Leo Messi: “Não sei o Barcelona, mas eu fiz todo o possível para ficar”

Atacante argentino garante que reduziu seu salário em 50% para continuar como azul-grená: “Meu contrato nunca foi um problema”

Leo Messi chora na coletiva de imprensa, neste domingo no Camp Nou. Foto: Massimiliano Minocri | Vídeo: Reuters

Leo Messi deixa o FC Barcelona. Ou o Barcelona o deixa escapar, angustiado por uma dívida enorme e de mãos atadas pelo limite da massa salarial de um elenco que há muito ultrapassou o recomendável. Em uma coletiva de imprensa realizada neste domingo ao meio-dia (horário de Barcelona), o jogador, um dos melhores da história, símbolo do barcelonismo, explicou os motivos do seu adeus. E despediu-se daquele que foi seu clube desde 2001, quando se vestiu pela primeira vez de azul-grená aos 13 anos. Perguntado sobre se o clube fez tudo ao seu alcance para mantê-lo, Messi respondeu: “Não sei, o que tenho claro é que eu fiz todo o possível. Laporta me disse que não pôde fazer mais. Por causa da LaLiga e por causa da dívida do clube, pois não queria se endividar mais, isso não aconteceu. Ouvi muitíssimas coisas que foram ditas a meu respeito, mas o que sei é que fiz todo o possível para ficar”.

Mais informações
Messi y Neymar, tras disputar la final de la Copa América.
O PSG procura Messi
FILE PHOTO: Soccer Football - La Liga Santander - FC Barcelona v Celta Vigo - Camp Nou, Barcelona, Spain - May 16, 2021 Barcelona's Lionel Messi reacts after Clement Lenglet is sent off REUTERS/Albert Gea/File Photo
Messi deixa o Barcelona
-FOTODELDIA- BARCELONA, 06/08/2021.- Retrato del delantero argentino Lionel Messi en la tienda oficial del FC Barcelona, este viernes, en la capital catalana. El adiós del argentino Lionel Messi, que finalmente no renovará su contrato con el Barcelona después de 21 temporadas en el club azulgrana, donde ha ganado 35 títulos y batido todos los récords individuales en su 16 temporadas como profesional, ha causado conmoción en el barcelonismo. EFE/Alejandro García
Afinal, por que Messi não renovou com o Barcelona? Era possível? E qual a dívida do clube?

E o argentino continuou, visivelmente doído, contrariado pelo final de uma história que não pensava que chegaria nem tão cedo nem desta maneira: “Meu contrato nunca foi um problema. Depois de um almoço com Laporta, fiquei convencido de que ficaria. Nós já tínhamos tomado a decisão. No ano passado eu não queria ficar e disse isso. Este ano eu queria, mas não foi possível”. Sua saída do clube azul-grená ocorre em condições um pouco estranhas e com um ambiente tenso depois de o jogador querer ficar para liderar o projeto do presidente Joan Laporta, apenas um ano depois de ter tentado, sem sucesso, forçar a sua saída com Josep Maria Bartomeu. Por isso, insistiu nos motivos pelos quais não pôde fazer mais para permanecer no clube: “Tinha reduzido meu salário em 50%, tínhamos fechado o contrato. E depois disso nada mais me foi pedido. Muitas coisas que se dizem não são verdade”.

Um auditório lotado, com toda a família Messi nas primeiras poltronas e metade do elenco da primeira equipe ao fundo, recebeu o jogador, de terno e gravata. E aplaudiu assim que o viu aparecer. Messi nem chegou à estante. Não conseguiu conter a emoção. E começou a chorar antes de chegar ao microfone. “Não estava preparado para isso. No ano passado estava convencido, quando aconteceu aquilo do burofax [serviço disponível na Espanha que permite o envio de documentos urgentes com rapidez], sabia o que tinha de dizer. Mas este ano não. Estava convencido de que íamos continuar aqui na nossa casa. Sempre quisemos o melhor para a nossa família”, começou o camisa 10.

“Cheguei com 13 anos e vou embora com a minha mulher e com três catalães-argentinos”, disse, referindo-se aos três filhos. “Voltaremos, porque esta é nossa casa”, disse Messi, que confessou ter imaginado seu adeus ao clube azul-grená de outra maneira. “Queria me despedir bem dos torcedores. Tinha imaginado minha despedida em um estádio lotado. O carinho das pessoas sempre foi o mesmo, eu sempre o senti. Oxalá possa voltar a fazer parte deste clube em algum momento, oxalá possa contribuir com algo”.

O atacante argentino continuará jogando. E quer fazê-lo no mais alto nível, embora ainda não tenha definido seu futuro. “Tenho companheiros que me explicam que quando isso termina é difícil, estamos acostumados com uma rotina e deve ser duro. Vou tentar continuar competindo até quanto puder”, declarou.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS