Estudo do MIT não encontra evidência estatística de fraude nas eleições da Bolívia

OEA critica fortemente os questionamentos sobre sua avaliação do processo eleitoral boliviano: “ignora as principais conclusões do relatório de auditoria”

Um dos protestos na Bolívia depois das eleições presidenciais.
Um dos protestos na Bolívia depois das eleições presidenciais.J. Mamani (Getty)
Mais informações

Um estudo dos especialistas em integridade eleitoral Jack Williams e John Curiel, do MIT Election Data and Science Lab, concluiu que “não há nenhuma evidência estatística de fraude” nas eleições presidenciais de outubro passado na Bolívia, que apontavam o ex-presidente Evo Morales como vencedor. Por causa da pressão dos militares, o líder boliviano abandonou o cargo. Os estudiosos classificaram as conclusões do relatório divulgado pela Organização dos Estados Americanos (OEA) em novembro como “profundamente falhos”, de acordo com um artigo publicado nesta quinta-feira no The Washington Post, e lembram que a Bolívia está se preparando para novas eleições em 3 de maio “após o golpe de Estado apoiado pelo Exército” em 10 de novembro.

A OEA, por sua vez, criticou fortemente o relatório do MIT. Segundo a organização, O artigo de Williams e Curiel “ignora as principais conclusões do relatório de auditoria da OEA”. “Não é honesto, baseado em fatos ou exaustivo. Acima de tudo, não é científico”, acrescenta a declaração da OEA. As descobertas da entidade regional falavam em “manipulação intencional” nas eleições que deram a Morales a vencer. A instituição diz que os acadêmicos ignoram as conclusões de seu relatório relacionadas a mudanças na ata e a falsificação de assinaturas e o fato de que, durante a contagem das votações, o fluxo de dados foi redirecionado para dois servidores ocultos e não controlados pelo pessoal do Supremo Tribunal Eleitoral, o “que tornou possível a manipulação de dados e a suplantação de atas”, observa a carta dirigida aos editores de The Monkey Cage, uma seção do jornal The Washington Post, que publicaram uma análise de Williams e Curiel na quinta-feira.

O documento da entidade regional, que apontava atas queimadas, redirecionamento de votos a servidores ocultos e nomes duplicados, afirmava que, quando a contagem foi retomada após a suspensão do Sistema de Transmissão de Resultados Preliminares (TREP), os dados mostravam uma tendência "altamente improvável” a favor do candidato do Movimento ao Socialismo (MAS). No entanto, a investigação dos especialistas do MIT diz que não parece haver uma diferença “estatisticamente significativa” na margem entre os resultados de antes e depois da interrupção na transmissão.

“Em vez disso, é muito provável que Morales tenha superado a margem de 10 pontos percentuais no primeiro turno”, disseram eles no Post. Segundo a Constituição boliviana, um candidato vence as eleições presidenciais quando obtém a maioria absoluta ou 40% dos votos, desde que com uma vantagem de pelo menos 10 pontos percentuais sobre o segundo candidato. Se não for o caso, é realizado um segundo turno.

A contagem preliminar dos votos parou com cerca de 84% dos votos apurados, quando Morales tinha uma vantagem de 7,87 pontos percentuais, segundo o estudo. Quando a contagem foi retomada, a votação de Morales excedia o segundo candidato mais votado, o ex-presidente Carlos Mesa, em mais de 10 pontos. O relatório da auditoria encomendado pela OEA ―com o consentimento da Bolívia― considerou que “uma irregularidade nessa escala é um fator determinante no resultado” em favor de Morales. Além disso, afirmava que essas “manipulações” e “irregularidades” impediam conhecer com certeza a diferença entre Morales e Mesa. “O que é possível dizer é que houve uma série de operações dolosas destinadas a alterar a vontade expressa nas urnas”, concluía.

“Houve uma descontinuidade entre os votos contados antes e depois da recontagem não oficial? É claro, as descontinuidades podem ser evidências de manipulação”, disseram Williams e Curiel, mas, com base somente na “evidência das estatísticas” eles não encontraram as “anomalias” que a OEA registra na tendência dos eleitores. No estudo, encomendado pelo Centro de Pesquisa Econômica e Política (CEPR), eles constataram uma correlação de 0,946 entre a diferença de Morales entre os resultados de antes e depois da suspensão da contagem dos votos. Essa correlação desacredita o relatório da OEA, que assinalava que os últimos 5% dos votos apresentavam uma tendência diferente dos 95% anteriores. "A análise estatística realizada revelava que a vitória no primeiro turno de Evo Morales era estatisticamente improvável".

Quando se revelou o resultado com 95% das atas apuradas, a OEA fez uma declaração em que expressava sua preocupação com “a mudança de tendência”. Depois que todos os votos foram contados, o resultado deu a Morales uma vantagem de 10,6% sobre o Mesa. Os protestos nas ruas, a sombra das irregularidades e as pressões das Forças Armadas forçaram o presidente boliviano a deixar o cargo. O líder boliviano divulgou nesta quinta-feira o artigo do Post afirmando que a OEA, seu presidente, Luis Almagro, e a comissão responsável pela auditoria dos resultados das eleições “devem muitas explicações ao povo boliviano e ao mundo inteiro”. Almagro havia dito que “o único golpe de Estado na Bolívia” aconteceu quando Morales “cometeu fraude eleitoral”.

O relatório de auditoria da OEA afirma que a “análise estatística” dos resultados é apenas um dos fatores que eles consideraram em suas constatações. O documento da agência dá conta de que os resultados preliminares e o cálculo final foram “viciados”; identificou um padrão de manipulações e falsificações dos registros eleitorais; uma cadeia de segurança deficiente; e atas não confiáveis. “É um desafio à razão que alguém pegue uma dessas provas, supostamente a questione, ignore todas as outras e declare com orgulho que "não há motivo para suspeitar de fraude”, diz a entidade regional.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: