Chacina do Jacarezinho
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Numa mochila ensanguentada no Jacarezinho, a aula de Brasil contemporâneo

Passamos décadas vendendo ao mundo a ilusão de uma história e a mentira de uma imagem de que somos um país pacífico, generoso, diverso e acolhedor

Garoto na porta de casa na favela do Jacarezinho, no Rio, onde ocorreu a chacina no último dia 6.
Garoto na porta de casa na favela do Jacarezinho, no Rio, onde ocorreu a chacina no último dia 6.Leonardo Carrato
Mais informações
Police conduct an operation against alleged drug traffickers in the Jacarezinho favela of Rio de Janeiro, Brazil, Thursday, May 6, 2021. (AP Photo/Silvia Izquierdo)
“Não vai embora, vão me matar!”: a radiografia da operação que terminou em chacina no Jacarezinho
BRA01. RIO DE JANEIRO (BRASIL), 07/05/21.- Manifestantes participan en una protesta en la favela de Jacarezinho este viernes frente a las instalaciones de la Policía Civil de Río de Janeiro, para pedir justicia por las 25 vidas segadas la víspera en un violento operativo policial contra la banda de delincuentes que domina esa deprimida favela carioca. El magistrado Edson Fachin, uno de los miembros de la Corte Suprema de Brasil, calificó este viernes como "graves" las denuncias de abusos en la operación policial que dejó 25 muertos en una favela de Río de Janeiro y dijo haber visto indicios de "ejecuciones arbitrarias" en vídeos que analizó. EFE/Antonio Lacerda
Guaracy Mingardi: “A polícia fez tudo errado no Jacarezinho. Nossa legislação não tem pena de morte”
Police stand guard during a protest against police violence in the Jacarezinho favela, Rio de Janeiro, Brazil, on May 7, 2021. - Police in Brazil faced outraged protests and a UN call for an investigation Friday after a raid on a Rio de Janeiro favela left 25 people dead -- some reportedly killed in cold blood. (Photo by Carl de Souza / AFP)
Violência e corrupção: as duas aliadas dos políticos milicianos

Eram todos bandidos. Foi assim que o vice-presidente Hamilton Mourão explicou a chacina no Jacarezinho, no Rio de Janeiro, na operação policial mais letal da história da cidade. Se num primeiro momento o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos se pronunciou e emitiu uma nota de críticas ao ocorrido, o Governo logo fez questão de lembrar à pasta que o nome que ela traz —direitos humanos— era só uma fachada. A nota foi, misteriosamente, retirada do ar.

É imperativo combater o crime, assim como também imperativo lembrar que não há pena de morte prevista em lei para roubo, tráfico e mesmo assassinato. Mas, em enormes regiões do país, ela existe.

Naquele dia, quando a polícia entrou pelas ruelas da favela, não foram apenas os assassinatos que foram deixados como legado. Um foto me deu náusea. A imagem era de uma mochila de escola de uma garota de nove anos e que estava no local da chacina. Seus livros estavam ensanguentados, testemunhas da violência.

A foto, de autoria de Francisco Proner e publicada no The Washington Post, chegou a mim por uma professora e autora de livros didáticos, Cintia Nigro. “Foi uma lança no meu peito”, disse a educadora que faz parte daquelas pessoas que, na minha visão, constroem as gerações futuras e as próprias nações.

Pela foto, não há como saber exatamente quais eram os temas das lições. Mas o que fica claro naquelas páginas manchadas é que tinham se transformado numa aula de Brasil contemporâneo. Sem filtros e sem possibilidade de que fossem apagadas. Um Brasil da opressão.

Naquela favela e em tantas outras regiões do país, existem escolhas difíceis que diariamente são feitas: morrer de pandemia, de fome ou de bala. Ou dos três, um pouco por dia.

Aqueles que sobrevivem, descobrem que sonhos também são assassinados. Pela ausência do Estado, pelo controle do narcotráfico, pelas milícias. E pela aliança secreta entre todas essas forças.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Passamos décadas vendendo ao mundo a ilusão de uma história e a mentira de uma imagem de que somos um país pacífico, generoso, diverso e acolhedor. De forma deliberada ou como autoproteção, escondemos um país de revoltas frequentes, racista e intolerante, do estupro diário de sonhos e de futuros adiados.

Espécie de historiadora da sensibilidade, a escritora Juliana Monteiro, em Roma, declarou em suas redes sociais: “Quem, com o coração no lugar certo, pode pensar em palmeiras e sabiás no Brasil de Bolsonaro?”

Para quem tem o coração no lugar certo, o sangue naquela mochila era da crueldade da história do Brasil contemporâneo.

Um país não nasce. Não é descoberto. Ele é construído por atos de sua história, por aqueles que naquele local vivem e por como a violências —todas elas— são normalizadas ou denunciadas.

Só quando entendermos que nossa história continua sendo diariamente escrita com marcas de violência —inclusive em livros didáticos— é que vamos criar condições para gritar pelas ruas, pelas tribunas de parlamentos, pelas manchetes de jornais e por corredores de escolas que esse destino é inaceitável.

Jamil Chade é correspondente na Europa desde 2000, mestre em relações internacionais pelo Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra e autor do romance O Caminho de Abraão (Planeta) e outros cinco livros.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS