Nobel de Medicina de 2020 vai para os cientistas descobridores do vírus da hepatite C

Instituto Karolinska reconheceu o trabalho dos virologistas norte-americanos Harvey J. Alter e Charles M. Rice e do britânico Michael Houghton por “ajudarem a salvar milhões de vidas”

Anúncio da premiação do grupo de cientistas no Instituto Karolinska em Estocolmo, na Suécia, nesta segunda-feira.
Anúncio da premiação do grupo de cientistas no Instituto Karolinska em Estocolmo, na Suécia, nesta segunda-feira.Claudio Bresciani / POOL (EFE)

O grupo formado pelos cientistas Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice ganhou o prêmio Nobel de Medicina de 2020 pela descoberta do vírus da hepatite C, anunciou nesta segunda-feira o Instituto Karolinska, a instituição sueca responsável por escolher os ganhadores do prêmio. Segundo o Instituto, o estudo do grupo é uma contribuição “decisiva” na luta contra a doença ― causadora de cirrose e câncer no fígado ―, considerada um dos principais problemas mundiais de saúde. Desde 1901, 222 pesquisadores foram reconhecidos com o Nobel de Medicina, sendo 95% deles homens. Além da premiação, os vencedores também recebem o valor de 10 milhões de coroas suecas (cerca de 6,4 milhões de reais).

Mais informações

Antes dos avanços de Alter, Rice (americanos) e Houghton (inglês), eram conhecidos apenas os vírus das hepatites A e a B, mas a maioria dos casos de hepatite com transmissão pelo sangue permanecia sem explicação, conforme destacou o júri. “A descoberta do vírus da hepatite C revelou a causa dos demais casos de hepatite crônica e possibilitou analisar o sangue e desenvolver novos medicamentos que salvaram milhões de vidas”, proclamaram os cientistas do Instituto Karolinska.

Embora o alcoolismo e outros fatores também provoquem hepatite, as principais causas de inflamação do fígado são os vírus. O da hepatite A gera uma forma aguda da doença e geralmente é transmitido por água ou alimentos contaminados. A hepatite transmitida pelo sangue, causada pelos vírus B e C, costuma ser crônica e, se não for tratada, pode resultar em cirrose ou câncer. O médico norte-americano Baruch Blumberg ganhou o Nobel de Medicina de 1976 por descobrir o vírus da hepatite B.

Os cientistas Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice (da esquerda para a direita)
Os cientistas Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice (da esquerda para a direita)

Bolsa de apostas

Os bioquímicos norte-americanos Pamela Bjorkman e Jack Strominger também estavam entre os favoritos para receber o prêmio este ano, segundo a bolsa de apostas elaborado pela empresa especializada Clarivate Analytics. Ambos determinaram a estrutura e a função das proteínas do chamado complexo maior de histocompatibilidade, uma informação essencial para desenvolver novos medicamentos e vacinas.

A geneticista Huda Zoghbi, norte-americana de origem libanesa, também figurava entre os favoritos, por suas descobertas envolvendo os mecanismos de alguns transtornos neurológicos, como a síndrome de Rett, uma rara doença genética que provoca problemas no desenvolvimento, sobretudo em meninas. A Clarivate Analytics incluía finalmente em sua lista o geneticista japonês Yusuke Nakamura, um dos pais dos estudos de associação de genoma completo (GWAS), uma técnica que relaciona variações genéticas específicas com doenças concretas, graças à análise do DNA de centenas de milhares de pessoas.

A sociedade científica Sigma Xi, fundada em 1886 nos EUA, fazia outra aposta: a geneticista norte-americana Mary-Claire King, por descobrir a relação entre o gene BRCA1 e o risco de sofrer câncer de mama.

Nos últimos anos também aparecem em todos as bolsas, seja para o Nobel de Medicina ou para o de Química, os nomes da francesa Emmanuelle Charpentier e da norte-americana Jennifer Doudna, mães da tecnologia de edição genética CRISPR, que revolucionou os laboratórios de todo o mundo. O microbiólogo espanhol Francis Mojica, da Universidade de Alicante, também poderia receber o prêmio com Charpentier e Doudna, por seus pioneiros trabalhos com bactérias e arqueias que acabaram desembocando na nova ferramenta.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: