COPA AMÉRICA

Preso por assédio sexual um integrante da segurança da seleção uruguaia

O homem, de 45 anos, foi detido pela polícia de Cuiabá na noite de domingo

A seleção uruguaia e a da Argentina, durante a Copa América. / NELSON ALMEIDA / AFP
A seleção uruguaia e a da Argentina, durante a Copa América. / NELSON ALMEIDA / AFPNELSON ALMEIDA / AFP

Mais informações

Um segurança da delegação uruguaia que participa da Copa América foi preso nesta segunda-feira pela polícia sob a acusação de intimidar e assediar sexualmente uma funcionária da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol).

Os fatos ocorreram na noite deste domingo, quando o suspeito, de 45 anos e cuja identidade não foi divulgada, teria assediado uma mulher de 46 anos no hotel onde a equipe uruguaia está hospedada em Cuiabá, segundo a Polícia Militar da cidade.

De acordo com o comunicado divulgado pela Polícia Militar, a mulher, uma funcionária da segurança contratada pela Conmebol, disse que por volta das 22 horas o homem a cumprimentou e logo em seguida começou a assediá-la.

Em uma das ocasiões, ele perguntou a que horas ela iria sair e quanto ganhava, lhe pediu um beijo e pôs uma nota de 10 reais no banco onde estava sentado. Ela recusou, mas ele colocou outra nota de 10 reais no bolso de seu casaco”, disse o comunicado.

A polícia disse que membros da equipe de segurança do hotel viram o que acontecia pelas câmeras de vigilância e, quando perceberam que o homem estava agarrando a mulher pelo braço, foram ao local, mas ele já tinha ido embora.

O suspeito foi intimado pelas autoridades quando estava em seu quarto e negou as denúncias da mulher. Posteriormente, foi levado para a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, onde foi multado por importunação e assédio sexual e encaminhado para uma audiência de custódia.

Diante do ocorrido, a Conmebol emitiu uma breve declaração na qual assinala que rejeita e condena “energicamente” qualquer forma de assédio sexual e que permanecerá atenta às decisões das autoridades que tratam da denúncia. “A Conmebol continuará a trabalhar por um futebol livre de discriminação, violência e assédio, e em favor do esporte como instrumento de desenvolvimento e crescimento das pessoas e da sociedade”, acrescentou.

A polêmica acompanha a Copa América. A seleção chilena quebrou os protocolos de saúde neste fim de semana. A Federação Chilena e a comissão técnica admitiram que um cabeleireiro entrou no hotel da concentração em Cuiabá e que os jogadores de futebol desrespeitaram as diretrizes na bolha sanitária a menos de 24 horas de enfrentarem o Uruguai nesta segunda-feira. Os jogadores envolvidos, cujos nomes foram omitidos, serão punidos pela sua federação e também pela Conmebol. O Brasil enfrenta uma terceira onda de contágios da covid-19 e já ultrapassou meio milhão de mortes.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50