Israel acerta acordo histórico com os Emirados Árabes e suspende a anexação da Cisjordânia

O pacto foi anunciado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que atuou como mediador entre as partes

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o premiê de Israel Benjamin Netanyahu, em um encontro sobre a política norte-americana para o Oriente Médio na Casa Branca, em janeiro de 2020,
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o premiê de Israel Benjamin Netanyahu, em um encontro sobre a política norte-americana para o Oriente Médio na Casa Branca, em janeiro de 2020,Brendan McDermid (Reuters)
Juan Carlos Sanz
Jerusalém -
Mais informações
Hezbollah promete uma “nova era” na região após o assassinato de Soleimani
Palestinians inspect the family house of Palestinian assailant Qassam Barghouti after it was partially demolished by Israeli forces in the village of Kobar, near Ramallah, in the Israeli-occupied West Bank on May 11, 2020. - Israeli forces demolished the home of a Palestinian accused of involvement in a bomb attack last year that killed an Israeli teenager in the occupied West Bank. The explosion on August 23, 2019, near a spring close to the Jewish settlement of Dolev, killed 17-year-old Rina Shnerb and wounded her father and brother. (Photo by ABBAS MOMANI / AFP)
Desafio da anexação parcial da Cisjordânia marca novo Governo de coalizão em Israel
U.S. President Donald Trump and Israel's Prime Minister Benjamin Netanyahu deliver joint remarks on a Middle East peace plan proposal in the East Room of the White House in Washington, U.S., January 28, 2020. REUTERS/Joshua Roberts
Trump apresenta plano de paz que respalda os interesses-chave de Israel

Em um golpe com consequências imprevisíveis para o futuro do Oriente Médio, Israel chegou nesta quinta-feira a um acordo com os Emirados Árabes Unidos para estabelecer relações diplomáticas, com a mediação de Donald Trump. O presidente dos Estados Unidos foi o primeiro a anunciá-lo por meio do Twitter, chamando o entendimento de “grande virada” e “acordo de paz histórico entre dois grandes amigos [dos Estados Unidos]”.

Em troca de conseguir uma normalização de relações com um terceiro Estado do mundo árabe, depois do Egito (1979) e da Jordânia (1994), Israel abre mão da anexação parcial da Cisjordânia prevista no plano de paz da Casa Branca apresentado em janeiro passado. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se dispõe a tornar público nas próximas horas o conteúdo de uma declaração conjunta com os EAU, na qual ambos os países se comprometem a “uma completa normalização de relações” para “avançar rumo à paz na região.”

O novo entendimento também prevê que os fiéis muçulmanos poderão visitar a mesquita de Al-Aqsa, terceiro lugar mais sagrado do islã e situado na Cidade Velha de Jerusalém, em voos diretos de Abu Dhabi para Israel. O pacto, denominado Abraham, é fruto de longas conversas entre Israel, EAU e EUA. Foi concluído nesta quinta numa conversa telefônica entre Trump, Netanyahu e o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed Bin Zayed, responsável pela nova política exterior dos EAU e vice-comandante supremo das Forças Armadas. A ideia central é buscar um novo caminho para o Oriente Médio, com o objetivo de “desbloquear o grande potencial da região”.

Israel e as monarquias do Oriente Médio mantêm laços há décadas, apesar de não terem embaixadas nos respectivos territórios. A crescente presença militar do Irã nos conflitos da Síria e do Iêmen aproximaram ainda mais suas posições ante o surgimento de um inimigo comum. O acordo é uma má notícia para o regime de Teerã, que rejeita o contato com Israel e defende a eliminação do “Estado sionista”.

A mediação de Jared Kushner, genro de Trump e alto conselheiro do presidente, parece ter sido fundamental para a conclusão do pacto entre israelenses e os Emirados. Como arquiteto da chamada “Visão pela Paz” da Administração republicana, sua estratégia de aproximação entre o Estado judeu e os países árabes sunitas moderados começa a dar os primeiros frutos. A estabilidade entre os principais aliados regionais dos EUA é o eixo central do chamado “Acordo do Século”, o plano de paz da Casa Branca para o Oriente Médio.

A assinatura do acordo para estabelecimento de relações entre Israel e os EAU está prevista para as próximas semanas, presumivelmente nos EUA. Em nenhum caso se espera que o país árabe estabeleça sua embaixada em Jerusalém. Todas as legações, exceto as de Washington e Guatemala, estão em Tel Aviv. O novo entendimento contempla também pactos bilaterais em matéria de investimentos econômicos, turismo e aviação, segurança e telecomunicações.

O comunicado conjunto assinado por Israel, EAU e EUA afirma que o Governo israelense suspende a extensão de sua soberania sobre algumas partes do território palestino da Cisjordânia, ocupado militarmente desde 1967. “No futuro imediato, Israel concentrará seus esforços em construir relações sólidas [com os EAU] a fim de romper o gelo na hora de estabelecer novas relações diplomáticas e acordos de paz com outros países da região”, afirma a declaração conjunta.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS