Desastres aéreos

Canadá e EUA indicam que um foguete iraniano derrubou o avião ucraniano

O primeiro ministro do Canadá, Justin Trudeau, diz que a hipótese vem de informações de inteligência coletadas de várias fontes. Fontes de inteligência dos EUA considera “altamente provável”, enquanto Teerã afirma que essa teoria “não faz sentido”

O jornal 'The New York Times' publicou e confirmou nesta quinta-feira um vídeo que aparentemente mostra como um míssil atinge um objeto na mesma época e na mesma área em que o Boeing da companhia aérea ucraniana caiu.

O incidente do avião ucraniano que caiu na quarta-feira perto de Teerã matando seus 176 ocupantes está a caminho de se tornar um incidente de classe mundial. O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse nesta quinta-feira em uma entrevista coletiva que informações de inteligência coletadas de várias fontes sugerem que o Boeing 737-800 da empresa Ukraine International Airlines (UIA) foi acidentalmente atingido por um míssil terra-ar iraniano. A informação “sugere” que é a “causa provável” do evento, acrescentou. Sessenta e três canadenses (a maioria com dupla cidadania iraniana) estavam viajando no avião. Pouco antes, as fontes de inteligência de Washington citadas por vários meios de comunicação consideraram essa hipótese “altamente provável”.

A Ucrânia, que enviou uma equipe de especialistas para a capital iraniana, não descarta nenhuma teoria; nem que a aeronave tenha sido abatida por um míssil ou sofrido um ataque terrorista. As autoridades iranianas dizem que teorias diferentes das de um problema mecânico “não fazem sentido”. Horas antes do dispositivo cair, o Irã lançou vários mísseis em duas bases no Iraque, onde as tropas dos EUA estão posicionadas.

Questionado sobre o assunto em uma conferência de imprensa nesta quinta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, reconheceu suas “suspeitas”. O avião, ele disse, sobrevoou “um bairro muito difícil”. “Alguém do outro lado poderia ter cometido um erro. Não era o nosso sistema. Não tinha nada a ver conosco”, acrescentou. “Algumas pessoas dizem que foi mecânico. Eu pessoalmente não acho que isso seja um problema.”

A investigação do que aconteceu com o voo PS752 pode ser particularmente espinhosa e difícil devido à tensão entre Teerã e Washington após o assassinato com um drone dos Estados Unidos do general iraniano Qasem Soleimani. Autoridades norte-americanas citadas pela Reuters, CBS e CNN alegaram que os satélites dos EUA detectaram o lançamento de dois mísseis pouco antes do acidente do avião. O Pentágono se recusou a comentar oficialmente. Além disso, o Reino Unido (três cidadãos britânicos estavam a bordo) está investigando relatórios “muito preocupantes” sobre o acidente aéreo no Irã, de acordo com um porta-voz de Downing Street citado pelo The Guardian.

Enquanto isso, as autoridades iranianas garantiram à agência de notícias estatal que o avião pegou fogo no meio do voo e que havia sofrido uma falha técnica; e também que ele começou a virar em direção ao aeroporto. O dispositivo, que decolou às 6h12, cinco minutos antes do incidente, desapareceu do radar a uma altura de 2.440 metros. Teerã se recusou no momento a entregar as caixas-pretas à multinacional americana Boeing, algo que Donald Trump pediu em sua aparição diante da imprensa.

Enquanto isso, em Kiev, o presidente ucraniano Volodímir Zelenski pediu para não se especular sobre as causas da tragédia. Seu país enviou um grupo de 45 especialistas, incluindo especialistas que participaram da investigação internacional sobre o ataque ao voo MH17 da Malaysia Airlines em 2014, atingido por um míssil russo de defesa aérea Buk — uma catástrofe na qual 298 pessoas morreram.

O secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, Oleksiy Danilov, escreveu em um comunicado no Facebook que várias causas são estudadas, incluindo uma explosão a bordo como resultado de um ataque terrorista ou “o impacto de um sistema de defesa aérea”. Danilov mencionou várias informações não confirmadas publicadas na Internet, que indicam supostas imagens de fragmentos de “um míssil russo perto do local do acidente”.

Uma autoridade anônima dos EUA citada pelo The Washington Post diz que Washington acredita que o avião foi atingido, em particular, por um míssil terra-ar Tor de fabricação russa. O sistema Tor remonta à Guerra Fria e foi exportado pela Rússia para vários países, incluindo o Irã.

Os investigadores devem considerar um ataque “como uma prioridade”, disse Peter Goelz, ex-diretor do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA. Os Estados Unidos e a Rússia, assim como várias empresas internacionais, pediram que suas companhias aéreas evitassem o espaço aéreo sobre o Irã e o Iraque.

Entre os mortos no voo PS752 estão 82 iranianos, 63 canadenses (a maioria com dupla nacionalidade iraniana), 11 ucranianos, dez suecos, quatro afegãos, três alemães e o mesmo número de cidadãos britânicos, que voavam para a capital da Ucrânia. A investigação da catástrofe, da qual participam especialistas de vários países, pode levar mais de um ano e aumentar ainda mais a crise de segurança da Boeing; para a companhia norte-americana, este é o último de uma série de acidentes graves com milhares de vítimas. Enquanto isso, as declarações dos países afetados são confusas e contraditórias.

O relatório da organização de aviação civil do Irã cita testemunhas que viram do solo que o avião, que tinha apenas três anos e havia passado por uma revisão na segunda-feira, caiu coberto de chamas. As autoridades iranianas, que até o momento se recusam a entregar as caixas-pretas à norte-americana Boeing, afirmaram que o aparelho teve um problema técnico logo depois de decolar e que estava voltando ao aeroporto de Teerã antes de cair. Os pilotos não se comunicaram com nenhum controlador aéreo para informar sua situação. O avião desapareceu do radar a uma altura de 2.440 metros.

No local do acidente, perto da cidade de Sabashahr, as equipes de resgate recuperaram os corpos de todos os mortos, assim como partes do avião e vários objetos pessoais. A rota era muito utilizada por iranianos e canadenses de origem iraniana, já que não há voos diretos entre Teerã e Toronto, e o Canadá é um dos países em que mais residem pessoas de origem iraniana (mais de 200.000). Essa é a explicação para o grande número de mortos iranianos ou que tinham dupla nacionalidade canadense-iraniana em um voo para Kiev.

Em Toronto, Kavoss Zadeh, residente no bairro de Little Tehran, disse que os moradores estavam “chocados” com o acidente. Originário de Teerã, Zadeh, de 65 anos, mas residente no Canadá há 30, conhecia muitas das vítimas. “Alguns eram dentistas, médicos, pessoas altamente educadas”, disse.

Saba Kebari, estudante de biologia da Universidade de York, de 23 anos, disse que alguns de seus amigos e colegas de classe estavam no avião. “O preço do dólar e da moeda do nosso país (Irã) mudaram drasticamente, e as pessoas preferem pegar o voo mais barato possível”, disse, referindo-se às sanções dos EUA contra o Irã. Uma dessas opções, explicou, é a oferta da Ukrainian Airlines via Kiev. Cerca de 30 outros passageiros eram da região de Edmonton, informou a imprensa canadense, incluindo um casal de professores da Universidade de Alberta e suas duas filhas, de 9 e 14 anos.

O mais visto em ...Top 50