Compra de vacina Covaxin arrasta Bolsonaro para sombra da corrupção

Governo nega irregularidades no contrato para aquisição de imunizante indiano, que se tornou centro da CPI, e ameaça processar o deputado Luís Miranda, que trouxe à tona potenciais problemas na aquisição, e seu irmão, servidor da Saúde que disse ter alertado sobre acordo

O presidente Bolsonaro, no dia 22, em Brasília.
O presidente Bolsonaro, no dia 22, em Brasília.Joédson Alves (EFE)
Mais informações

Desde que iniciou sua campanha à presidência da República e era chamado de homofóbico, misógino, racista ou defensor de torturadores da ditadura militar, Jair Bolsonaro sempre bradava aos seus críticos: “Me chama de corrupto”! Apesar das revelações da imprensa sobre operações suspeitas envolvendo compra de imóveis e presença de funcionários fantasmas nos gabinetes do clã Bolsonaro desde aquela época, era um escudo que funcionava, especialmente com sua base de apoio. Nesta semana, começou a vir à tona um escândalo que, se comprovado, tem potencial de colar no seu Governo a marca da corrupção. Com um agravante: trata-se de um caso envolvendo o manejo da crise sanitária que já matou mais de meio milhão de brasileiros. A investigação sobre as suspeitas de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin já estava nas mãos do Ministério Público Federal e do TCU (Tribunal de Contas da União), mas entrou de vez na rota da CPI da Pandemia depois das declarações explosivas do deputado federal bolsonarista Luís Miranda (DEM-DF). Na TV, Miranda disse ter alertado Bolsonaro sobre os supostos problemas do contrato, no valor de 1,6 bilhão de reais.

Miranda afirma que alertou o presidente de que seu irmão, Luís Ricardo Fernandes Miranda, um funcionário do Ministério da Saúde, recebeu uma pressão atípica para fazer o pagamento para um intermediário que vendia a Covaxin, produzida pela empresa indiana Barath Biotech. O aviso foi feito pessoalmente ao presidente pelo deputado e por Fernandes Miranda em 20 de março, em uma reunião extraoficial no Palácio da Alvorada. Mesmo diante dos alertas e das promessas de Bolsonaro que, segundo os irmãos Miranda, disse que ordenaria a investigação do caso, não está claro o que foi feito. O aviso também fora dado ao então ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

“Entreguei a Bolsonaro. O caso não é só de pressão. É gravíssimo: tem desvio de conduta, invoice [nota fiscal] irregular, pedido de pagamento antecipado que o contrato não previa, quantidades diferentes”, disse o parlamentar à emissora CNN Brasil. “O presidente sabia que tinha crime naquilo”, sintetizou o parlamentar.

Em resposta a essas afirmações, a reação do Governo foi contra os denunciantes. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), disse que o Governo processará o deputado Miranda por denunciação caluniosa. O irmão dele também será processado pelo mesmo delito, por fraude de documentos oficiais e por prevaricação porque, segundo o Governo, ele não revelou aos chefes imediatos as irregularidades. “Deputado Luís Miranda, Deus vendo. Mas o senhor não vai se entender só com Deus, não, mas também com a gente”, ameaçou Lorenzoni durante um pronunciamento à imprensa em que ele não respondeu a nenhuma pergunta.

Cerco contra o Governo

A vacina Covaxin teve sua compra intermediada pela Precisa Medicamentos. Esse foi o imunizante mais caro adquirido pelo Governo brasileiro, ao custo de 15 dólares por dose e a única que não foi feita diretamente com o laboratório fabricante. A CPI da Pandemia já havia suspeitado dos negócios entre o Ministério da Saúde e a empresa por três razões: 1) o preço acima dos demais, já que as outras cinco vacinas compradas até o momento custavam no máximo dez dólares; 2) a incomum celeridade entre o início das negociações e a assinatura do contrato, foram três meses, enquanto que o da Pfizer, por exemplo, foram quase 11 meses; e 3) o controlador da Precisa, Francisco Emerson Maximiano, é investigado por ter assinado um outro contrato de fornecimento de medicamentos de alto custo com o Governo, de 20 milhões de reais, e não ter entregue os produtos. Os sigilos bancário e fiscal de Maximiano foram quebrados pela CPI da Pandemia, que apura a omissão do Governo no combate ao coronavírus. O empresário deve falar na semana que vem na comissão.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

O caso tem sido apontado pelos senadores da CPI como o mais grave envolvendo o Governo até o momento. Desde que a comissão iniciou os seus trabalhos, em abril, a gestão Bolsonaro tentou desviar o foco e quis que as investigações se focassem nos casos de corrupção envolvendo Estados e municípios. Enquanto que os opositores defendiam a narrativa de que o presidente foi negacionista no trato da pandemia, omisso nas compras de vacina durante todo o ano de 2020 e, por essa razão, poderia ser responsabilizado por milhares de mortes. Agora, abre-se um novo flanco e de causalidade mais direta: possíveis atos de corrupção.

Depois da revelação dos últimos dias, a comissão se voltará mais intensamente contra esses atos do Governo Federal. Miranda prometeu entregar à CPI da Pandemia “provas mais contundentes e incriminadoras”, na próxima sexta-feira, quando ele e o irmão prestarão depoimento aos senadores. “Temos como comprovar, categoricamente que a intenção era maléfica. Ela tinha indícios claros de corrupção”, declarou Luís Miranda. Três analistas de risco político disseram à reportagem que, se o parlamentar tiver todos esses documentos que diz ter, o caso tem tudo para afetar ainda mais o Governo Bolsonaro. O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), chamou de coação de testemunha a ameaça de processo feita por Lorenzoni.

Durante um pronunciamento em que tentou rebater os argumentos dos irmãos Miranda, o ministro Lorenzoni negou qualquer irregularidade e ainda pôs em dúvida os interesses do parlamentar. “Trata-se da maior fake news já produzida no Brasil. A quem interessa? Talvez às mesmas pessoas que no Senado Federal se dedicam a atacar o presidente Jair Bolsonaro.” O ministro não negou nem mencionou o suposto encontro que os irmãos Miranda dizem ter tido com Bolsonaro.

Membro da base bolsonarista que se elegeu defendendo o combate à corrupção, o deputado Miranda disse que resolveu revelar o que sabia porque seu irmão passou a sofrer ainda mais pressão e vazou um áudio dele contando o esquema irregular a outras pessoas. O servidor Luís Ricardo Miranda já depôs sobre o caso em 31 de março ao Ministério Público Federal. O deputado foi eleito após ter construído a fama como youtuber que promovia o empreendedorismo e foi, ele próprio, acusado de calote nos EUA.

Se não bastassem as denúncias sobre pressão de um funcionário do Ministério da Saúde, há a suspeita de que o Governo pagou um preço 1.000% acima do que a Bharat Biotech cobraria pela Covaxin, que só teve seu uso emergencial e limitado aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 4 de junho. Um telegrama sigiloso da embaixada brasileira em Nova Délhi de agosto do ano passado relatava que o imunizante produzido pela Bharat Biotech tinha o preço estimado 1,34 dólares.

Em dezembro, outro comunicado da embaixada mostrava que o imunizante indiano “custaria menos do que uma garrafa de água”. Em fevereiro deste ano, contudo, o Ministério da Saúde assinou um contrato se comprometendo a pagar 15 dólares por unidade da Covaxin. Os detalhes desses diálogos diplomáticos foram revelados pelo jornal O Estado de S. Paulo.

No pronunciamento no Palácio do Planalto, Lorenzoni disse que não houve irregularidades no contrato com a Precisa Medicamentos. “Não houve favorecimento a ninguém. Não houve sobrepreço. Não houve compra alguma”, disse.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: