Eurocopa deve reunir 60.000 torcedores nas semifinais e final, num passo rumo à vida pós-pandemia

Itália x Espanha e Inglaterra x Dinamarca anunciam um grande desenlace num estádio lotado, apenas com a torcida local, coroando um torneio marcado pela covid-19

orcedores no estádio Wembley, em 29 de junho.
orcedores no estádio Wembley, em 29 de junho.Nick Potts (AP)

A tabela das semifinais da Eurocopa anuncia para o próximo domingo um campeão-surpresa, levando-se em conta que ficaram de fora os atuais reis do mundo (a França) e da Europa (Portugal), assim como o número 1 no ranking da FIFA (a Bélgica). O vencedor pode inclusive ser inédito, se for a Inglaterra. Os ingleses voltam a Wembley, modernizado templo onde se sagraram campeões do mundo em 1966 contra a Alemanha, uma seleção, aliás, que mudará de técnico (Hansi Flick substituirá Joachim Löw) depois que a Bundesliga gerou um bom número de treinadores que revolucionaram o jogo na sua liga e na Europa.

A Inglaterra tem uma equipe variada e otimista, e o fator campo avaliza sua candidatura num momento em que as restrições pela covid-19 impedirão a mobilização das torcidas da Dinamarca, Itália e Espanha. Os prognósticos por enquanto apontam os ingleses como favoritos na sua semifinal de quarta-feira contra a Dinamarca, campeã continental como zebra em 1992. Neste momento, de qualquer forma, as atenções estão voltadas para o clássico duelo desta terça-feira: Itália x Espanha.

Torcedores da Inglaterra em Wembley, no duelo das oitavas de final entre a Inglaterra e a Alemanha.
Torcedores da Inglaterra em Wembley, no duelo das oitavas de final entre a Inglaterra e a Alemanha. Frank Augstein (AP)
Mais opções

Os italianos são uma equipe temível depois de encadear 32 jogos invicta e bater a Bélgica. Mistura o futebol mais dinâmico do momento, personificado na figura de Roberto Mancini, com o jogo mais parado que a caracteriza desde a época do catenaccio, com a lição aprendida depois de ficar de fora de uma Copa do Mundo pela primeira vez, em 2018, ao cair na repescagem contra a Suécia. A Itália tem tanta vontade de revanche como a Espanha e Luis Enrique. O treinador espanhol não se esquece da cotovelada que levou de Mauro Tassotti e quebrou o seu nariz na Copa de 1994.

A etapa dourada do futebol espanhol na Europa, em todo caso, começa e acaba com a Itália. A decisão por pênaltis nas quartas de final de 2008, protagonizada por Iker Casillas e Cesc Fàbregas, ainda é tão recordada como o triunfo por 4 x 0 na final de Kiev de 2012. A hegemonia acabou em 2016, quando a Azzurra de Antonio Conte se impôs por 2 x 0 e certificou a queda espanhola, já anunciada na Copa de 2014 e selada na de 2018.

“Xavi e Iniesta inspiraram a todos”, afirma Nicolò Barella, o símbolo da Itália que cruza com uma Espanha descontínua e também descamisada, poderosa quando joga com tensão, mas vulnerável defensivamente, sobretudo porque os dois zagueiros centrais não se entrosam muito bem e o time não sabe descansar com a bola, como se viu contra a Croácia e a Suíça.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

O manual dos quatro treinadores é especialmente interessante porque respondem a uma geração de 49 a 56 anos, que aposta mais no jogo de equipe do que nos craques, embora disponham de jogadores de reconhecido prestígio, como Harry Kane. Gareth Southgate, o inglês, carrega consigo a lembrança do pênalti que errou nas semifinais da Eurocopa de 1996 contra a Alemanha. Luis Enrique sabe que a tricampeã Espanha (1964, 2008, 2012) chegou à final em todas as quatro edições nas quais alcançou as semifinais ―só foi vice em 1984. Mancini tinha quatro anos quando a Itália ganhou sua única Eurocopa (1968). E Kasper Hjulmand lidera um país ainda abalado pelo desmaio de Christian Eriksen no Parken Stadion de Copenhague. A Dinamarca é desde então uma seleção aberta e cheia de vida, disposta a arrematar sua inesperada trajetória contra a Inglaterra.

O Governo britânico já anunciou que permitirá a entrada de 60.000 espectadores em Wembley nas semifinais e na final. Apesar de a pandemia ter condicionado também esta Eurocopa, o futebol se felicita pelo fim de festa anunciado em Londres, ponto final de uma etapa ―o torneio de 2020―e início de outra após a covid-19.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: