Ao Vivo

Notícias sobre a pandemia de covid-19, ao vivo | São Paulo registra três casos provocados por variante encontrada no Amazonas

Governo mantém restrição contra voos do Reino Unido e justifica nova proibição pelo temor com as novas variantes do coronavírus. Bolsonaro muda discurso e diz que Brasil terá “vacinas para todos”. Mundo supera 100 milhões de casos de covid-19. União Química e Anvisa voltam a discutir pedido de uso da vacina Sputnik V no Brasil. Acompanhe a cobertura ao vivo

Passageiros com máscaras aguardam na área de embarque do aeroporto internacional de Los Angeles, nos EUA, nesta terça-feira. Estados Unidos voltaram a proibir a entrada de passageiros do Brasil e outros países onde foram detectadas variantes do coronavírus.
Passageiros com máscaras aguardam na área de embarque do aeroporto internacional de Los Angeles, nos EUA, nesta terça-feira. Estados Unidos voltaram a proibir a entrada de passageiros do Brasil e outros países onde foram detectadas variantes do coronavírus.PATRICK T. FALLON / AFP
São Paulo / Brasília - 26 jan 2021 - 22:19 UTC

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

O mundo superou nesta terça-feira os 100 milhões de casos de covid-19, de acordo com a universidad Johns Hopkins, e o Reino Unido tornou-se o primeiro país europeu a ultrapassar 100.000 infecções. O Brasil proibiu temporariamente a entrada de passageiros vindos da África do Sul para barrar a entrada e propagação das variantes do novo coronavírus detectadas em solo africano e britânico ―a portaria publicada nesta terça-feira reforça que continuam proibidos voos provenientes do Reino Unido— enquanto São Paulo registrou três casos provoados por nova variante encontrada no Amazonas. Após semanas afirmando que não tomará a vacina contra a covid-19, o presidente Jair Bolsonaro mudou o tom e disse, em um evento do setor financeiro nesta terça, que o Brasil terá vacinas para todos “para que a economia não deixe de funcionar”. Bolsonaro disse também que o Governo manterá o teto de gastos e reiterou que não tonará permanentes medidas temporárias adotadas na pandemia, em alusão ao auxílio emergencial, que terminou em dezembro. Até esta terça-feira, o Ministério da Saúde confirmava 218.878 mortes causadas pela covid-19 no Brasil.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Acompanhe ao vivo as últimas notícias mais importantes do dia:


Mais informações