Defesa de Assange diz que Trump ofereceu o perdão se negasse a trama russa nas eleições de 2016

A revelação, que a Casa Branca desmentiu, veio à luz em uma vista prévia do processo de extradição do ativista para os EUA, que começará no dia 24 em Londres

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta terça-feira em Washington.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta terça-feira em Washington.Stefani Reynolds (CNP)

Julian Assange, o cofundador do portal Wikileaks, enfrenta a partir da próxima semana seu maior temor: a possibilidade de ser extraditado para os Estados Unidos. E seu advogado conseguiu uma pequena vitória nesta semana, durante a fase questões prévias, antes da audiência que começará na próxima semana, perante um tribunal de Londres. Edward Fitzgerald pediu e obteve a permissão dos magistrados para chamar para depor uma testemunha que afirma que um emissário do presidente norte-americano, Donald Trump, ofereceu o perdão ao fugitivo se ele afirmasse em seu depoimento que a Rússia não tinha nada a ver com os vazamentos dos e-mails da campanha da candidata democrata, Hillary Clinton, em 2016.

Mais informações

A testemunha em questão é Jennifer Robinson, advogada australiana que representa Assange. Como ela não tem a categoria de barrister (advogado que possui permissão para atuar nos tribunais superiores) que Fitzgerald tem, não pode exercer diretamente a defesa no tribunal. Robinson diz que o congressista norte-americano republicano, Dana Rohrabacher, foi à embaixada do Equador em Londres –onde Assange passou quase sete anos como asilado político– em agosto de 2017 para falar diretamente com ele e apresentar-lhe, de acordo com a versão dos advogados, a oferta de Trump. Rohrabacher esteve no olho do furacão nos últimos anos por suas estreitas ligações com o presidente russo, Vladimir Putin, e seu entorno.

A porta-voz da Casa Branca, Stephanie Grishman, negou que o mandatário norte-americano tenha feito essa oferta ao ciberativista: “O presidente mal conhece Dana Rohrabacher, além de que é um ex-congressista. Nunca falou com ele sobre esse assunto e quase sobre nenhum assunto. É uma invenção completa e uma mentira total”.

Os Estados Unidos reclamam a extradição de Assange por 18 acusações, que incluem supostos crimes de conspiração e espionagem, que podem significar até 175 anos de prisão. Preso inicialmente em 2010 no Reino Unido a pedido da Suécia por um caso de suposto crime sexual atualmente arquivado, Assange passou os últimos dez anos confinado, primeiro em prisão domiciliar e depois na embaixada em Londres do Equador, que em 2019 retirou-lhe o asilo político O ativista, de 48 anos, aguarda o processo judicial na prisão de alta segurança de Belmarsh, em Londres.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: