Notícias sobre a covid-19 e a crise política no Brasil, ao vivo | Facebook retira do ar live em que Bolsonaro associa vacina da covid-19 à aids

Brasil totaliza 605.644 mortes pelo coronavírus. Singapura exigirá teste diário de covid-19 para trabalhadores não vacinados. Siga ao vivo

Com bonecos simulando mortos, ativistas seguram cartazes com frases pedindo acesso a vacinas contra a covid-19 na embaixada russa em Kiev, Ucrânia, nesta segunda.
Com bonecos simulando mortos, ativistas seguram cartazes com frases pedindo acesso a vacinas contra a covid-19 na embaixada russa em Kiev, Ucrânia, nesta segunda.SERGEY DOLZHENKO (EFE)
São Paulo / Brasília -

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar. Para receber gratuitamente nossa newsletter de segunda à sábado ―com reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as informações mais importantes do dia no seu e-mail―, inscreva-se aqui.

O Facebook derrubou uma live em que o presidente Jair Bolsonaro lê uma notícia falsa afirmando que vacinados contra a covid-19 estão desenvolvendo “síndrome da imunodeficiência adquirida [aids]” —alegação que não tem nenhum respaldo científico. A informação é do jornal Folha de S.Paulo. O vídeo da transmissão, realizada na última quinta-feira, foi retirada tanto do Facebook quanto do Instagram. “Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”, declarou à publicação um porta-voz da empresa. O Brasil registrou 187 novas mortes por covid-19 neste domingo, chegando a 605.644 óbitos acumulados desde o início da crise sanitária, em março de 2020. No último balanço divulgado no boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, também são 6.204 novos casos da doença; mais de 21,7 milhões de pessoas se infectaram desde então.

Acompanhe as últimas notícias:

Daniela Mercier

PSOL e Túlio Gadelha entram com notícia-crime contra Bolsonaro por notícia falsa vinculando vacina a aids

A bancada do PSOL na Câmara o e deputado Túlio Gadelha (PDT-PE) anunciaram que vão protocolar um notícia-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Jair Bolsonaro por ter espalhado, em live na última quinta-feira, uma notícia falsa associando  a vacina contra a covid-19 a casos de aids. No domingo, o Facebook tirou do ar o vídeo por decumprir a política da empresa. 

Daniela Mercier
Daniela Mercier

Facebook retira do ar live em que Bolsonaro associa vacina à aids

O Facebook derrubou no domingo uma live em que o presidente Jair Bolsonaro lê uma notícia falsa afirmando que vacinados contra a covid-19 estão desenvolvendo "síndrome da imunodeficiência adquirida [aids]" —alegação que não tem nenhum respaldo científico. A informação é do jornal Folha de S.Paulo. O vídeo da transmissão, realizada na última quinta-feira, foi retirada tanto do Facebook quanto do Instagram. 

Ao jornal, um porta-voz da companhia confirmou que o motivo para a exclusão foram as alegações sobre covid-19 sem nenhuma comprovação científica. "Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas", declarou, segundo a publicação. 

 

Daniela Mercier

Singapura exigirá teste diário de covid-19 para trabalhadores não vacinados

Os trabalhadores de Singapura que não foram vacinados contra a covid-19 ou que não passaram recentemente pela doença serão obrigados a apresentar um teste de antígeno negativo, válido por 24 horas, a partir de 1º de janeiro. Com a medida, somente aqueles que foram vacinados completamente ou que tiveram covid-19 nos 270 dias anteriores poderão retornar aos seus empregos sem requisitos especiais, disse o Ministério do Trabalho.

O resto dos trabalhadores terá que pagar os testes do seu próprio bolso e terá que fazer os testes fora do horário de trabalho e mostrá-los no início do dia de trabalho. (Efe)

Daniela Mercier

Bom dia! Retomamos nossa cobertura da pandemia de coronavírus e a crise política no Brasil. Siga com a gente nesta segunda!

Regiane Oliveira

Encerramos por hoje nossa cobertura da pandemia da covid-19 e da crise política no Brasil. Voltamos na manhã desta segunda. Boa noite e uma boa semana a todos!

Regiane Oliveira

Rio de Janeiro pode acabar com obrigação do uso de máscaras em locais abertos nesta segunda-feira

O Rio de Janeiro pode acabar com a obrigação do uso de máscaras em locais abertos nesta segunda-feira, de acordo com informação dada pelo secretário municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, em entrevista ao jornal O Globo. A previsão é que o prefeito Eduardo Paes (PSD) publique nesta segunda-feira o decreto que dispensa as máscaras em áreas públicas. A medida ainda depende de regulamentação do Governo estadual. "O Estado está avaliando a situação. E vai estabelecer as regras gerais", disse o secretário.

Se publicado, o decreto vai liberar também o funcionamento com 50% de capacidade de boates e casas de show, que permanecem fechadas. O uso de máscaras para acesso a locais fechados permenecerá, bem como a exigência de comprovante de vacina para a entreda em teatros, cinemas e pontos turísticos.

Regiane Oliveira

Brasil registra 187 mortes por covid-19 em 24 horas

O Brasil registrou 187 novas mortes por covid-19 neste domingo, chegando a 605.644 óbitos acumulados desde o início da crise sanitária, em março de 2020. No último balanço divulgado no boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, também são 6.204 novos casos da doença; mais de 21,7 milhões de pessoas se infectaram desde então.

Diogo Magri

China garante que 76% de sua população já está completamente imunizada

A China imunizou completamente 75,6% da sua população contra a covid-19, segundo afirmou neste domingo o porta-voz da Comissão Nacional de Saúde, Mi Feng. No total, mais de 1 bilhão de pessoas, de uma população de 1,4 bilhão, já contam com as doses necessárias para ter a imunidade.

Até agora, o país aplicou 2,2 bilhões de doses. A China injeta doses de reforço a adultos cuja última vacina foi tomada a pelo menos seis meses, a grupos prioritários que incluem trabalhadores essenciais, idosos e pessoas com sistema imune debilitado. Mi advertiu que o risco de contágio continua sendo elevado em algumas zonas rurais. (Reuters)

Diogo Magri

Reino Unido tem domingo com mais mortes por covid-19 desde março

O Reino Unido registrou nesse domingo 39.692 novos casos e 72 mortes pela covid-19. Ainda que os números divulgados pelo Governo britânico durante os fins de semana tendem a mostrar uma redução de contágios e óbitos em comparação com os dias úteis, este domingo foi o com mais mortes registradas desde o último mês de março. 

As autoridades locais já haviam divulgado na semana passada o maior número de novos casos de covid-19 desde julho, conforme dados do Governo divulgados neste sábado, um dia depois que o primeiro-ministro Boris Johnson minimizou a perspectiva de um retorno à quarentena. Cerca de 333.465 pessoas testaram positivo para covid-19 nos últimos sete dias, um aumento de 15% em relação a semana anterior e o maior total desde os sete dias até 21 de julho.

Quanto à vacinação, já são 49,6 milhões de britânicos com ao menos uma dose e 45,5 milhões completamente imunizados. (Reuters)

Daniela Mercier

Acuado, Bolsonaro passeia com Guedes e reafirma "confiança" no ministro para tentar mais uma vez acalmar mercado

O presidente Jair Bolsonaro apareceu neste domingo em Brasília ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes. Em meio à crise gerada pelo anúncio de que o Governo vai furar o teto de gastos para financiar o novo programa Auxílio Brasil e ajudar caminhoneiros diante da alta dos combustíveis, que abalou os mercados, o presidente voltou a defender o ministro e atribuiu à alta nos preços ao fechamento da economia nos Estados para conter a pandemia de coronavírus. "É o preço do 'fique em casa'", declarou o presidente —suspeito de crime contra a humanidade pela gestão errática na crise sanitária pela CPI da Pandemia. 

Como já havia feito na sexta, Bolsonaro tentou apagar rumores de saída do ministro. "Uma pessoa em que eu deposito total confiança", disse a jornalistas. "Foi sensacional o trabalho dele em 2019 e melhor ainda em 2020", disse. 

Guedes, por sua vez, tentou novamente amenizar a quebra de pacto na política fiscal que vem gerando um risco de "implosão" da economia brasileira. "Eu sou um defensor do teto, eu vou continuar defendendo o teto, eu defendo as privatizações", afirmou, dizendo que o Governo "flexilibilizar um pouco" para "atender a população mais frágil". 

Contradizendo estimativas de organismos importantes como o Fórum Econômico Mundial (FMI), Guedes afirmou o "Brasil está crescendo e ainda vai crescer".  "Essa história de que o Brasil não vai crescer é narrativa política", disse. 

Daniela Mercier
Diogo Magri

Capital paulista promove vacinação em parques neste domingo

A Prefeitura de São Paulo realiza neste domingo, 24, mais um dia de campanha de vacinação nos parques da cidade com primeira, segunda e dose adicional para os grupos elegíveis. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) montou pontos de imunização para a população nos parques Buenos Aires, Villa-Lobos, Guarapiranga, Parque do Carmo, da Juventude, da Independência, e o recreativo Ceret, com funcionamento das 8h às 17h.

Outros pontos espalhados pela capital também levam em conta a Galeria Prestes Maia, no centro, e duas farmácias parceiras da Prefeitura na avenida Paulista, números 2.371 e 266, com funcionamento das 8h às 16h. As farmácias funcionam normalmente mesmo com a avenida fechada para circulação de carros.

Para se vacinar é necessário apresentar um documento de identificação, preferencialmente CPF e Cartão SUS, além de comprovante de residência no município de São Paulo. Para quem já tomou a primeira dose, também deve levar o cartão de vacinação contra covid-19.

No caso dos adolescentes, são aceitos comprovantes de endereço em nome dos pais. Além disso, o menor de idade deve estar acompanhado dos pais ou responsável para receber a vacina.

Os profissionais da saúde que vão tomar a dose de reforço devem apresentar comprovante de vínculo empregatício em serviço de saúde do município de São Paulo ou documento do conselho de classe. Também é possível levar comprovantes de profissão, certificado ou diploma.

Diogo Magri
Diogo Magri

São Paulo registra menor número de internados por covid-19 desde abril de 2020

O Estado de São Paulo registrou neste sábado (23) 3.500 internados por covid-19, um número que só foi menor antes de de 2 de abril de 2020. Hoje, são 3.563 pacientes hospitalizados, sendo 1.641 em UTIs e 1.922 em leitos clínicos. 

De acordo com a Secretaria estadual de Saúde, o número de internados foi quase nove vezes maior no pico da segunda onda, no começo de 2021, quando chegou a ultrapassar 31.000 pacientes hospitalizados com a doença. A Secretaria afirma que o sucesso na campanha de vacinação é o principal responsável pelos dados. Nos dados do Governo, já foram aplicadas 70.172.841 de doses da vacina no Estado, sendo 37.425.944 da primeira dose, 29.333.017 da segunda e 1.170.035 da dose única. Doses adicionais somam 2,2 milhões.   

As taxas de ocupação dos leitos de UTI também estão entre as menores desde o início da pandemia, com 27,6% no Estado e 36,2% na grande São Paulo.  

Desde o início da pandemia, o Governo computou 4.398.737 casos confirmados de covid-19 em São Paulo e 151.540 óbitos.

Diogo Magri
Diogo Magri

Bom dia! Retomamos a cobertura sobre a pandemia de covid-19 e a crise política no Brasil neste domingo. Siga com a gente!

Diogo Magri
Regiane Oliveira

Retomamos na manhã deste domingo a cobertura da pandemia de coronavírus e a crise política no Brasil. Boa noite!

Regiane Oliveira
Regiane Oliveira

Brasil registra 318 novas mortes por covid-19 em 24 horas

O Brasil registrou 318 novas mortes por covid-19 neste sábado, chegando a 605.457 óbitos acumulados desde o início da crise sanitária, em março de 2020. No último balanço divulgado no boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, também são 11.716 novos casos da doença; mais de 21,7 milhões de pessoas se infectaram desde então.

Regiane Oliveira
Regiane Oliveira

Namíbia suspende o uso da vacina Sputnik V após a África do Sul sinalizar preocupação com o HIV

A Namíbia vai suspender o uso da vacina russa Sputnik V contra a covid-19, infornou o Ministério da Saúde neste sábado, dias depois que o regulador de medicamentos da vizinha África do Sul sinalizou preocupações sobre a segurança do imunizante para pessoas com HIV.  O regulador SAHPRA decidiu não aprovar um pedido de uso de emergência para o Sputnik V por enquanto porque alguns estudos sugeriram que a administração de vacinas com o vetor do Adenovírus Tipo 5, utilizado pelo imunizante russo, pode levar a uma maior suscetibilidade ao HIV em homens.

A África do Sul e a Namíbia têm altas taxas de prevalência de HIV. O Ministério da Saúde da Namíbia disse em um comunicado que a decisão de descontinuar o uso da vacina russa foi "por excesso de cautela de que os homens (que) receberam Sputnik V possam estar em maior risco de contrair HIV".

O Gamaleya Research Institute, que desenvolveu o Sputnik V, disse que a decisão da Namíbia não foi baseada em nenhuma evidência científica ou pesquisa. "O Sputnik V continua sendo uma das vacinas mais seguras e eficientes contra a covid-19 em uso globalmente", disse o instituto à Reuters, acrescentando mais de 250 ensaios clínicos e 75 publicações internacionais que confirmaram a segurança de vacinas e medicamentos baseados em vetores de adenovírus humanos.

A Namíbia recebeu 30.000 doses do Sputnik V como uma doação do governo sérvio, mas apenas 115 foram administradas até 20 de outubro. A Namíbia também tem usado vacinas covid-10 desenvolvidas pelas chinesas Sinopharm, Pfizer, AstraZeneca e Johnson & Johnson, adquiridas por meio de uma combinação de acordos de compras e doações.

Até agora, o país vacinou apenas cerca de 240.000 de seus 2,5 milhões de habitantes, refletindo as dificuldades das nações africanas em garantir vacinas suficientes em meio a uma corrida global por vacinas. (Reuters)  

Regiane Oliveira
Regiane Oliveira

Grã-Bretanha registra o maior número de casos semanais de covid-19 desde julho

A Grã-Bretanha registrou na semana passada o maior número de novos casos de covid-19 desde julho, conforme dados do Governo divulgados neste sábado, um dia depois que o primeiro-ministro Boris Johnson minimizou a perspectiva de um retorno à quarentena.

Cerca de 333.465 pessoas na Grã-Bretanha testaram positivo para covid-19 nos últimos sete dias, um aumento de 15% em relação a semana anterior e o maior total desde os sete dias até 21 de julho. Nas últimas 24 horas, o país registrou 44.985 novos casos.

Os números diários de mortes estavam disponíveis apenas para a Inglaterra e mostraram 135 mortes após 28 dias de um teste positivo. As mortes aumentaram 12% na semana passada, e o total desde o início da pandemia já soma 139.461, o segundo maior da Europa depois da Rússia. Embora a vacinação e o melhor tratamento médico tenham reduzido drasticamente as mortes em comparação com as ondas anteriores da doença, os hospitais já estão sobrecarregados e a atual taxa de mortalidade da Grã-Bretanha é muito maior do que a de muitos de seus vizinhos europeus.

Assessores de saúde do Governo disseram na sexta-feira que preparativos devem ser feitos para a possível reintrodução de medidas para retardar a propagação da doença, como trabalhar em casa, já que agir cedo reduziria a necessidade de medidas mais duras no futuro. Johnson, no entanto, disse que não esperava um retorno ao bloqueio. (Reuters)

Regiane Oliveira
Regiane Oliveira

Na Venezuela, quanto maior o número de casos de covid-19, mais flexíveis as medidas

Pouco menos de uma semana após o relaxamento das medidas para conter a covid-19 na Venezuela, que durará entre novembro e dezembro, o país continua a somar entre o dobro e o triplo de casos diários em relação às mesmas datas do ano passado, quando só se relaxaram as medidas no período de Natal.

O presidente Nicolás Maduro confirmou recentemente que, nos últimos dois meses do ano, a abertura do setor comercial seria permitida para a "segurança, saúde e felicidade do crescimento econômico", o que tornará o sistema 7 + 7 ineficaz, que atualmente consiste em semanas alternadas de relaxamento parcial com outras de quarentena radical.

Apesar de os turnos de quarentena radical não serem respeitados há meses, houve um relativo controle em alguns locais de diversão noturna ou no horário de determinados negócios, que eram ampliados ou reduzidos conforme a semana, sem para cumprir, na maioria dos casos, a ordem governamental.

Soma-se a essa abertura a campanha eleitoral para as eleições locais e regionais de 21 de novembro, que começa em 28 de outubro e vai até três dias antes do dia da votação. De acordo com a experiência vivida durante a campanha para as eleições legislativas de 6 de dezembro de 2020, não se espera que sejam respeitadas as medidas sanitárias pertinentes para evitar o contágio. Com números diários de casos até três vezes superiores aos cálculos do Governo, as infecções dispararam após as eleições legislativas e o abrandamento das restrições em dezembro do ano passado. Isso deu origem à segunda vaga que triplicou, nas semanas e meses subsequentes, o número diário de infecções registradas até então.

Apesar do reconhecimento público que Maduro fez em 3 de outubro sobre o aumento dos casos em Caracas e nos estados de Miranda, La Guaira e Carabobo, no que ele mesmo chamou de uma "possível terceira onda", o presidente continuou com seu plano de "ampla flexibilidade" sem exceções. Nesse dia, foram registadas 1.326 novas infecções, número ultrapassado em vários dias do mesmo mês, com um máximo de 1.638 e um mínimo de 893, correspondendo ao dia 21, única data de outubro, até hoje, em que os casos não ultrapassaram a marca de mil infecções, segundo dados do Governo.

Desde o início da pandemia, o país soma 398.611 infecções, das quais 379.403 já recuperadas, e contabiliza 4.790 mortes. (Efe)

Regiane Oliveira
Daniela Mercier

Prefeitura do Rio também reduz para 21 dias intervalo para receber segunda dose da Pfizer

A Prefeitura do Rio antecipou o intervalo mínimo entre a primeira e segunda dose da vacina da Pfizer contra a covid-19. Para quem tem 30 anos ou mais, o intervalo será de 21 dias. Medida semelhante havia sido anunciada no EStado de São Paulo. 

Neste sábado (23), a vacinação contra a covid-19 será destinada à primeira dose para todas as pessoas com 12 anos ou mais e à dose de reforço para pessoas com 67 anos ou mais.

Pacientes com alto grau de imunossupressão com 12 anos ou mais e profissionais e trabalhadores da saúde que tomaram a segunda dose na cidade do Rio até 31 de março também podem receber a dose de reforço.

As unidades seguem aplicando a segunda dose, conforme a data estipulada no comprovante da primeira.

 

Daniela Mercier
Daniela Mercier

Como será a vacinação contra a covid-19 na cidade de São Paulo neste sábado

A cidade de São Paulo realiza neste sábado a imunização contra a covid-19 nas 82 Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs)/Unidades Básicas de Saúde (UBSs) Integradas, das 7h às 19h, e em seus 21 megapostos, das 8h às 17h.

No domingo, a vacinação ocorre em sete parques da cidade, nas farmácias parceiras da avenida Paulista e no megaposto da Galeria Prestes Maia, com entrada pela Praça do Patriarca.

 

Daniela Mercier


Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: