Major Olímpio, senador por São Paulo, tem morte cerebral após se contaminar com covid-19

Ex-policial militar é o terceiro senador a morrer em decorrência do novo coronavírus

O senador Major Olímpio em entrevista ao EL PAÍS, em 2019.
O senador Major Olímpio em entrevista ao EL PAÍS, em 2019.Cadu Gomes
Brasília -

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Mais informações
El encierro puso a prueba nuestra sensibilidad. La fuerza mental se convirtió en imprescindible para afrontar un presente eterno.
Um ano de pandemia: retratos de um tempo dantesco
Relatives attend a burial service of a person who died from complications related to COVID-19 at the Vila Formosa cemetery in Sao Paulo, Brazil, Thursday, March 11, 2021. One year after the World Health Organization officially declared the spread of the coronavirus a pandemic, Brazil is reporting almost 2,000 deaths per day. (AP Photo/Andre Penner)
Brasil aprofunda caos com mais de 2.000 mortes diárias por covid-19 enquanto clamor por pacto nacional cai no vazio

O senador Sérgio Olímpio Gomes, conhecido como Major Olímpio (PSL-SP), teve morte cerebral declarada nesta quinta-feira (18) em decorrência de complicações causadas pela covid-19. Líder de seu partido no Senado, Olímpio se infectou com o vírus após uma romaria de prefeitos e vereadores no Congresso Nacional no fim de fevereiro, quando os políticos negociavam emendas ao Orçamento Geral da União.

O comunicado de sua morte foi feito por meio das redes sociais do parlamentar, que era alimentada por sua assessoria de comunicação. “Com muita dor no coração, comunicamos a morte cerebral do grande pai, irmão e amigo, Senador Major Olimpio. Por lei a família terá que aguardar 12 horas para confirmação do óbito e está verificando quais órgãos serão doados. Obrigado por tudo que fez por nós, pelo nosso Brasil”, ressalta a nota no Twitter

Aos 58 anos, o ex-policial militar cumpria o seu primeiro mandato no Senado Federal. Foi eleito na onda Jair Bolsonaro em 2018, mas rompeu com o presidente por entender que ele traiu os seus eleitores ao se aproximar de figuras do fisiológico grupo de centro-direita Centrão e de romper com o seu próprio partido.

Antes de chegar ao Senado, Olímpio foi deputado estadual por dois mandatos e deputado federal por um. Passou por seis partidos diferentes e sempre se destacou por defender os interesses de policiais militares. Também denunciava crimes cometidos por integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e fazia dura oposição ao Governo João Doria (PSDB), em São Paulo. Quando ainda era um aliado de Bolsonaro, uma de suas pretensões era concorrer ao Governo de São Paulo.

Foi candidato a prefeito de São Paulo em 2016 pelo Solidariedade. Chegou a se candidatar duas vezes para presidir o Senado, mas desistiu da candidatura. Em 2019, em apoio a Davi Alcolumbre (DEM-AP) e, em 2021, em favor de Simone Tebet (MDB-MS).

Olímpio estava internado no hospital São Camilo, em São Paulo, e antes de morrer chegou a ser intubado duas vezes. Ele é o terceiro senador a morrer de covid-19 desde março do ano passado. Os outros dois foram Arolde Oliveira (PSD-RJ), em outubro do ano passado, e José Maranhão (MDB-PB), no mês passado. Ele era casado e tinha dois filhos.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS