Bolsonaro negocia outra fatia do Governo para o Centrão enquanto esbraveja contra o STF

Senado trava indicação de André Mendonça ao Supremo após atritos do presidente com o Judiciário. Governadores pressionam por entendimento, e governistas tentam demonstrar força no 7 de setembro

O presidente Jair Bolsonaro durante evento na base aérea de Brasília, no dia 22.
O presidente Jair Bolsonaro durante evento na base aérea de Brasília, no dia 22.ADRIANO MACHADO (Reuters)

O desemprego aumentou no Brasil nos últimos meses, assim como a inflação e os preços dos combustíveis. Em queda está apenas a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), em meio à insistente pandemia do novo coronavírus, mas parte do país tem demonstrado muito mais preocupação em relação à lisura das próximas eleições e à conduta de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O regente desse coro se chama Jair Bolsonaro. Enquanto entretém a audiência, contudo, o presidente negocia nos bastidores de dois a quatro novos ministérios para o Centrão, o fisiológico grupo que já detém quatro das 23 pastas na Esplanada. A ideia é assegurar, ainda que temporariamente, apoio político no Congresso.

Bolsonaro tem estimulado o seu séquito a participar de uma manifestação em seu apoio e contra o STF na próxima data cívica do dia 7 de setembro. Publicamente, também segue esticando a corda contra ministros do tribunal —já pediu o impeachment de um, Alexandre de Moraes, e promete fazer o mesmo com Luís Roberto Barroso, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral. Além disso, insiste na infundada tese de que, sem voto impresso, já derrubado pela Câmara, as eleições de 2022 podem ser fraudadas. O show distrai a audiência e desvia o foco do que de fato está acontecendo em seu Governo e, principalmente, daquilo que, por mais que se esforce, a gestão Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, não conseguem fazer avançar.

Para lembrar ao presidente quais são os verdadeiros desafios que o país enfrenta, 22 governadores se reuniram nesta segunda-feira para articular uma reunião com os chefes dos poderes —a última tentativa de algo do tipo foi abortada pelo presidente do STF, Luiz Fux, após insultos de Bolsonaro a seus colegas de tribunal. O Fórum Nacional de Governadores solicitou a Bolsonaro e aos presidentes da Câmara, do Senado e do STF uma audiência “com o propósito de identificar e pautar pontos convergentes e estratégias visando salvaguardar a paz social, a democracia e o bem-estar socioeconômico da população brasileira”. A carta é assinada pelo governador do Distrito Federal, Ibanes Rocha, coordenado do fórum.

Mais informações

Pressionado do lado de fora, Bolsonaro ainda tenta arrumada a própria casa. Conforme interlocutores do Planalto, os ministérios atualmente negociados em troca de apoio político seriam divididos igualitariamente entre indicados por senadores e deputados de partidos como PL, PP e Republicanos —o núcleo duro do Centrão. Ainda não está claro quais cargos seriam disponibilizados. Duas possíveis áreas são o Desenvolvimento Regional e o Turismo. O presidente liberaria seus atuais ocupantes, Rogério Marinho e Gilson Machado, para percorrerem seus Estados, iniciando suas campanhas eleitorais. Marinho pretende concorrer ao Governo ou ao Senado pelo Rio Grande do Norte. Machado almeja o Senado por Pernambuco.

Outro que corre o risco de ser apeado do primeiro escalão da gestão Bolsonaro, conforme relatos de políticos próximos ao presidente, é o general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria-Geral da Presidência. Amigo do presidente, o militar da reserva tem perdido cada vez mais espaço para os políticos profissionais. Sua retirada seria uma saída fácil para conseguir acomodar os aliados.

Até abril do ano que vem, quando os candidatos são obrigados pela legislação eleitoral a deixar os ministérios, outras dez pastas devem sofrer mudanças. Entre elas está a da Agricultura, para que deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS) tente a reeleição, e a do Trabalho, para que o ministro e deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) alce voos mais altos —ele deve concorrer ao Governo do Rio Grande do Sul. Também figuram entre os pretensos concorrentes alguns estreantes nas urnas, como o ministro da Justiça, Anderson Torres, e a dos Direitos Humanos, Damares Alves.

Com essa potencial reforma ministerial, a tendência é que o Centrão aumente ainda mais sua presença no Governo. Os cargos não devem necessariamente ser ocupados por lideranças políticas, como no caso do senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI), atualmente na Casa Civil, mas com a indicação de nomes apresentados como “técnicos”. Todo o cenário traçado ainda pode mudar, caso as chances de Bolsonaro nas urnas se reduzam ainda mais. Hoje, ele ainda tem condições de disputar um projetado segundo turno contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), pois registra de 24% a 35% da preferência dos eleitores, de acordo com cenários testados em pesquisas eleitorais feitas por institutos como Atlas Políticos, Datafolha e XP Ipespe. Mas, ainda segundo todos esses institutos, Bolsonaro perderia para o petista num segundo turno.

“Até o limite, estaremos com Bolsonaro. Mas não seguiremos em canoa furada até o fim”, confidenciou uma liderança do Centrão na Câmara. Uma eventual mudança para uma candidatura Lula ou para uma candidatura de terceira via, ainda incerta, tem sido debatida entre esses líderes partidários. A principal preocupação, efetivamente, é garantir um elevado número de cadeiras no Congresso para a próxima legislatura, e não necessariamente eleger o presidente da República.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Perda de apoio

Apesar de passar boa parte do dia falando sobre urnas eletrônicas e ministros do STF, uma das principais preocupações do presidente é a perda do apoio no Legislativo. Seu movimento de pedir a destituição de ministros do Supremo resultou na construçã de um muro no Senado. Os senadores avisaram que, por enquanto, deixarão a indicação de André Mendonça para a cadeira vaga do STF em banho-maria. Não há nenhuma disposição para votar o indicado por Bolsonaro para a vaga de Marco Aurélio Mello, que deixou o cargo há mais de um mês.

Essa reação gerou outro movimento no meio jurídico. O ministro Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), já avisou que está disponível para ser o indicado por Bolsonaro, caso ele desista de Mendonça. Não é a primeira vez que Martins —entre outros players do judiciário brasileiro— se apresenta para esse jogo. O que pesa contra ele é sua proximidade com o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Pandemia e considerado um inimigo pelo chefe do Executivo.

Outra sinalização de perda de força vinda do Senado é a votação dos senadores para a recondução de Augusto Aras para a Procuradoria Geral da República. Sua sabatina deve ocorrer nesta terça-feira, e a tendência é de que ele seja aprovado para seguir como procurador-geral pelo plenário com menos apoio do que obteve dois anos atrás, em seu primeiro mandato. Na ocaisão, Aras, contou com apenas dez votos contrários, de um total de 81 eleitores.

Na Câmara, os problemas são outros. A proposta de reforma do Imposto de Renda está travada, assim como a reforma tributária. Também na pauta econômica, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), iniciou a tramitação da proposta de emenda constitucional que extingue quatro impostos (Cofins, PIS, Pasep e IPI) e os unifica, criando um imposto de valor agregado. Poderia ser apenas uma valorização de uma proposta do próprio Legislativo, mas, para articuladores políticos, foi uma afronta ao ministro Paulo Guedes, que lutava para que esse texto não progredisse. É o tipo de má notícia para o Governo que o presidente tem tentado esconder por trás de uma cortina de fumaça interminável.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: