Chloé Zhao faz história no Oscar, mas não na China

Cineasta é a primeira diretora asiática a obter uma estatueta, mas seu triunfo é abafado em Pequim

Chloé Zhao recebe o Oscar de melhor direção durante a premiação deste domingo.
Chloé Zhao recebe o Oscar de melhor direção durante a premiação deste domingo.ABC/A.M.P.A.S. (Reuters)

A chinesa Chloé Zhao se tornou no domingo a primeira asiática e apenas a segunda mulher a conquistar um Oscar na categoria de direção. A cineasta levou duas estatuetas para casa numa atípica cerimônia, marcada pela crise do coronavírus e pelas agruras econômicas do setor. Seu longa Nomadland foi o grande ganhador da noite, com três grandes prêmios (melhor filme, direção e atriz principal). Mas este marco foi silenciado pela maioria da imprensa chinesa, que até esta segunda-feira deixava no vácuo uma cineasta que conquistou Hollywood depois de dirigir apenas três filmes. O desprezo tem sua origem em declarações feitas por Zhao em 2013 à revista Filmmaker, quando declarou que seu país “está cheio de mentiras”. As palavras foram recordadas em março por setores nacionalistas chineses, que pressionaram para impedir a estreia do filme no país. Desde então, as críticas elogiosas colhidas por Nomadland desde sua estreia no Festival de Veneza vêm sendo apagadas e censuradas.

“Vejam nosso filme na maior tela que for possível. E, quando puderem, levem a maior quantidade de pessoas a uma sala escura para compartilharem lado a lado a experiência de qualquer um dos filmes aqui representados”, afirmou Frances McDormand, protagonista e produtora de Nomadland, ao receber a estatueta de melhor filme.

Mais informações
Phillip Bladh, from left, Carlos Cortes, Michellee Couttolenc and Jaime Baksht, winners of the award for best sound for "Sound of Metal," pose in the press room at the Oscars on Sunday, April 25, 2021, at Union Station in Los Angeles. (AP Photo/Chris Pizzello, Pool)
Quatro latino-americanos ganham o Oscar por fazerem do som um personagem
This image released by Searchlight Pictures shows Frances McDormand in a scene from the film "Nomadland."  (Searchlight Pictures via AP)
‘Nomadland’ faz história no Oscar moldado para defender o futuro do cinema
Laura Dern, Regina King, Carey Mulligan y Chloe Zhao en los premios Oscar de 2021.
Os vencedores do Oscar 2021

Zhao e McDormand foram os rostos mais visíveis desta edição do Oscar, na qual 32% dos indicados eram mulheres. Trata-se de um pequeno aumento com relação a anos anteriores. A noite deixou o placar de 15 ganhadoras para 17 prêmios (Zhao e McDormand levaram dois cada uma), empatando com a edição de 2018. Pela primeira vez, duas mulheres disputavam o Oscar de direção ―a outra candidata era Emerald Fennell, que levou o troféu de melhor roteiro original por Bela Vingança, um longa filmado em apenas 23 dias.

Na segunda-feira, muitos continuavam criticando o anticlimático final da cerimônia, realizada na estação ferroviária Union Station, em Los Angeles, para evitar aglomerações e propiciar mais espaços ao ar livre. Os organizadores decidiram encerrar a noite com o prêmio de melhor ator, na esperança de que os membros da Academia garantissem um emotivo momento em memória de Chadwick Boseman, que morreu de câncer em 2020, aos 43 anos, e foi indicado postumamente por A Voz Suprema do Blues, uma produção da Netflix ―estúdio que foi o grande vencedor da noite, com sete estatuetas.

A morte de Boseman, em agosto, comoveu o público de todo o mundo e motivou o tuíte com mais interações na história. Mas o esperado final hollywoodiano não aconteceu. Anthony Hopkins triunfou por sua interpretação de um velho afligido pela demência em Meu pai, filme dirigido pelo francês Florian Zeller. Hopkins estava em Gales e não participou da cerimônia. “Aos 83 anos, não esperava ganhar este prêmio… Estou muito grato e queria prestar uma homenagem a Boseman, que foi embora cedo demais”, afirmou o ator num vídeo gravado em um ambiente campestre. Há 30 anos ele havia recebido sua primeira estatueta pelo papel de Hannibal Lecter em O Silêncio dos inocentes. Meu pai é o primeiro longa-metragem de Zeller, um experiente dramaturgo que recebeu, em Paris, o Oscar de melhor roteiro adaptado, um prêmio compartilhado com Christopher Hampton, um veterano que já tinha um Oscar desde 1988 por Ligações perigosas e que estava na sede em Londres. O britânico Daniel Kaluuya ganhou o Oscar de melhor ator coadjuvante por sua participação em Judas e o messias negro, filme que também recebeu o prêmio de melhor canção, interpretada por Gabriella Sarmiento, a H.E.R.

A atriz Glenn Close disse, antes da cerimônia, que a 93ª edição do Oscar tinha um peso simbólico. “Fazemos parte de uma indústria que está se redefinindo, se reinventando”, disse a atriz, que pela oitava vez saiu de mãos abanando ―uma marca que a empata em decepções com Peter O’Toole. E a verdade é que a pandemia realmente transformou o cinema. Em 2020, a bilheteria global somou apenas 12 bilhões de dólares, uma queda de 72%, refletindo o fechamento das salas de exibição. No mesmo período, o mercado de streaming cresceu 33% nos Estados Unidos e 30% no resto do mundo, superando um bilhão de assinantes. Tampouco a cerimônia do Oscar teve grande apelo junto aos espectadores: foi a pior audiência da história (9,85 milhões de pessoas).

Tiara Thomas, H.E.R. e Dernst Emile II, ganhadores do Oscar de melhor canção original por ‘Fight for you’, do filme ‘Judas e o messias negro’
Tiara Thomas, H.E.R. e Dernst Emile II, ganhadores do Oscar de melhor canção original por ‘Fight for you’, do filme ‘Judas e o messias negro’POOL (Reuters)

Close perdeu para a sul-coreana Youn Yuh-Jung, a avó de Minari, que se tornou a segunda asiática a ganhar um prêmio de interpretação desde 1957, quando Miyoshi Umeki foi reconhecida por Sayonara. A ganhadora ofereceu ao público um dos discursos mais divertidos da noite, graças ao seu frescor. Um humor que também esteve presente na sala de imprensa. “Categorizam-nos como negros, brancos, amarelos, cafés. Não é bom que nos dividam assim, sabem? Se pusermos todas as cores juntas é melhor. Até o arco-íris tem cores. As cores realmente não importam”, disse Youn. O discurso mais doloroso foi, por outro lado, de Thomas Vinterberg, que, segurando o Oscar de melhor filme internacional dado a Druk ―mais uma rodada, recordou sua filha mais velha, Ida, que morreu em um acidente de carro quatro dias antes do começo das filmagens. “É um milagre o que aconteceu, e ela é parte dele. Este Oscar é um monumento a ela”, afirmou o diretor.

As palavras de Youn refrescaram uma engessada cerimônia que teve como maior novidade o começo, a cargo do diretor Steven Soderbergh. Foi um grande plano-sequência mostrando a caminhada da atriz e diretora Regina King pelo saguão das bilheterias da Union Station até o palco. Foi o momento mais cinematográfico na estação, uma locação que já apareceu em 150 filmes, incluindo Blade runner e o Batman de Christopher Nolan.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS