OCDE recomenda que países latino-americanos melhorem eficiência do gasto público e nível educativo

Desafio para o Brasil é expandir programas de transferências monetárias adotados durante a pandemia para criar uma verdadeira rede de segurança social e diminuir a desigualdade

Entregador espera trabalho em Buenos Aires, em fevereiro.
Entregador espera trabalho em Buenos Aires, em fevereiro.Juan Ignacio RONCORONI (EFE)
Mais informações

Para curar as feridas econômicas que a pandemia continua infligindo, os governos da América Latina terão que gastar melhor e aprimorar a educação, segundo as recomendações emitidas pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) em seu relatório anual intitulado Going for Growth 2021, publicado na quarta-feira. Embora cada país tenha seus pontos fracos e dificuldades, esses são dois denominadores comuns. “A recessão corre o risco de deixar consideráveis cicatrizes econômicas e sociais”, acrescentam os especialistas da instituição, com sede em Paris.

Argentina, México, Colômbia, Brasil, Chile e Costa Rica deverão assegurar que o gasto esteja bem focado para prover uma verdadeira rede de segurança social e melhorar o desempenho de suas instituições. Também devem aumentar o nível educativo e de oportunidades profissionais para suas populações. Os Estados Unidos deveriam fazer o mesmo para sua população latina e outras minorias, segundo o relatório.

“A recuperação pós-pandemia gera novas oportunidades para estabelecer as bases de uma recuperação vibrante,” diz o texto de 244 páginas. “Com um apoio macroeconômico contínuo, os responsáveis pela formulação de políticas podem dar forma à recuperação para impulsionar o crescimento, aumentar a resiliência e a inclusão e melhorar a sustentabilidade ambiental.” O relatório oferece recomendações específicas para 46 países, sendo seis deles na América Latina.

Os programas de proteção social em meio à pandemia, como o do Brasil e do Chile, foram positivos, segundo o relatório, mas agora cabe garantir que esse gasto seja eficiente, de maneira que as transferências monetárias se destinem somente aos necessitados. Isto poderia ser obtido na forma de programas de seguro-desemprego permanentes e de ajudas às mulheres, sobretudo na Argentina e México, países onde a pandemia agravou as desigualdades de gênero e onde existe um potencial grande para incorporar as mulheres ao mercado de trabalho.

Brasil e Chile reagiram à contração das suas economias adotando programas de transferências diretas a famílias e pessoas que perderam seus empregos por causa dos confinamentos. Agora, o desafio para esses Governos será focalizar bem esse gasto. “As transferências monetárias condicionadas bem focalizadas poderiam se expandir e se tornar uma verdadeira rede de segurança social, acelerando a provisão de benefícios em caso de demissão e uma retirada mais gradual para fortalecer os incentivos à busca de emprego”, observam os economistas da OCDE sobre o Brasil. “Isto deveria se basear nas experiências adquiridas com as ajudas temporárias de emergência relativas à pandemia para os trabalhadores informais, que representam um terço do emprego e não estão cobertos pelos planos de seguro-desemprego”.

O relatório sobre o Brasil aponta que, a longo prazo, melhorar os resultados e a equidade na educação e na formação profissional é a chave para reduzir a desigualdade e a pobreza. “O acesso à educação melhorou nas últimas décadas, mas a qualidade da educação é altamente desigual nas escolas e regiões e as taxas de abandono precoce são altas”. De acordo com a OCDE, expandir a educação infantil vai trazer um impacto positivo nas crianças mais pobres, ao mesmo tempo que vai permitir que mulheres busquem trabalho remunerado.

O relatório também destaca as dificuldades enfrentadas pelas empresas brasileiras e enfatizam que o Governo deveria trabalhar para reduzir barreiras ao comércio e melhorar a situação tributária. “A consolidação de todos os seis impostos sobre o consumo em um imposto de valor agregado simples com uma base ampla, o reembolso total do IVA pago e a taxa zero para as exportações reduziriam as distorções no sistema tributário”, afirma.

A Colômbia enfrenta uma situação similar a do Brasil. É provável que a pandemia cause uma maior informalidade, desigualdade e pobreza, revertendo anos de melhora, diz o texto. “A educação básica e profissional de baixa qualidade frequentemente desconectada das necessidades do mercado de trabalho, as grandes disparidades de conectividade e as grandes desigualdades regionais devem ser enfrentadas para abordar a informalidade e impulsionar o crescimento e o emprego em médio prazo”.

Uma novidade é o destaque que a entidade dá ao problema do desmatamento na Amazônia, considerado uma uma importante fonte de emissões de gases de efeito estufa. “As leis e proteções atuais, capazes de reduzir o desmatamento no passado, devem ser preservadas e associadas a esforços mais fortes de fiscalização para combater o desmatamento ilegal, o que exigirá recursos adicionais”, sugerem.

No caso da Argentina, a OCDE recomenda que a pauta política incorpore a necessidade de “melhorar as condições para que as empresas prosperem, compitam e gerem empregos de qualidade, enquanto se investe em habilidades e oportunidades para as pessoas”. As dificuldades econômicas detonadas pela crise macroeconômica em curso se agravaram por causa da pandemia, por isso agora fica clara a necessidade de uma proteção social mais eficaz, inclusive para as famílias vulneráveis, cujos meios de vida estejam fora do mercado trabalhista formal.

O ambiente de negócios também precisa melhorar no México, apontou a instituição, já que o setor privado é fonte de recursos muito necessários. “A pandemia expôs como os recentes aumentos da pobreza, as desigualdades e as disparidades de gênero exacerbam um desafio de longa data para aumentar a inclusão. Elevar o nível de vida exigirá impulsionar o crescimento da produtividade mediante a melhora do ambiente empresarial, inclusive mediante a luta contra a corrupção e a melhora das habilidades da população”, resumiu a OCDE.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Em todos os países latino-americanos incluídos no relatório se aborda a questão das habilidades da população economicamente ativa, que são deficientes. Para ter acesso a melhores oportunidades de trabalho, os Governos deverão investir em programas de formação e educação que elevem o nível de habilidades de suas populações. A OCDE recomendou ao Chile, por exemplo, que “reforçar as políticas ativas do mercado de trabalho e empreender uma revisão completa das políticas de formação ajudaria a enfrentar os desafios da transformação digital e garantiria que todos os trabalhadores, em particular os mais vulneráveis, tenham oportunidades adequadas para voltar a se capacitar e encontrar empregos de boa qualidade”.

Nos seis países da região, assim como nos EUA, a qualidade da educação varia muito segundo a geografia, os grupos étnicos e os níveis de renda. A organização recomendou aos Governos, portanto, que invistam em seus sistemas de maneira a nivelarem a qualidade da educação. “A pandemia ameaça exacerbar as desigualdades existentes entre os grupos sociais, étnicos e raciais”, escrevem os técnicos da OCDE sobre o gigante norte-americano, citando entre os afetados os latinos nesse país.

“O Executivo [norte-americano] amorteceu o impacto nos lares vulneráveis, especialmente proporcionando transferências em espécie e ampliando os benefícios por desemprego”, diz o relatório sobre o histórico pacote de estímulo econômico que incluiu cheques a toda a população. “No entanto, uma prioridade política crucial deveria ser continuar melhorando as oportunidades para os mais vulneráveis. Ir além do apoio imediato, melhorar a educação, a formação e o investimento em infraestrutura verde contribuiria para um crescimento mais sustentável, resistente e equitativo”, acrescenta o texto.

O gasto em si mesmo não é garantia de investimento eficiente. Como exemplo, a OCDE menciona a Costa Rica, um país que em comparação com seus pares gasta mais em educação, mas continua tendo resultados relativamente baixos no exame de habilidades PISA. “Para obter uma recuperação sólida e inclusiva, a máxima prioridade das políticas deve ser impulsionar a geração de empregos formais, com reformas que vão da eliminação de obstáculos à entrada de empresas e à concorrência, até a melhora da qualidade da educação e a formação”, diz o relatório.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: