Contra envelhecimento da população, China autoriza casais a terem até três filhos

Medida representa a maior mudança em sua política de natalidade desde o aumento da quota de um para dois filhos, há cinco anos

Homem carrega uma criança usando máscaras na visita à Cidade Proibida, em Pequim.
Homem carrega uma criança usando máscaras na visita à Cidade Proibida, em Pequim.Ng Han Guan (AP)

A China permitirá a partir de agora que qualquer família tenha um terceiro filho. É a primeira mudança radical em sua política de natalidade depois abandonar há cinco anos a chamada política do filho único e autorizar os casais a terem até dois filhos. A nova medida está sendo adotada para tentar combater um grave problema de envelhecimento, o mais rápido do mundo no país mais populoso do planeta.

Mais informações

A decisão, conforme anunciou a agência estatal de notícias Xinhua, foi tomada nesta segunda-feira em uma reunião da cúpula do Partido Comunista da China, presidida pelo chefe de Estado e secretário-geral do PCC, Xi Jinping.

“As políticas de natalidade serão melhoradas. Haverá a adoção de normas que permitirão que um casal possa ter filhos, com medidas que apoiem isso”, informa o comunicado distribuído pela Xinhua. “Isto melhorará a estrutura demográfica da China, responderá de maneira ativa ao envelhecimento da população e manterá as vantagens do dividendo demográfico”, acrescenta.

A medida foi anunciada depois de que o novo censo chinês, divulgado neste mês, reforçou o tamanho do desafio demográfico para a segunda maior economia do mundo. A população da China passou de 1,41 bilhão de pessoas em 2020, mas o ritmo de crescimento na última década caiu ao menor nível desde a introdução da política do filho único, há quatro décadas. A população começará a diminuir nos próximos anos; no empobrecido nordeste do país, essa queda no número de habitantes já começou.

Os menores de 14 anos representam 17,95% da população atual, segundo os dados oficiais do censo. Há uma década, somavam 19%. Embora o número de nascimentos tenha crescido imediatamente depois da eliminação da política do filho único, em 2016, as previsões oficiais não foram alcançadas e a tendência voltou a recuperar o caminho descendente; desde então, a cada ano chegam ao mundo menos bebês chineses: de 14 milhões em 2019 passaram a 12 milhões no ano passado. O índice de fertilidade se situou em 1,3 filho por mulher.

Já o número de idosos aumenta vertiginosamente. Em 2020, a população maior de 60 anos – idade de aposentadoria para a maioria dos homens; para as mulheres, é de 55 anos – representava 18,7% do total, enquanto uma década antes constituía 13,3%. É o segmento que mais cresce. Os chineses em idade de trabalhar, por outro lado, eram 63,35% em 2020, quando em 2010 somavam 70,1%.

O rápido envelhecimento ameaça transformar a passos largos a China em uma sociedade idosa. É um problema comum a outros países prósperos, mas que a segunda maior economia do mundo confronta com um PIB per capita muito mais baixo e com um sistema de previdência social que ainda tem muitas carências.

Em boa medida, a China havia baseado o sucesso do seu desenvolvimento econômico das últimas quatro décadas em uma abundante força de trabalho muito jovem e com salários baixos, o que dava grande competitividade às fábricas na faixa litorânea do país. Era o chamado “dividendo demográfico”. Agora, vislumbra no horizonte a escassez de mão de obra e a necessidade de adaptar sua economia e suas infraestruturas a uma população de idosos.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: