Brasil aprofunda caos com mais de 2.000 mortes diárias por covid-19 enquanto clamor por pacto nacional cai no vazio

Setores econômicos, governadores, ministros do Supremo Tribunal Federal e até aliados do Governo no Congresso têm engrossado o coro na pressão por medidas nacionais. Todos pedem união, mas não conseguem afinar os discursos em meio à campanha contrária de Bolsonaro

Parentes se despedem de uma vítima da covid-19 em São Paulo, em 11 de março de 2021.
Parentes se despedem de uma vítima da covid-19 em São Paulo, em 11 de março de 2021.Andre Penner (AP)

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Mais informações

O Brasil, enfim, começa a se dar conta da gravidade do colapso que vive durante a pandemia do coronavírus. Setores econômicos, governadores, ministros do Supremo Tribunal Federal e até aliados do Governo no Congresso têm engrossado o coro na pressão por medidas nacionais mais efetivas para enfrentar a crise, que está no seu momento mais crítico e tem um dos piores indicadores do mundo. Nesta terça-feira, o país registrou mais de 2.000 mortes em 24 horas pelo segundo dia consecutivo. Durante a semana, ultrapassou os Estados Unidos na média de óbitos diários pela primeira vez durante a segunda onda. Lançado a epicentro global após uma série de falhas no combate à crise, o Brasil vê seus sistemas de saúde na iminência de colapsar ou já colapsados em quase todo o seu território. Governadores, o Ministério da Saúde e até o Judiciário vêm pregando “união” para enfrentar a “guerra” contra o vírus, mas não conseguem afinar os discursos em uma direção comum para mitigar a pandemia. Hesitantes sobre os custos políticos e econômicos de confinamentos mais rígidos, os chefes dos Executivos estaduais sofrem com a oposição direta do Planalto, que oscila entre discursos e ações isoladas pró-vacinação com novas aparições negacionistas do presidente Jair Bolsonaro.

Encurralado pela pressão de distintos setores por vacinas e pelas críticas feitas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na gestão da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro apareceu de máscara, acenou em prol da vacinação depois de meses de discursos antivacina e... ficou por aí. Segue criticando o lockdown ―medida apontada pela ciência como eficaz para frear o contágio quando não há tratamento eficaz contra a covid-19 nem vacinação em massa― enquanto é cobrado por ao menos 22 governadores por um pacto nacional junto com o Congresso e o Judiciário que inclua a centralização das impopulares medidas restritivas, fundamentais para reduzir os graves índices da pandemia. Bolsonaro criticou o toque de recolher decretado Distrito Federal e disse que só o presidente poderia adotar uma ação como esta. “Eles (prefeitos e governadores) não querem salvar vidas, querem poder”, bradou Bolsonaro nesta quinta (11).

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Os governadores pedem uma pactuação conjunta, o que poderia diluir o ônus político de restrições mais duras em um momento econômico difícil e quando o auxílio emergencial, ainda pendente de recriação, deve voltar em um valor inferior ao do ano passado. A maioria deles entende que quarentenas mais rígidas é o que pode estancar as hospitalizações neste momento em que há milhares de brasileiros na fila de espera por uma vaga de UTI em várias regiões. Mas, sem o protagonismo federal, tem optado por aumentar as restrições aos poucos nos Estados. Até agora, as principais ações vão no sentido do fechamento do comércio não essencial e de toques de recolher à noite ―medidas consideradas insuficientes por especialistas diante do crescimento exponencial de infecções no país.

Nesta quarta, o governador de São Paulo, João Doria criou uma nova fase emergencial para aumentar as restrições, já que havia tornado mais brandas a fase mais crítica do seu plano de reabertura, a vermelha. Determinou toque de recolher entre 20h e 5h e restringiu igrejas, praias, parques e eventos esportivos depois de semanas tentando protelar as medidas impopulares. O Estado que concentra a melhor estrutura hospitalar do país já viu 53 municípios colapsarem. A ocupação geral dos leitos de UTI chegou a 87,6%, e as autoridades sanitárias têm afirmado categoricamente que não conseguem abrir leitos na mesma velocidade do contágio e que o risco de colapso geral é real.

Enquanto anunciava as medidas, Doria aproveitou para criticar o vizinho Rio de Janeiro por suas medidas mais brandas. “Lamento que ao invés de ter medidas que restrinjam, e com isso protejam a sua população, façam exatamente o caminho oposto”, disse. A cidade do Rio de Janeiro até prorrogou o decreto, mas ampliou, por exemplo, horários de funcionamento de bares e restaurantes. O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, que não assinou a carta dos governadores pelo pacto nacional, revidou: “Reconheço sua liderança, mas acho que está fora do tom. Espero que sua atitude não seja reflexo do novo cenário eleitoral, e sim por conta do aumento de casos da covid-19″.

As discordâncias sobre a condução da crise permeiam vários entes da federação. O ministro Eduardo Pazuello, que vinha modulando o discurso e pedindo união na “guerra” contra o vírus, gravou um vídeo no qual diz que a situação brasileira é grave, mas o país “não entrou nem vai entrar em colapso”. A declaração caiu mal entre os governadores, que vêm assumindo limitações para abrir leitos enquanto as filas por eles crescem e reclamando que a União deixou de cumprir com sua parte no custeio dessas estruturas. Eles pedem apoio com medidas restritivas, com a ampliação de leitos e a interferência federal para a compra de medicamentos do chamado kit intubação. Trata-se de sedativos e remédios usados nas UTIs, cujos preços estariam subindo vertiginosamente em meio à disputa entre governadores e prefeitos para comprá-los.

O coordenador de vacinas do Fórum Nacional de Governadores, Welington Dias (Piauí), rebateu diretamente o ministro. “Neste instante estamos dentro de um colapso nacional na rede hospitalar”, apontou, acrescentando que há milhares de brasileiros esperando vagas em leitos clínicos e de terapia intensiva neste momento. “Tem gente morrendo sem respirador.” O secretário-executivo do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Jurandir Frutuoso, desabafou no Twitter: “Chegamos ao limite das nossas forças e da capacidade de resposta do sistema de saúde. E não me venham dizer que não nos preparamos. Realmente não nos preparamos para ver tanta negação de uma doença nova e grave”.

Governadores ainda cobram que a União volte a custear leitos de UTI neste momento crítico, o que não aconteceu nem mesmo após sucessivas decisões judiciais no Supremo Tribunal Federal. A pressão por ações de combate à pandemia ganhou corpo até no Judiciário. A ministra Rosa Weber, autora de parte das decisões sobre os leitos, afirmou que é “incompreensível a recusa da União” em assumir o “protagonismo” na pandemia. O ministro Ricardo Lewandowski, por sua vez, afirmou que a compra de vacinas não é nenhum favor do Governo. O presidente do STF, Luiz Fux, aproveitou o marco de um ano deste que a OMS declarou oficialmente a pandemia do coronavírus, para comentar a situação do país. “O Brasil vive seu quadro mais crítico desde março de 2020″, disse. Defendeu que o país precisa mais do que nunca de diálogo entre todos os setores, os três poderes da República e os três entes da federação. “Não temos tempo a perder”, apontou.

Fux aproveitou para destacar que a Corte Suprema brasileira reforçou no começo da crise a competência da União, dos Estados e dos municípios pela concretização de políticas públicas de combate à pandemia. Várias vezes, Bolsonaro afirmou que o STF havia decidido que somente governadores e prefeitos poderiam agir e que a ele cabia transferir recursos, o que não é verdade. A narrativa bolsonarista foi reverberada mais uma vez nesta quinta pelo chanceler Ernesto Araújo no Twitter. O ministro Gilmar Mendes o acusou de espalhar fake news. “Este é o fato real: a Suprema Corte decidiu que os Governos federal, estadual e municipal têm competência para adotar medidas de distanciamento social. Todos os níveis de Governo são responsáveis pelo desastre que enfrentamos.”

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: