projeto de lei (a ser analisado pelo Congresso) ou a uma ordem executiva (decreto), esclareceu que se referia a uma ordem executiva.

O programa DACA foi criado por um decreto do então presidente Barack Obama em 2012, diante da frustração com o bloqueio do Congresso a qualquer avanço na legalização de milhões de imigrantes nos Estados Unidos. Aplica-se apenas aos imigrantes sem documentos que chegaram aos EUA trazidos ilegalmente por seus pais quando eram menores de idade. As condições para obter o benefício exigem que sejam cidadãos exemplares. Trata-se de um certificado de identidade e uma permissão de trabalho renovável a cada dois anos. Não equivale a nenhum tipo de status migratório nem abre caminho para solicitar cidadania. É simplesmente uma proteção administrativa para que esses jovens, chamados de dreamers (“sonhadores”), não possam ser deportados.

Como candidato, Trump deu várias guinadas em suas considerações sobre o DACA, que tem amplo apoio nos Estados Unidos, independentemente de ideologias. Por um lado, dedicava elogios aos jovens que estão protegidos por ele; por outro, afirmava que tinham de sair do país. Desde que chegou à Casa Branca, há três anos e meio, Trump tenta acabar com o programa e utilizou a ameaça de deportação desses jovens como moeda de troca em várias negociações políticas. Sua Administração tentou eliminá-lo judicialmente, mas em 18 de junho a Suprema Corte emitiu uma sentença que deixou o programa intacto.

Trump protestou contra a sentença, considerando-a “horrível” e “motivada politicamente”. No dia seguinte, prometeu uma nova ação para acabar com o DACA. Na entrevista desta sexta-feira, no entanto, Trump interpretou que a sentença da Suprema Corte lhe concede poderes que não tinha antes para legislar por decreto sobre os dreamers. “Muitas pessoas, incluindo muitos republicanos, vão ficar muito contentes”, assinalou.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: