Uribismo pede que Colômbia expulse órgão de direitos humanos da ONU

Tensão eclodiu após relatório sobre a violência no país apresentado pela alta comissária Bachelet

O presidente da Colômbia, Iván Duque
O presidente da Colômbia, Iván DuquePRESIDENCIA DE COLOMBIA / EFRAÍN (Europa Press)

O relatório apresentado na semana passada pela alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, sobre a grave situação de violência na Colômbia fez eclodir a tensão entre o Governo de Iván Duque e o sistema da ONU. A ala mais radical da direita, agrupada em torno do ex-presidente Álvaro Uribe, pediu a expulsão dos funcionários do alto comissariado e redobrou os ataques às Nações Unidas.

Mais informações

Assim que o relatório foi divulgado, o presidente o acusou de ser “uma intromissão na soberania da Colômbia”. Num um ato coordenado de resposta, seu ministro de Defesa e o encarregado da área de Estabilização e Legalidade criticaram o relatório ao tachá-lo de “impreciso” e “descuidado" e acusá-lo de “extrapolar o mandato assinado pelo Governo com o alto comissariado de Direitos Humanos”. Os membros do partido de Duque se uniram às críticas. “O presidente deveria rever a relação da Colômbia com a ONU e fechar esse escritório da alta comissária de Direitos Humanos, transformada em guarida politiqueira com viés ideológico passional. Aqui temos Ministério Público, Defensoria do Povo e Conselho de Direitos Humanos”, afirmou Ernesto Macías, ex-presidente do Senado. Sua solicitação se espalhou nas redes sociais, onde uribistas promovem a etiqueta #ONUforadaColômbia. O ex-presidente Álvaro Uribe afirmou que o relatório é “injusto” e que “sem se propor a isso, estimula a ação dos assassinos”.

O relatório traça um brutal panorama da situação de direitos humanos durante 2019, em que se evidencia o retorno de práticas como as chacinas ―36, maior cifra desde 2014—, bem como o assassinato de líderes sociais e a suposta participação de membros das forças militares em ações ilegais, como torturas. Mas, além disso, recomenda uma transformação do Esquadrão Móvel Antimotins (ESMAD), e que a supervisão dessa força de choque passe da Polícia para o Ministério do Interior. Este último foi um dos pontos que mais incomodaram Duque. “Isso cabe às autoridades colombianas no marco da institucionalidade colombiana”, disse o mandatário, que no domingo tentava reduzir a voltagem dessa tensão. “Mantemos uma relação respeitosa com a ONU, e além disso voltada para os projetos na Colômbia”, afirmou.

Mas a polêmica se estendeu a outras áreas. Durante o fim de semana, o relator da ONU Michel Forst denunciou que o Governo o proibiu de entrar no país para finalizar um relatório sobre defensores de direitos humanos, a ser apresentado nesta quarta-feira em Genebra. “Queriam apagar por completo meu relatório”, denunciou ele aos meios de comunicação. Diante das suas declarações, o assessor presidencial para a Estabilização e a Consolidação, Emilio Archila, disse que não houve “nem vetos nem atropelos”, e sobre o caso do alto comissariado de Direitos Humanos insistiu em que o documento assinado por Bachelet “apresentava omissões de informação” que “não ajudam a construir paz”.

Embora em Governos anteriores também tenha havido mal estar com os relatórios, a relação com o sistema das Nações Unidas se mantinha cordial. Sobre a polêmica, a Missão de Verificação da ONU na Colômbia divulgou um comunicado em que ratifica a cooperação que mantém com o país há seis décadas e seu ânimo colaborativo. “Nossos relatórios oferecem recomendações construtivas a partir de diferentes perspectivas, sempre com o propósito de contribuir para o desenvolvimento sustentável e a construção da paz no país”.

Esta não é a única frente aberta na disputa com as agências da ONU, apenas a mais sonora. Há poucos dias, o Governo cancelou um convênio de assessoria técnica com o Escritório das Nações Unidas para a Droga e o Delito (UNODC) voltado para a substituição de cultivos ilícitos, o que, de acordo com seu ex-diretor, demonstra “o desprezo” do Governo pela decisão de camponeses de participarem voluntariamente da erradicação das plantações de coca.


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: