Ao Vivo

Notícias sobre a covid-19, ao vivo | Brasil registra 1.024 mortes nas últimas 24 horas

País soma também mais de 38.911 casos e totaliza 422.340 vidas perdidas desde o início da pandemia. União Europeia não renova contrato com AstraZeneca e afirma que decisão se deve a atrasos no fornecimento de vacinas e não a questões de saúde. Espanha deixa o estado de alarme após seis meses com euforia e preocupação. Siga a cobertura em tempo real

Pessoas passeiam em Toledo, na Espanha, neste domingo, primeiro dia sem estado de alarme contra o coronavírus.
Pessoas passeiam em Toledo, na Espanha, neste domingo, primeiro dia sem estado de alarme contra o coronavírus.Ismael Herrero / EFE
São Paulo / Brasília - 10 mai 2021 - 02:00 UTC

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar. Para receber gratuitamente nossa newsletter de segunda à sábado ―com reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as informações mais importantes do dia no seu e-mail―, inscreva-se aqui.

Mais informações

Neste domingo (9), o Brasil registrou mais 1.024 mortes pelo novo coronavírus, além de 38.911 casos confirmados. São agora, no total, 422.340 óbitos e 15.184.790 infecções. A quantidade de óbitos diminuiu em relação ao domingo anterior, quando foram registrados 1.210 mortes, mas os casos divulgados nesse dia da semana aumentaram de menos de 30.000 para quase 40.000 em sete dias. Também neste dia, a Espanha tenta voltar à normalidade pela segunda vez desde o início da pandemia de coronavírus. O país encerrou o estado de alarme decretado em outubro, em meio à segunda onda, que levou à restrição de circulação e funcionamento de comércio e serviços. Mas a situação da pandemia, que acumula 3,5 milhões de casos e quase 80.000 mortes preocupando os especialistas espanhóis. Ainda na Europa, uma virada na estratégia de vacinação: a União Europeia decidiu não renovar o contrato com a AstraZeneca para fornecimento de vacinas contra a covid-19. Segundo o O comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton, a razão são os atrasos no serviço e não uma questão médica —o imunizante tem sido associado a ocorrências de trombose, mas autoridades e cientistas defendem que os casos são extremamente raros e que os benefícios da vacina superam os riscos.

Acompanhe as notícias mais importantes do dia:


Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50