Mercado de trabalho brasileiro ficará com ‘cicatrizes’ no pós-pandemia

Os efeitos da pandemia no mercado de trabalho brasileiro devem durar, para aqueles menos qualificados, 9 anos na forma de desemprego, aumento da informalidade e redução da média salarial.

Carteira de trabalho brasileira.
Carteira de trabalho brasileira.Gustavo Mello (Getty Images/iStockphoto)
Mais informações

Silvan Nunes trabalhava há quase cinco anos na Agência Nacional de Transporte Terrestre, em Brasília, quando foi desligado. O bacharel em Direito foi um dos 7,8 milhões de brasileiros e brasileiras que viram seu posto de trabalho ser extinto durante a pandemia. “Eu estava em home office e não podia voltar pois moro com pessoas de grupo de risco. Então, perdi o emprego”, conta Silvan, que desde então trabalha como artista autônomo, vendendo pinturas autorais.

Casos como o de Silvan ilustram bem as conclusões do relatório “Emprego em Crise: Trajetória para Melhores Empregos na América Latina Pós-Covid-19”, lançado pelo Banco Mundial em junho. Puxando décadas de experiências e dados sobre crises, o estudo teve como objetivo propor caminhos para o poder público desenvolver melhores políticas de resposta àqueles progressos que foram desfeitos por conta da pandemia na área de oportunidades de empregos formais. A conclusão é que os efeitos da pandemia, as ‘cicatrizes’ no mercado de trabalho brasileiro devem durar, para aqueles menos qualificados, ao menos nove anos na forma de desemprego, aumento da informalidade e redução da média salarial. Para os mais qualificados, os efeitos da crise são menos duradouros.

Com a pandemia de covid-19, vagas de emprego formal na América Latina e Caribe se tornaram mais raras e menos estáveis. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) contabilizou: na região, 26 milhões de pessoas ficaram desempregadas em 2020.

Thuany Belizário, 25 anos, mora com o marido e o filho de 3 anos em uma casa alugada na cidade de São Paulo. Durante anos, a família juntou dinheiro e conseguiu enfim dar entrada em um apartamento na planta. Mas no dia 2 de março de 2021, Thuany foi demitida quando a empresa em que trabalhava há cerca de dois anos cortou gastos por conta da pandemia. Logo em seguida, Thuany conseguiu uma recolocação no mercado de trabalho em um posto de gasolina, mas depois de 2 meses, foi dispensada novamente por conta da pandemia.

Thuany requereu e conseguiu acesso ao seguro-desemprego. Porém, o processo não foi fácil. “Eu tive muita dificuldade para conseguir. E quando consegui, o pagamento foi feito com muito atraso, o que atrapalhou a nossa vida financeira. Estou como todo brasileiro no meio da pandemia: paga uma conta, deixa outra e assim vai”, conta Thuany.

Desemprego no Brasil

Agora Thuany faz parte dos dois terços da força de trabalho no Brasil que não está empregado formalmente. Para complementar a renda, a jovem se tornou manicure, designer de sobrancelhas e vendedora de lingerie. “Tem sido difícil montar a cartela de clientes. É mais no boca a boca mesmo porque, como a escola do meu filho também fechou por conta da pandemia, bater de porta em porta com uma mala de lingerie, os materiais de manicure e uma criança de 3 anos é praticamente impossível”, relata.

A economista sênior e co-autora do estudo Joana Silva pontuou, durante o webinário que apresentou o relatório a autoridades do governo federal no dia 20 de julho, que mulheres têm dificuldades muito particulares em serem inseridas ou reinseridas no mercado de trabalho formal. Porém, como destaca Joana, “quer seja entre mulheres ou homens, os efeitos das crises são mais graves para os mais vulneráveis e os menos qualificados”.

É o caso de Regileide Carvalho. A Régia, como é conhecida pelos amigos e clientes, trabalhou por mais de 10 anos como massoterapeuta na sede de um banco público em Brasília. Quando a pandemia foi decretada na capital federal, o prédio fechou e Régia se viu sem ter para onde ir durante a semana — e, principalmente — sem renda fixa no final do mês. Ela tentou empreender: abriu uma sala, mas o negócio não vingou por falta de clientes. “Também atendo à domicílio, mas a situação está muito difícil. Muito difícil mesmo”, explica.

O Brasil é um dos países com o maior índice de desigualdade na América Latina, segundo o Banco Mundial. Porém, nem tudo está perdido. Segundo o relatório, onde há ofertas de empregos, mesmo que empregos informais, a economia e o bem estar social se recuperam melhor. A lição que fica é: as medidas adotadas agora pelo governo vão afetar como será o mercado de trabalho na próxima década para as gerações de agora e as futuras. “É uma grande responsabilidade”, adiciona Joana.

O economista sênior do Banco Mundial Matteo Morgandi, ao comentar as implicações do relatório no Brasil, reconhece que os desempregados poderiam ser melhor apoiados, sem que o custo fiscal seja elevado, se o Seguro-Desemprego e o FGTS fossem redesenhados a partir de boas práticas internacionais, “para garantir não apenas o apoio à renda, mas também o acesso à assistência na busca de emprego e ao desenvolvimento de habilidades para proteger os trabalhadores vulneráveis contra futuras crises já que melhoraria as chances de desempregados conseguirem seus próximos trabalhos”, diz Matteo.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: