Kyrie Irving, a estrela da NBA que não joga porque não se vacinou

A Liga diz que os Nets, um dos principais candidatos ao título desta temporada, podem sancionar o armador em 2 milhões de reais por cada jogo que ele perder, mas o sindicato dos jogadores discorda

Kyrie Irving, durante um jogo com o Brooklyn Nets em dezembro de 2020.
Kyrie Irving, durante um jogo com o Brooklyn Nets em dezembro de 2020.JARED C. TILTON (AFP)

O Brooklyn Nets, um dos principais candidatos ao título da NBA na próxima temporada, não pode contar com Kyrie Irving nos jogos disputados em sua quadra. O armador de 29 anos reluta em se vacinar, como fizeram 95% dos jogadores da Liga, segundo dados da presidente do sindicato (NBPA), Michele Roberts. A NBA não obriga seus jogadores a ser vacinar, mas as leis de Nova York e São Francisco exigem a vacinação —pelo menos uma dose— para acessar locais fechados.

A situação de Kyrie Irving se tornou um pesadelo para os Nets e a Liga. A temporada começa no dia 19 de outubro e as equipes já estão disputando os primeiros amistosos de preparação. Os Nets, que perderam o primeiro deles em Los Angeles para o Lakers por 123-97, jogou o segundo nesta sexta-feira, contra o Milwaukee Bucks, atual campeão e justamente rival dos Nets no primeiro jogo do campeonato. vão jogar no dia 19 de outubro, embora seja na cidade de Wisconsin. Kyrie Irving não foi inscrito para o amistoso e não participou dos treinamentos que sua equipe realizou em sua arena, o Barclays Center. Ele havia participado das sessões de treinamento dos Nets na semana passada durante um acampamento em San Diego.

A NBA afirma que, segundo um acordo com o sindicato dos jogadores, aqueles que perderem jogos por “causas não razoáveis” não receberão mais uma porcentagem do seu salário. No caso de Kyrie Irving, por cada jogo ausente ele deixaria de receber 380.000 dólares, cerca de 2 milhões de reais. Se ele perdesse todos os jogos dos Nets no Brooklyn nesta temporada, além dos dois agendados contra os Knicks, no Madison Square Garden, em Nova York, Irving poderia perder 17 milhões, ou 93 milhões de reais. O seu contrato, assinado em 2019, sobe para 34,9 milhões de dólares nesta temporada, 191,9 milhões de reais.

Roberts, o presidente do sindicato dos jogadores, discorda da posição da NBA neste caso. “Informam que concordamos que, se um jogador não puder jogar porque não foi vacinado, uma porcentagem de seu pagamento pode ser retirada dele. Não estamos de acordo. Vamos ver.”

Irving, cujo contrato termina em 2023, está em posição de negociar uma extensão de quatro anos por 187 milhões de dólares (1 bilhão de reais) para seu contrato. Depois que Kevin Durant assinou sua extensão de contrato até 2026 em agosto, o diretor atlético dos Nets, Sean Marks, disse que estava otimista com a renovação de Kyrie Irving, mas agora as negociações estão congeladas. Tanto Kevin Durant quanto James Harden, outra estrela dos Nets, expressaram seu desejo e esperança de que Kyrie Irving vá competir com a equipe nesta temporada.

Wiggins é finalmente vacinado

O atacante do Golden State Warriors Andrew Wiggins, inicialmente relutante, optou por receber a vacina contra covid-19. Ele destacou que se sentiu compelido a fazê-lo. “As únicas opções eram se vacinar ou não jogar na NBA”, disse o canadense. “Foi uma decisão difícil. Espero que funcione a longo prazo e, em 10 anos, ainda esteja saudável.” Ele também explicou que é o único membro de sua família que está vacinado. “Não é algo em que acreditamos”, disse. “Eles sabem que eu tinha que fazê-lo. Tudo se resumia a ser vacinado ou a não jogar basquete. Tenho 26 anos. Tenho dois filhos. Eu quero mais filhos. Estou tentando fazer algo para gerar o máximo de dinheiro que puder para meus filhos e meus futuros filhos, [criar] riqueza geracional. Então eu arrisquei e espero ficar bem.”

Os jogadores não vacinados devem seguir um protocolo estabelecido pela NBA, que também os informou que aqueles que violarem a quarentena em Toronto, casa dos Raptors, estarão cometendo um crime. Jogadores não vacinados só podem deixar o hotel para atividades em equipe. De acordo com a Lei Canadense de Quarentena, as violações podem ser punidas com até seis meses de prisão e multas de 750.000 dólares canadenses, 3,3 milhões de reais.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS