Centro Pompidou chega às Américas

O museu francês vai inaugurar uma sede em Jersey City, cidade em frente a Nova York. O novo espaço será aberto em 2024. A instituição considera viável um próximo desembarque na América Latina

Reprodução digital do novo Centro Pompidou x Jersey City, que o museu francês abrirá nesta cidade de Nova Jersey em 2024. / OMA
Reprodução digital do novo Centro Pompidou x Jersey City, que o museu francês abrirá nesta cidade de Nova Jersey em 2024. / OMAOMA
Mais informações

O Centro Pompidou prepara seu desembarque na América. O museu parisiense, dono da maior coleção europeia de arte moderna, vai inaugurar uma nova sede em Jersey City (Nova Jersey), cidade localizada em frente a Nova York, na margem oposta do rio Hudson, em plena explosão populacional há alguns anos. O centro desenvolve assim uma estratégia de internacionalização que o levou a abrir sucursais em Málaga (2015), Bruxelas (2018) e Xangai (2019). Esta sede, a primeira que o Pompidou cria no continente americano, ocupará um antigo edifício industrial de 5.400 metros quadrados que será reformado pelo estúdio OMA, encabeçado pelo arquiteto Rem Koolhaas. A inauguração do espaço, que se chamará Centre Pompidou x Jersey City, está prevista para o início de 2024.

O museu faz uma aposta surpreendente: desprezar Nova York e se estabelecer nesta localidade de passado industrial, de 260 mil habitantes, considerada a cidade com maior diversidade étnica dos Estados Unidos: apenas 20% da população, segundo o censo de 2018, é “branca não hispânica”. “Não tínhamos interesse em agregar mais um centro de arte à paisagem de Manhattan, onde já existe uma grande oferta”, afirma o presidente do Centro Pompidou, Serge Lasvignes.

Interior do prédio onde ficará o Pompidou x Jersey City Centre, na Journal Square, na cidade de Nova Jersey. / OMA
Interior do prédio onde ficará o Pompidou x Jersey City Centre, na Journal Square, na cidade de Nova Jersey. / OMA OMA

Foram as autoridades locais, que ambicionam reforçar a oferta cultural da cidade com novos equipamentos, que contataram o Pompidou, selecionado entre outros potenciais parceiros pelo seu caráter multidisciplinar e pelos programas de democratização cultural que o tornaram conhecido desde a sua inauguração em 1977. “A Prefeitura de Jersey City e o Estado de Nova Jersey apresentaram uma proposta que nos fez entender que tínhamos muito em comum: uma concepção semelhante da ação cultural e de seu papel social, em um momento em que a cidade se transforma de modo radical e se burguesa, por isso a coesão social assume uma importância primordial”, acrescenta Lasvignes, que deixará o cargo nas próximas semanas, encerrando um mandato iniciado em 2015.

Jersey City pôs à disposição do Pompidou um edifício de tijolos, com três andares, construído no início do século XX e que originalmente era a sede da companhia pública de eletricidade e gás. O estúdio OMA realizará uma restauração que preservará os elementos históricos do prédio, liderada pelo arquiteto Jason Long, que anteriormente projetou o Faena Forum em Miami e a ampliação do Museu Nacional de Québec (Canadá). A distância psicológica que separa Nova York de Nova Jersey, apesar da proximidade geográfica, não preocupa os responsáveis pelo projeto, convencidos de que os visitantes saberão como superá-la. “Esperamos que a atratividade desta cidade em mudança e a presença do Pompidou constituam forças de atração fortes o suficiente para os turistas virem, como antes foi o Brooklyn”, responde Lasvignes. A localização desta nova sede, na cêntrica Journal Square, de fácil acesso, é outro ponto a favor.

O edifício de 1912 onde será instalado o Centro Pompidou x Jersey City, antiga sede de uma empresa de eletricidade que depois abrigou uma biblioteca e foi anexo de uma universidade pública./OMA
O edifício de 1912 onde será instalado o Centro Pompidou x Jersey City, antiga sede de uma empresa de eletricidade que depois abrigou uma biblioteca e foi anexo de uma universidade pública./OMAOMA

O acordo envolve o empréstimo temporário de obras do seu acervo, a organização e curadoria de exposições temporárias exclusivas e a transferência da marca Pompidou por cinco anos, prorrogáveis, como já acontece nas outras três filiais do museu fora da França. O valor do acordo está em fase de negociação e será divulgado “antes do final do ano”, segundo fontes da instituição. Em Xangai, o acordo assinado com o grupo imobiliário West Bund se traduz em cerca de quatro milhões de euros (24,5 milhões de reais) por ano para o museu francês. Em Málaga, onde o Centro Pompidou prolongou a sua presença até 2025, a Câmara Municipal paga um milhão de euros (6,13 milhões de reais) pela utilização da marca e das coleções e outro milhão pelas despesas de transporte.

A sede em Nova Jersey será “totalmente inspirada” no modelo criado em Málaga em 2015. Ou seja, um acordo “100% público” entre o museu francês e a cidade de Jersey City. “Málaga nos permitiu comprovar que as regras básicas de operação funcionavam bem”, afirma Lasvignes. Esta será a primeira sede americana do Pompidou, mas pode não ser a última: há anos o museu francês estuda sua instalação na América Latina. “O projeto não está enterrado de forma alguma. É uma possibilidade muito interessante”, confirma Lasvignes. Nos últimos anos, o Pompidou cogitou abrir uma sede na Colômbia, que foi abandonada por causa da “incapacidade financeira do sócio local para assumir o projeto”, e outra no México, onde as negociações estão “suspensas” no momento. O museu francês estuda agora “uma terceira proposta” de outro país latino-americano, que Lasvignes chama de “viável”, sem entrar em detalhes.

Maquete do projeto do estúdio OMA para o Centro Pompidou x Jersey City, que será conduzido pelo arquiteto Jason Long. / OMA
Maquete do projeto do estúdio OMA para o Centro Pompidou x Jersey City, que será conduzido pelo arquiteto Jason Long. / OMA OMA

Com esta internacionalização, o objetivo do museu francês é rentabilizar o seu impressionante acervo (120.000 obras, das quais apenas 10% estão expostas nas salas da sua sede em Paris), o que constitui uma fonte adicional de receitas em tempos de diminuição da liquidez, como também aumentar sua influência externa e tornar sua marca conhecida no exterior. Em 2019, apenas 40% dos visitantes do Centro Pompidou em Paris eram estrangeiros, em comparação com quase 80% no Louvre. A visita ao museu de arte moderna costuma ser reservada para uma segunda ou terceira ida à cidade, ao contrário do que acontece com o que abriga a Gioconda.

Museus que se exportam

Na última década, os museus franceses encontraram na abertura dessas filiais no exterior uma fonte considerável de receita, como também de soft power. O caso mais conhecido é o do Louvre de Abu Dhabi, inaugurado em 2017: o museu mais visitado do mundo cedeu seu nome nos próximos 30 anos em troca de 400 milhões de euros (2,45 bilhões de reais), somados a outros 400 pelo empréstimo de obras de sua coleção e pela curadoria científica de várias exposições ao longo da próxima década. O Museu Picasso de Paris e a Fundação Giacometti também finalizam um projeto conjunto em Xangai, onde serão exibidas obras dos dois artistas, enquanto o Museu Rodin, da capital francesa, assinou um acordo em 2019 para a criação de uma unidade na cidade chinesa de Shenzhen.

No entanto, o projeto mais ambicioso será o promovido pela Arábia Saudita, que pretende usar a oferta cultural para melhorar a sua imagem e o seu posicionamento geopolítico. Em 2018, o presidente francês, Emmanuel Macron, firme defensor da “diplomacia dos museus”, assinou um acordo de cooperação com o país para o desenvolvimento turístico e cultural do Vale de Al Ula, tombado como patrimônio da Unesco, onde serão criados seis museus com a ajuda de diferentes instituições francesas.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: