Seleccione Edição

Como o coronavírus ataca o corpo nos casos mais letais

Um vídeo em 3D mostra a infecção provocada pela covid-19 nos pulmões. Vírus também afeta outros órgãos, como coração, fígado e rins

Um homem de 59 anos com hipertensão infectado com o vírus Sars-CoV-2. O vírus se expandiu por seus pulmões, que já não podem oxigenar o sangue de forma adequada. Os danos são tão graves que o paciente precisa do máximo de suporte respiratório para enfrentar a doença. Este é o quadro clínico de um caso real retratado pelo hospital universitário George Washington, localizado na capital dos Estados Unidos, por meio de uma tecnologia de realidade virtual de 360º que permite escanear os danos que o novo coronavírus e a resposta do sistema imunológico podem provocar nos pulmões.

O paciente, o primeiro com quem o hospital utilizou a tecnologia 3D para tratar a Covid-19, é um homem que, “fora a hipertensão não tinha outros problemas médicos”, explica o doutor Keith Mortman, chefe do setor de Cirurgia Torácica do George Washington em um podcast publicado pelo hospital. No entanto, uma rápida piora, que provocou um “dano grave e progressivo” em seu tecido pulmonar. “O dano que estamos vendo não está isolado em nenhuma parte do pulmão, é um dano amplo e grave nos dois pulmões. Este é o percurso feito pelo vírus, do momento em que infecta as mucosas respiratórias até chegar aos pulmões:

1. O coronavírus é um vírus respiratório que entra no organismo através das mucosas da boca, do nariz ou dos olhos.

2. Infecta, em primeiro lugar, as fossas nasais e a garganta. A maioria dos infectados sofre sintomas leves de tosse seca, febre e cansaço.

3. No entanto, aproximadamente um em cada seis desenvolve uma doença grave e tem problemas para respirar. Isso ocorre quando o vírus ultrapassa o canal brônquico e chega aos pulmões, causando uma pneumonia.

1. O coronavírus é um vírus respiratório que entra no organismo através das mucosas da boca, do nariz ou dos olhos.

2. Infecta, em primeiro lugar, as fossas nasais e a garganta. A maioria dos infectados sofre sintomas leves de tosse seca, febre e cansaço.

3. No entanto, aproximadamente um em cada seis desenvolve uma doença grave e tem problemas para respirar. Isso ocorre quando o vírus ultrapassa o canal brônquico e chega aos pulmões, causando uma pneumonia.

1. O coronavírus é um vírus respiratório que entra no organismo através das mucosas da boca, do nariz ou dos olhos.

2. Infecta, em primeiro lugar, as fossas nasais e a garganta. A maioria dos infectados sofre sintomas leves de tosse seca, febre e cansaço.

3. No entanto, aproximadamente um em cada seis desenvolve uma doença grave e tem problemas para respirar. Isso ocorre quando o vírus ultrapassa o canal brônquico e chega aos pulmões, causando uma pneumonia.

1. O coronavírus é um vírus respiratório que entra no organismo através das mucosas da boca, do nariz ou dos olhos.

2. Infecta, em primeiro lugar, as fossas nasais e a garganta. A maioria dos infectados sofre sintomas leves de tosse seca, febre e cansaço.

3. No entanto, aproximadamente um em cada seis desenvolve uma doença grave e tem problemas para respirar. Isso ocorre quando o vírus ultrapassa o canal brônquico e chega aos pulmões, causando uma pneumonia.

O paciente do George Washington não teve sintomas durante os primeiros dias de infecção, mas, assim que começou a senti-los, a doença provocou, de forma fulminante, uma pneumonia. Os bronquíolos e alvéolos do paciente responderam com uma inflamação maciça.

Inflamação maciça dos alvéolos e bronquíolos como resposta à infecção

Brônquio

Bronquíolos

Imagen 3D obtenida

por el escáner

Alvéolos

Inflamação maciça dos alvéolos e bronquíolos como resposta à infecção

Brônquio

Bronquíolos

Alvéolos

Imagem 3D obtida

pelo escaneamento

Inflamação maciça dos alvéolos e bronquíolos como resposta à infecção

Imagem 3D obtida

pelo escaneamento

Brônquio

Bronquíolos

Alvéolos

Inflamação maciça dos alvéolos e bronquíolos como resposta à infecção

Imagem 3D obtida

pelo escaneamento

Brônquio

Bronquíolos

Alvéolos

Essa inflamação dificulta a função dos alvéolos, a de fornecer oxigênio para o sangue e eliminar o dióxido de carbono, o que pode fazer com que entrem em colapso e, com isso, reduzir o envio de oxigênio para o sangue.

Inflamação

Brônquio

Bronquíolo

Alvéolo

Em uma situação normal, os alvéolos fornecem oxigênio para o sangue e expulsam o dióxido de carbono (CO2).

Sangue

saturado

de C02

Sangue

oxigenado

Em uma pneumonia, os alvéolos se inflamam e se enchem de líquido e células mortas.

Sangue

saturado

de C02

Sangue mal

oxigenado

A inflamação bloqueia a oxigenação do sangue.

Brônquio

Inflamação

Bronquíolo

Alvéolo

Em uma situação normal, os alvéolos fornecem oxigênio para o sangue e expulsam o dióxido de carbono (CO2).

Sangue

saturado

de C02

Sangue

oxigenado

En una neumonía, los alvéolos se inflaman y se llenan de líquido y células muertas.

Sangue

saturado

de C02

Sangue mal

oxigenado

A inflamação bloqueia a oxigenação do sangue.

Brônquio

Inflamação

Bronquíolo

Alvéolo

Em uma situação normal, os alvéolos fornecem oxigênio para o sangue e expulsam o dióxido de carbono (CO2).

Em uma pneumonia, os alvéolos se inflamam e se enchem de líquido e células mortas.

Sangue

saturado

de C02

Sangue

saturado

de C02

Sangue

oxigenado

Sangue mal

oxigenado

A inflamação bloqueia a oxigenação do sangue.

Brônquio

Inflamação

Bronquíolo

Alvéolo

Em uma situação normal, os alvéolos fornecem oxigênio para o sangue e expulsam o dióxido de carbono (CO2).

Em uma pneumonia, os alvéolos se inflamam e se enchem de líquido e células mortas.

Sangue

saturado

de C02

Sangue

saturado

de C02

Sangue

oxigenado

Sangue mal

oxigenado

A inflamação bloqueia a oxigenação do sangue.

Se a inflamação é exacerbada, os pulmões podem se encher de líquido e células mortas. Nos piores casos, os pulmões se enchem de tanto líquido que o suporte respiratório não é suficiente e o paciente morre. Segundo os especialistas, o desenvolvimento dos sintomas mais graves depende da força do sistema imunológico ou da existência prévia de outras doenças, como hipertensão arterial, problemas cardíacos ou diabetes.

No entanto, as doenças pulmonares não são as únicas que o novo coronavírus pode provocar. Um estudo publicado em março na revista The Lancet afirma que o vírus “não só é capaz de provocar pneumonia, como também poderia causar danos em outros órgãos, como o coração, o fígado e os rins, e em sistemas do corpo, como o circulatório e o imunológico”:

Coração: o coronavírus pode afetar o coração de duas maneiras. Por um lado, quando os tecidos pulmonares inflamam, são liberadas citocinas, que chegam ao coração através da corrente sanguínea. Uma vez no coração, podem afetar o miocárdio, causando miocardite, ou afetar as artérias coronárias, desestabilizando as placas de ateroma e provocando um infarto. Por outro lado, a inflamação do pulmão faz com que piore sua função de oxigenação. Para compensar isso, o coração bombeia mais rápido. Ocorre então um estresse que o danifica.

Rim: tem os mesmos receptores que os pulmões para o coronavírus. Portanto, o SARS-CoV-2 causa uma infecção com dois efeitos: danos no órgão e inflamação em seu sistema de filtragem. Nos dois casos, o resultado é uma insuficiência renal.

Fígado: os especialistas acreditam que as pessoas com Covid-19 podem sofrer uma lesão hepática como consequência do vírus, da falta de oxigênio ou dos medicamentos utilizados para o tratamento.

Reto: há evidências de que o vírus pode chegar ao reto, razão pela qual alguns pacientes com Covid-19 sofreram diarreia.

Coração: o coronavírus pode afetar o coração de duas maneiras. Por um lado, quando os tecidos pulmonares inflamam, são liberadas citocinas, que chegam ao coração através da corrente sanguínea. Uma vez no coração, podem afetar o miocárdio, causando miocardite, ou afetar as artérias coronárias, desestabilizando as placas de ateroma e provocando um infarto. Por outro lado, a inflamação do pulmão faz com que piore sua função de oxigenação. Para compensar isso, o coração bombeia mais rápido. Ocorre então um estresse que o danifica.

Rim: tem os mesmos receptores que os pulmões para o coronavírus. Portanto, o SARS-CoV-2 causa uma infecção com dois efeitos: danos no órgão e inflamação em seu sistema de filtragem. Nos dois casos, o resultado é uma insuficiência renal.

Fígado: os especialistas acreditam que as pessoas com Covid-19 podem sofrer uma lesão hepática como consequência do vírus, da falta de oxigênio ou dos medicamentos utilizados para o tratamento.

Reto: há evidências de que o vírus pode chegar ao reto, razão pela qual alguns pacientes com Covid-19 sofreram diarreia.

Coração: o coronavírus pode afetar o coração de duas maneiras. Por um lado, quando os tecidos pulmonares inflamam, são liberadas citocinas, que chegam ao coração através da corrente sanguínea. Uma vez no coração, podem afetar o miocárdio, causando miocardite, ou afetar as artérias coronárias, desestabilizando as placas de ateroma e provocando um infarto. Por outro lado, a inflamação do pulmão faz com que piore sua função de oxigenação. Para compensar isso, o coração bombeia mais rápido. Ocorre então um estresse que o danifica.

Rim: tem os mesmos receptores que os pulmões para o coronavírus. Portanto, o SARS-CoV-2 causa uma infecção com dois efeitos: danos no órgão e inflamação em seu sistema de filtragem. Nos dois casos, o resultado é uma insuficiência renal.

Fígado: os especialistas acreditam que as pessoas com Covid-19 podem sofrer uma lesão hepática como consequência do vírus, da falta de oxigênio ou dos medicamentos utilizados para o tratamento.

Reto: há evidências de que o vírus pode chegar ao reto, razão pela qual alguns pacientes com Covid-19 sofreram diarreia.

Coração: o coronavírus pode afetar o coração de duas maneiras. Por um lado, quando os tecidos pulmonares inflamam, são liberadas citocinas, que chegam ao coração através da corrente sanguínea. Uma vez no coração, podem afetar o miocárdio, causando miocardite, ou afetar as artérias coronárias, desestabilizando as placas de ateroma e provocando um infarto. Por outro lado, a inflamação do pulmão faz com que piore sua função de oxigenação. Para compensar isso, o coração bombeia mais rápido. Ocorre então um estresse que o danifica.

Rim: tem os mesmos receptores que os pulmões para o coronavírus. Portanto, o SARS-CoV-2 causa uma infecção com dois efeitos: danos no órgão e inflamação em seu sistema de filtragem. Nos dois casos, o resultado é uma insuficiência renal.

Fígado: os especialistas acreditam que as pessoas com Covid-19 podem sofrer uma lesão hepática como consequência do vírus, da falta de oxigênio ou dos medicamentos utilizados para o tratamento.

Reto: há evidências de que o vírus pode chegar ao reto, razão pela qual alguns pacientes com Covid-19 sofreram diarreia.

Mas as pesquisas sobre o novo coronavírus, que já infectou mais de três milhões pessoas no mundo todo, ainda não permitiram que sejam esclarecidos com exatidão os danos que ele pode causar, reconhece o médico Keith Mortman. E, embora se saiba que as pessoas mais afetadas são as mais velhas ou as que têm doenças prévias, o especialista insiste no perigo que a doença representa para toda a população. “Temos cada vez mais jovens hospitalizados”, ressalta.

MAIS INFORMAÇÕES