Ao Vivo

Notícias sobre a pandemia e a crise política, ao vivo | Brasil soma 1.025 mortos pela covid-19 nas últimas 24 horas

Movimentos sociais testam fôlego em novos atos contra o Governo Bolsonaro. Atos foram convocados em 400 cidades brasileiras e levaram milhares às ruas no Rio e em Brasília . Brasil caminha para meio milhão de mortes pela covid-19. Menos de 12% da população brasileira foi completamente vacinada. Siga a cobertura ao vivo

Muitos manifestantes lembraram a trágica marca de 500.000 mortos na pandemia, um número considerado subestimado na pandemia. Também neste sábado, a cúpula da CPI da Pandemia, que apura as responsabilidades pelos erros e manejos na gestão da crise sanitária, prometeu punir os responsáveis.
Muitos manifestantes lembraram a trágica marca de 500.000 mortos na pandemia, um número considerado subestimado na pandemia. Também neste sábado, a cúpula da CPI da Pandemia, que apura as responsabilidades pelos erros e manejos na gestão da crise sanitária, prometeu punir os responsáveis.Adriano Machado / Reuters
São Paulo / Brasília - 21 jun 2021 - 00:51 UTC

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar. Para receber gratuitamente nossa newsletter de segunda à sábado ―com reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as informações mais importantes do dia no seu e-mail―, inscreva-se aqui.

O Brasil registrou, neste domingo (20), mais 1.025 óbitos e 44.178 casos confirmados de covid-19. O país, que ultrapassou ontem a marca do meio milhão de mortos pelo novo coronavírus, já soma 501.825 vítimas da doença, além de quase 18 milhões de infectados desde o início da pandemia. O fim de semana foi marcado por novos protestos contra a gestão do presidente Jair Bolsonaro no enfrentamento à pandemia. Foram convocadas manifestações da oposição em ao menos 400 cidades brasileiras (o dobro que o dia 29 de maio, quando ocorreram os primeiros protestos), pedindo o impeachment de Bolsonaro e a celeridade na campanha de vacinação. No Rio de Janeiro e em Brasília, milhares foram às ruas. Em São Paulo, o protesto lotou a avenida Paulista, o principal termômetro de mobilizações sociais no Brasil. Os protestos ocorreram um dia após a CPI da Pandemia incluir o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e os ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) na lista de investigados.

Acompanhe as notícias mais importantes do dia, ao vivo:


Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50