Em sua melhor versão na Copa América, Brasil despacha Peru e vai à final

Neymar decidiu outra vez, com linda jogada para Lucas Paquetá marcar o gol da vitória. Seleção agora espera o vencedor no confronto entre Argentina e Colômbia para disputar o bicampeonato

Outra vez decisivos, Paquetá e Neymar comemoram o gol com dancinha no Nilton Santos.
Outra vez decisivos, Paquetá e Neymar comemoram o gol com dancinha no Nilton Santos.AMANDA PEROBELLI (Reuters)
Mais informações

Pela segunda edição consecutiva, o Brasil está na final da Copa América. A classificação veio com uma vitória sobre o Peru por 1 a 0 nesta segunda-feira, 5 de julho, no estádio Nilton Santos, Rio de Janeiro, com gol de Lucas Paquetá em linda jogada de Neymar, assim como no jogo anterior. Com um primeiro tempo primoroso e um segundo tempo seguro, a seleção carimbou a vaga na decisão numa atuação que reforça o status de favorita ao bicampeonato, novamente jogando em casa. O palco da final é o mesmo de 2019: o estádio Maracanã, no próximo sábado, às 21h (horário de Brasília). O adversário depende do resultado da outra semifinal, Argentina x Colômbia, a ser disputado nesta terça-feira (6) em Brasília.

O cartão vermelho de Gabriel Jesus contra o Chile obrigou Tite a mexer em seus 11 titulares para a semifinal. O atacante Everton Cebolinha foi o escolhido para substituir Jesus. Além dele, Lucas Paquetá, que entrou no intervalo e marcou o gol da vitória contra os chilenos, foi escalado no lugar de Roberto Firmino. Assim, o Brasil começou com Ederson no gol; Danilo, Thiago Silva, Marquinhos e Renan Lodi na defesa; Casemiro, Fred e Paquetá no meio-campo; e Richarlison, Neymar e Everton no ataque.

No primeiro tempo, foi vista uma seleção brasileira em sua melhor versão do ano. Com Casemiro e Paquetá controlando o meio-campo, muita movimentação e uma ágil troca de passes, o Brasil empilhou chances com Neymar, Richarlison e Cebolinha concluindo dentro da área, além de perigosos chutes de longe disparados por Casemiro. Não fossem alguns milagres do goleiro peruano Gallese, o Brasil teria marcado duas ou três vezes antes dos 20 minutos. O único gol, no entanto, veio aos 34 minutos: Richarlison enfiou para Neymar, que chamou os defensores rivais para dançar na ponta-esquerda. O camisa 10 driblou dois zagueiros, passou pelos buracos do criticado gramado e serviu Lucas Paquetá, que abriu o placar batendo de canhota. O domínio brasileiro na etapa inicial deixou o Peru no lucro ao perder só por 1 a 0.

Se o ataque brasileiro brilhou no primeiro tempo, a etapa final começou com a defesa sendo mais exigida. O Peru voltou do intervalo mais ofensivo e, logo aos quatro minutos, criou uma jogada pela direita que terminou em boa defesa de Ederson. O ímpeto peruano só diminuiu com o passar do tempo, o que fez os donos da casa retomarem o controle do jogo e não terem a vantagem ameaçada. Tite ainda testou Everton Ribeiro no lugar de Cebolinha. Depois, Fabinho, Militão e Vinicius Junior substituíram Fred, Richarlison e Lodi e, já nos acréscimos, o treinador ganhou tempo ao trocar Paquetá por Douglas Luiz. O 1 a 0 perdurou, assim, até o apito final.

Foi a segunda vitória do Brasil sobre a seleção peruana nesta edição da Copa América. Na primeira fase, os brasileiros já haviam goleado os peruanos por 4 a 0, no mesmo estádio. O mesmo aconteceu na edição passada da competição, quando o time de Tite bateu o Peru na terceira rodada e na final. Não à toa, a seleção andina é o adversário mais frequente de Tite no comando do Brasil: são sete jogos no total, com seis vitórias brasileiras e uma peruana.

A ótima atuação brasileira ainda não fez com que a Copa América caísse na graça da maioria dos brasileiros. Única emissora a transmitir a semifinal na tv aberta, o SBT ficou em segundo lugar na audiência de São Paulo e Rio de Janeiro, as duas principais praças do país, perdendo para o fim do Jornal Nacional e a reprise da novela Império na Globo durante todo o jogo. Nos trending topics do Twitter, Neymar (em primeiro lugar) e Peru (em terceiro lugar) foram os assuntos relacionados ao jogo que figuraram nos 10 assuntos mais falados. Em compensação, a reprise da novela global Salve-se quem puder foi responsável por quatro termos no top 10 no momento da partida, entre os quais estavam as atrizes Juliana Paiva e Flavia Alessandra.

Assim como todos os adversários que a seleção brasileira enfrentou na Copa América, o Peru também registrou casos positivos de covid-19 durante a realização da competição. Segundo as contas do Ministério da Saúde, foram detectados 165 casos do vírus relacionados ao torneio desde o seu início, sendo 37 jogadores ou membros de delegação, 125 terceirizados e três funcionários da Conmebol. Em 28 de junho, o MS havia divulgado 198 positivos, mas não esclareceu porque o número total, acumulado de 11 de junho a 4 de julho, abaixou.

O adversário brasileiro na final sai do confronto entre Argentina e Colômbia, programado para essa terça-feira, 6 de julho, em Brasília. Além do contexto decisivo, o jogo tem tudo para ser o principal desafio brasileiro pelo nível do outro finalista. Se for a Argentina, a seleção tem pela frente sua maior rival no continente, uma equipe liderada pelo inspirado Messi e uma das únicas seleções que conseguiu derrotar Tite desde que ele foi contratado pela CBF. Já se for a Colômbia, o Brasil enfrentará a única seleção para a qual saiu perdendo nesta edição da Copa América. Pela terceira rodada do grupo B, os colombianos chegaram a fazer 1 a 0 no placar, mas os brasileiros viraram no último minuto. Os brasileiros buscam o bicampeonato seguido da Copa América, que seria o 10º título canarinho na competição.

“Eu estou torcendo para a Argentina, eu quero a Argentina” foi o pedido de Neymar, entre risos, na entrevista após o fim do jogo. Em seu pronunciamento, Tite justificou a queda de desempenho na segunda etapa pelo “desgaste físico e mental”, já que a seleção teve o menor intervalo de descanso entre as quartas de final e a semi. “O Brasil mereceu porque fez um grande primeiro tempo, poderia ter traduzido em gols, não fez, e com o passar do tempo a capacidade de enfrentamento, a mobilidade se perdeu aos poucos”, afirmou ele. O treinador alcançou a 45ª vitória em 60 jogos pela seleção, está invicto desde novembro de 2019 e tem como única derrota em jogos oficiais a partida contra a Bélgica, na Copa do Mundo 2018. O Brasil ainda ganhou as últimas cinco finais de Copa América que jogou: 2019, 2011, 2007, 1999 e 1997.


Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: