Pazuello atordoa CPI com mentiras para blindar Bolsonaro, mas enfrenta novo ‘round’ nesta quinta

Ex-ministro diz que não recebia ordens do presidente, contradiz ações de seu ministério ao negar a recomendação da cloroquina e se complica ao justificar morosidade na compra de vacinas. Renan propõe contratação de empresa de checagem para confrontar depoimentos em tempo real

General Eduardo Pazuello, em depoimento à CPI da Pandemia no Senado.
General Eduardo Pazuello, em depoimento à CPI da Pandemia no Senado.Edilson Rodrigues (Agência Senado)

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Mais informações

O controverso e mais esperado depoimento da CPI da Pandemia não acabou. O ex-ministro e general da ativa Eduardo Pazuello protagonizou um dos testemunhos mais tensos até agora. Bem treinado, abraçou contradições e mentiras sem constrangimento, se contrapôs a ações da própria pasta que comandou e atuou forte para blindar o presidente Jair Bolsonaro. A despeito das declarações dos dois médicos que o antecederam no Ministério da Saúde, Pazuello garantiu que tinha autonomia. Negou que o presidente tenha lhe desautorizado a comprar qualquer vacina, mesmo com o repertório público que inclui de declarações de Bolsonaro a uma nota do seu então número 2, Élcio Franco. Mudou a data em que teria tomado ciência da crise de oxigênio em Manaus e afirmou ter agido rapidamente. Creditou a demora para a aquisição de vacinas a supostos impedimentos jurídicos, cláusulas “leoninas” e preços elevados, mas não soube explicar porque não agiu para garantir segurança jurídica rumo à única porta de saída da crise. Insistiu que nunca recomendou cloroquina à revelia de protocolos e aplicativos criados na sua gestão. No fim da tarde, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, atuou para amainar a temperatura convocando uma sessão regular na Casa, e, então, Pazuello passou mal, e a sessão foi suspensa. O general voltará nesta quinta aos questionamentos dos senadores, que têm o desafio de contrastar suas contradições.

“O presidente nunca me deu ordens diretas para nada”, afirmou Pazuello. Enganou-se quem esperou silêncio do general, salvaguardado por um habeas corpus que conseguiu no Supremo Tribunal Federal para não se autoincriminar. Ele respondeu à maioria das perguntas, embora arredio em parte delas. Chegou a reclamar de uma suposta tentativa de indução de respostas ao relator Renan Calheiros e sugeriu um novo tom aos senadores. “Gostaria que perguntas simplórias não fossem feitas. Perguntem com profundidade”, bradou. E ouviu do presidente da comissão, senador Omar Aziz, que não cabia a ele definir a linha das indagações. O general parecia seguro e bem treinado. Várias vezes o filho do presidente, Flavio Bolsonaro, interferiu nas inquirições em seu favor. Ele não integra a CPI, mas acompanhava a sessão e chegou a bater boca com colegas. Com cerca de quatro horas usadas apenas para as perguntas do relator, esta foi das sessões mais tumultuadas até agora.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Demora para negociar vacinas

O general ofereceu respostas longas que irritaram parlamentares em vários momentos, algumas mentiras e contradições. Creditou a dificuldade em fechar acordos de compra de vacinas como a da Pfizer a pareceres de órgãos de controle como o Tribunal de Contas, a Advocacia Geral e a Controladoria Geral da União. Acabou desmentido ao vivo pelo TCU, que enviou uma mensagem ao relator Renan Calheiros negando ter desaconselhado a aquisição. Pazuello pediu desculpas e disse ter confundido com a AGU e a CGU, mas ouviu do senador Eduardo Braga que estes órgãos tampouco haviam emitido impeditivos.

O general respondeu sobre sua célebre frase de que “um manda e outro obedece”, que citou ao lado de Bolsonaro. Justificou a senadores que era “apenas um jargão militar, uma posição de internet” e que na verdade nunca recebeu ordens de Bolsonaro para cancelar acordo de compra de vacinas com o Butantan ― que à época o presidente recusava e chamava de “vacina chinesa do Doria”, em referência à sua disputa política com o governador paulista. “As posições do presidente nas redes sociais, no Twitter, aquilo ali é a figura política dele. Dali eu não extraio ordens”, afirmou Pazuello, numa clara tentativa de descolar o discurso do presidente de suas ações administrativas.

Pazuello também se contrapôs ao depoimento do presidente da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, que afirmou à CPI na semana passada que o Governo ignorou ao menos cinco propostas de vacinas contra a covid-19. “Não houve decisão de não responder à Pfizer”, afirmou Pazuello. Ele também rebateu o ex-secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, e disse que ele não tinha todos os dados ao analisar que faltou “competência” do ministério nas negociações. Segundo Pazuello, o Brasil optou pela cota mínima de vacinas do consórcio global Covax Facility pelos riscos e porque cada dose custava 40 dólares. O país poderia ter pedido imunizantes para até 50% de sua população, mas aderiu a apenas 10%. “Quem responde aos órgãos de controle não pode achar que o preço é irrelevante.”

O estímulo à cloroquina

Os senadores também o questionaram várias vezes sobre o protocolo da cloroquina. Pazuello negou pressões e disse ter publicado uma nota técnica para minimizar riscos, já que àquela época o Conselho Federal de Medicina havia emitido uma recomendação para a autonomia dos médicos em prescrever os medicamentos e um estudo apoiado pelo ministério indicava riscos a pacientes graves. “Precisávamos dar um freio de arrumação para não deixar as pessoas caminharem para outro lado”, justificou. O general ainda afirmou nunca ter recomendado a cloroquina, ignorando o aplicativo da pasta que sugeria o chamado kit covid até para bebês e os inúmeros vídeos nos quais acompanhou Bolsonaro na defesa do “tratamento precoce”. Segundo ele, a plataforma TrateCov era um protótipo que não chegou a entrar em operação. No entanto, ao menos 300 médicos de Manaus chegaram a ser habilitados para usá-la, e até a assessoria da pasta divulgou o lançamento da ferramenta.

Segundo o general, a ferramenta foi uma sugestão da secretária de Gestão do Trabalho e Educação da pasta, a médica Mayra Pinheiro. Não foi a única vez que transferiu responsabilidades à subordinada. Conhecida como “capitã cloroquina”, ela chegou a oficiar a Secretaria da Saúde de Manaus para visitar postos de saúde e defender o “tratamento precoce” nas vésperas do colapso de oxigênio. No documento, considerou “inadmissível” o não uso dos fármacos ante a crise. A médica será ouvida por senadores na terça (24).

Crise de Manaus

O general também mudou a data em que teria tomado ciência sobre o desabastecimento de oxigênio em Manaus. Disse só ter sido alertado no dia 10 de janeiro, quatro dias antes do colapso que levou dezenas de pessoas a morrerem asfixiadas ante a falta do insumo. Mas o próprio pedido da Procuradoria Geral da República para a investigação de uma suposta omissão de Pazuello aponta que a empresa White Martins havia informado sobre a iminente falta do insumo no dia 8 de janeiro. Esta mesma informação já havia sido dada pelo general à imprensa. O ex-ministro responde na Justiça por improbidade administrativa por suposta omissão no socorro a Manaus e também é investigado em um inquérito criminal.

O general gaguejou ao tentar explicar a elevada taxa de mortes por covid-19 no Brasil, um dos epicentros globais da doença. Empunhou a versão de que divide responsabilidade das ações com Estados e municípios, inclusive na distribuição da cloroquina. “O ministro não decide sozinho nada do SUS.” Colocou a letalidade na conta de problemas estruturais, das novas variantes do coronavírus e se enrolou falando até na falta de alinhamento médico no país. Insistiu que o uso de máscara e o distanciamento social eram as orientações de seu ministério e que apoiou medidas restritivas por governadores e prefeitos. Pazuello foi várias vezes fotografado sem máscara e em aglomerações.

“O senhor já mentiu demais. Eu não tenho nem tempo para elencar todas elas”, reclamou a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). “O que se espera de todos os senadores amanhã é uma sequência de arguições objetivas que sistematize mentiras, contradições e autoincriminações de hoje, confrontando depoente a provas que circularam largamente”, provoca a jurista Deisy Ventura, uma das autoras da pesquisa que aponta que Bolsonaro executou uma “estratégia institucional de propagação do coronavírus”. Ela lembra que a capacidade de arguição depende do estudo de provas. Nesta quarta, os senadores pouco avançaram neste sentido. Deixaram o ex-ministro à vontade para construir sua narrativa, com poucas réplicas e tréplicas. O relator Renan Calheiros, que chegou a fazer perguntas de internautas na CPI, agora considera até uma checagem de fatos durante o depoimento. Fica para esta quinta o desafio de inquirir com substância o general.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: