A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala será a primeira mulher africana a dirigir a OMC

O apoio final dos EUA, após a eleição de Joe Biden, desbloqueou sua nomeação

A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala prepara seu discurso após ser nomeada, em sua casa de Potomac, Maryland.
A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala prepara seu discurso após ser nomeada, em sua casa de Potomac, Maryland.ERIC BARADAT (AFP)

A nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala, de 66 anos, será a próxima diretora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC). A nomeação, repleta de simbolismo por ser a primeira vez que uma mulher assume o cargo, e a primeira também que recai em alguém nascido na África, será efetivada em 1º de março e se prolongará pelo menos até 31 de agosto de 2025, data que poderá ser estendida. A decisão, adotada nesta segunda-feira numa reunião especial do Conselho Geral da OMC, formado por 164 países e territórios, ocorre num momento delicado da organização, em plena crise do multilateralismo e após meses de bloqueio devido à recusa dos Estados Unidos em respaldá-la quando Donald Trump ocupava a Casa Branca.

Mais informações
Gabriel Zucman, fotografiado en la Universidad de California, en Berkeley, el
pasado día 5 de febrero.
Gabriel Zucman: “Os impostos que os ‘youtubers’ não pagam todos nós acabamos pagando”
(FILES) In this file picture taken on July 29, 2005, Rodolfo Gomez inspects beef split halves in the freezer at the Yaguane Meat Processing Plant Cooperative in the province of Buenos Aires, Argentina. - Despite Argentina's export industry was badly affected by the worldwide lockdown caused by the COVID-19 coronavirus pandemic in the first half of 2020, its most emblematic product, meat, circumvents the difficulties and remains a favorite in the markets. (Photo by DANIEL GARCIA / AFP)
Alta de 74% em 2020 e o menor consumo em 100 anos, a cruzada da Argentina contra o preço da carne
BOGOTA, COLOMBIA - JULY 27: A woman wearing a face mask arranges fruit at her market stall in Corabastos on July 27, 2020 in Bogota, Colombia. Corabastos is one of Latin America's largest food distribution centers in Kennedy, a neighborhood that has seen high contagion levels of COVID-19. While some areas of the city will remain open with restrictions, others will be on strict lockdown. The city was divided in areas, which will be closed in determined dates, to reduce the circulation of people and hospital occupation. Government also announced economic aid to those in need. (Photo by Guillermo Legaria/Getty Images)m
Pandemia faz condições trabalhistas das mulheres recuarem uma década na América Latina

A próxima diretora-geral, sétima pessoa a assumir a liderança do organismo mais relevante do comércio global, conta com uma ampla bagagem internacional: trabalhou durante 25 anos no Banco Mundial e foi ministra das Finanças da Nigéria por dois mandatos. A outra candidata ao cargo, a ministra do Comércio da Coreia do Sul, Yoo Myung-hee, abandonou a disputa 10 dias atrás, o que deixou seu caminho livre.

Os EUA eram o único país que apoiava Yoo e haviam expressado seu veto a Okonjo-Iweala, bloqueando uma decisão consensual para eleger o novo responsável pela organização multilateral, que deve ser adotada por unanimidade.

A mudança de Administração nos EUA permitiu que Washington desse uma guinada de 180 graus, mostrando seu “firme apoio” a Okonjo-Iweala. A nigeriana substituirá o brasileiro Roberto Azevêdo, que, até sua renúncia, permaneceu sete anos no cargo, num dos períodos mais difíceis da história do organismo por ter tido que lidar com o auge do protecionismo e os conflitos comerciais incentivados por Trump contra a China e a União Europeia.

“Este é um momento muito especial para a OMC”, afirmou o neozelandês David Walker, presidente do Conselho Geral da entidade. Em seu primeiro comentário após ser eleita, a próxima diretora-geral afirmou que a resposta à pandemia será prioritária. “Uma OMC forte é vital se quisermos uma recuperação completa e rápida da devastação gerada pela covid-19”, declarou.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

A eleição põe fim a um árduo período de nove meses. O processo de seleção do novo diretor-geral começou em 14 de maio, quando Azevêdo informou aos membros da OMC que deixaria o cargo um ano antes do fim do mandato. Segundo ele, a decisão foi meditada em família e não respondeu a motivos de saúde nem a outras ambições políticas. Abriu-se então uma disputa entre oito candidatos, procedentes de Quênia, México, Nigéria, Reino Unido, Moldávia, Arábia Saudita, Coreia do Sul e Egito, em que três mulheres se sobressaíam: a nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala, a queniana Amina Mohamed e a sul-coreana Yoo Myung-hee.

Em 28 de outubro, após um período de consultas, Walker informou aos membros da OMC que a candidatura da dirigente nigeriana era a que havia obtido o maior número de adesões, mas os EUA não a aceitou até a chegada de Joe Biden ao Salão Oval.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS