Ações judiciais tentam revelar identidade de administrador do Sleeping Giants

Movimento que expõe anunciantes em sites de notícias falsas e mantém anonimato por questões de segurança é acusado, sem provas, de praticar atividade ilícita

Sleeping Giants começou a operar no Brasil em maio deste ano.
Sleeping Giants começou a operar no Brasil em maio deste ano.Sleeping Giants identidade quem é

Desde que iniciou sua atuação no Brasil, há pouco mais de três meses, o Sleeping Giants tem causado desconforto entre aliados governistas, bolsonaristas e, sobretudo, portais da extrema direita. Nesta semana, de acordo com a Folha de S. Paulo, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul acatou um pedido do Jornal da Cidade Online (JCO), primeiro site desmonetizado pelo movimento e investigado na CPMI das Fake News por publicação de notícias falsas, para que o Twitter revele a identidade dos administradores do perfil e o exclua da rede social.

Embora a juíza Ana Paula Caimi não aponte nenhum crime ou violação do direito à liberdade de expressão por parte do Sleeping Giants que justifique a suspensão da conta, ela determina que o Twitter repasse os dados cadastrais e o endereço de IP do perfil. Como explicou ao EL PAÍS em maio, quando decidiu replicar a iniciativa de desmonetização de sites extremistas surgida nos Estados Unidos, o criador da versão brasileira, que se apresenta como um estudante que desenvolve pesquisas a respeito de fake news, prefere não se identificar por motivos de segurança. O fundador da matriz norte-americana, o publicitário Matt Rivitz, recebeu ameaças de morte depois de um site conservador revelar sua identidade.

Mais informações

O Twitter recorreu da decisão argumentando que a decisão da juíza é “nitidamente contraditória”, por entender que a quebra de sigilo só deve ocorrer a partir do reconhecimento de atividade ilícita. Para Danilo Doneda, advogado especialista em privacidade e membro do Conselho Nacional de Proteção de Dados, a atuação do Sleeping Giants no Brasil é legítima e não incorre em abuso da liberdade de expressão. “Obrigar o Twitter a fornecer dados de quem não cometeu ilícito é algo a se repensar, pois pode ter consequências até piores que uma condenação, além de inviabilizar que outros possam se expressar —e criticar— livremente em público”, diz Doneda. “A decisão que obriga o fornecimento dos dados reconhece a legitimidade da expressão. Mas não leva em conta que essa mera revelação pode dar ignição a graves mecanismos de perseguição.”

Não é a primeira ação que visa expor a identidade do administrador da conta. Ainda em maio, como revelado na semana passada pelo The Intercept Brasil, a Polícia Federal de Londrina tentou investigar o Sleeping Giants por meio de um inquérito que terminou arquivado a pedido do Ministério Público Federal. A Justiça concluiu que não havia indícios de conduta criminosa. “A informação de que há sites propagadores de fake news causou extremo desgaste e inconformismo à toda população, inclusive a que vive em Londrina”, diz trecho do inquérito agora arquivado. Na cidade do interior paranaense funciona a redação do site Brasil Sem Medo, fundado pelo filósofo bolsonarista Olavo de Carvalho, que, recentemente, entrou na mira do Sleeping Giants e perdeu anúncios de mídia programática de mais de 270 empresas.

José Tolentino Filho, editor e fundador do Jornal da Cidade Online, vive no Rio Grande do Sul, onde ingressou com ação contra o Sleeping Giants. Na época em que o perfil fez campanha para alertar anunciantes que apareciam em seu site, ele qualificou o movimento como “calúnia e difamação sem procedência, de origem anônima”. Em 2018, o JCO disseminou notícias falsas e informações distorcidas a favor da campanha de Jair Bolsonaro. Agências de checagem atribuem outras fake news à página, que, durante a pandemia de coronavírus, tem se dedicado a atacar governadores que apoiam medidas de isolamento social. Tolentino também já foi condenado pela Justiça ao pagamento de danos morais por ataques a juízes, desembargadores e advogados publicados em seu portal.

O secretário de Comunicação do Planalto, Fabio Wajngarten, assegurou publicamente que iria contornar a situação a favor dos “veículos independentes” após o Banco do Brasil restringir anúncios no Jornal da Cidade Online em resposta ao Sleeping Giants. A possível interferência no órgão gerou ações no MPF e no Tribunal de Contas da União (TCU), que, no fim de maio, determinou a suspensão de campanhas digitais do banco em sites, blogs e redes sociais reconhecidos por espalhar notícias falsas. Relatório da CPMI das Fake News aponta que páginas apoiadoras do Governo já veicularam aproximadamente 2 milhões de anúncios pagos com verbas da Secom. A pasta explica que apenas contratou o serviço de mídia programática do Google, negando ter feito direcionamento específico a sites bolsonaristas.

Por outro lado, o cerco judicial ao Sleeping Giants desperta reações na oposição. A bancada do PSOL na Câmara enviou requerimento ao Ministério da Justiça cobrando explicações sobre o inquérito da PF que visava descobrir quem é o administrador. “Revelar a identidade do Sleeping Giants Brasil é um absurdo”, afirma a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ). “Não praticam crimes, pelo contrário, revelam às grandes empresas as armadilhas publicitárias da extrema direita. [Por que] tirá-los do anonimato sem base?”.

Nesta segunda-feira, o Ministério Público de Contas e o TCU solicitou que, assim como o Banco do Brasil, BNDES e Banco do Nordeste do Brasil (BNB) apurem a exibição de anúncios em sites de notícias falsas. “De Sara Giromini [extremista suspeita de convocar atos antidemocráticos] a outros e diversos parlamentares, todos mamando leite de pata do erário sob patrocínio de Bolsonaro, o ‘Presidente fake news’”, comentou Roberto Freire, presidente nacional do Cidadania.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: