Justiça colombiana investigará o ex-presidente Uribe por suposta compra de votos

Suprema Corte abre processo preliminar para esclarecer se ele manteve contatos com um traficante para favorecer a campanha do mandatário Iván Duque

O presidente Iván Duque (à direita), com o ex-mandatário Álvaro Uribe em foto de setembro de 2019.
O presidente Iván Duque (à direita), com o ex-mandatário Álvaro Uribe em foto de setembro de 2019.Fernando Vergara (AP)

O escândalo por suposta compra de votos para favorecer a campanha presidencial de Iván Duque começou como uma reportagem que causou uma tempestade política na Colômbia para se transformar em uma nova investigação formal contra o ex-presidente e hoje senador Álvaro Uribe. A Sala de Instrução da Suprema Corte, a mais alta instância da Justiça comum, decidiu abrir um expediente prévio contra Uribe, mencionado em uma ligação entre um traficante e uma assessora do senador.

Mais informações

O tribunal afirmou que Uribe será investigado por “supostas ações contra os mecanismos de participação democrática”, pelos casos revelados por Gonzalo Guillén e Daniel Mendoza, jornalistas que noticiaram a transcrição de uma ligação em que o hoje falecido José Guillermo Hernández, conhecido como Ñeñe, e a assistente de Uribe, María Claudia Daza, falaram da suposta compra de votos à campanha presidencial de Duque, realizada em 2018. Nela, de acordo com a investigação judicial, tanto Duque como Uribe são mencionados e se fala de passar “dinheiro por debaixo da mesa”, para conseguir votos que levaram o uribismo de volta à presidência da Colômbia.

Uribe e Duque negaram ter utilizado contribuições de Hernández na campanha e afirmam que não sabiam que o homem, assassinado no Brasil em 2019, era um narcotraficante. Dezenas de fotos provam que Hernández tinha poder em círculos políticos e militares. Para a autoridade judicial, ele integrava organização criminosa e tinha bens que eram produto de atividades de tráfico de drogas, além de ser investigado por um homicídio. Em meio a essas escutas legais apareceu a conversa que coloca o uribismo nas cordas.

Com o escândalo crescente, a Promotoria, liderada por Francisco Barbosa, amigo próximo de Duque, solicitou à Suprema Corte o adiantamento das investigações. De acordo com o jornalista que fez a revelação, entretanto, o documento de Barbosa foi redigido de maneira incompleta e contém inverdades “para que não leve a nada”. “Não vai acontecer nada. A Promotoria é de Uribe e a Corte tem pavor dele. O restante não passa de cortina de fumaça”, escreveu Guillén, que denunciou perseguições e interceptações feitas contra ele e afirma que tem os áudios seguros no exterior.

Esse é somente um dos processos contra o ex-presidente por diversos motivos. No mais avançado, entretanto, o senador do Centro Democrático responde por fraude processual e subornos por suspeita de manipulação de testemunhas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: