Bolsonaro veta obrigação do Governo de garantir acesso à água potável e leitos a indígenas na pandemia

Presidente disse que não havia orçamento determinado para gastos de lei proposta pelo Congresso, mas especialista contesta dizendo que emergência sanitária permite cobertura

Indígenas yekuana e yanomami comparecem ao batalhão das Forças Armadas en Auaris (AM) para receber atenção médica durante a pandemia do novo coronavírus, em 7 de junho.
Indígenas yekuana e yanomami comparecem ao batalhão das Forças Armadas en Auaris (AM) para receber atenção médica durante a pandemia do novo coronavírus, em 7 de junho.Joédson Alves (EFE)

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, nesta quarta-feira, o Projeto de Lei 1142/2020, que reconhece os povos indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais como “grupos de extrema vulnerabilidade” durante a pandemia de covid-19 e determina ações emergenciais para protegê-los do novo coronavírus. Bolsonaro vetou, no entanto, trechos do texto que preveem que o Governo seja obrigado a fornecer “acesso a água potável”, distribuição de cestas básicas e “distribuição gratuita de materiais de higiene, limpeza e de desinfecção para as aldeias”, além de garantir “a oferta emergencial de leitos hospitalares e de terapia intensiva”, e a obrigação de comprar “ventiladores e máquinas de oxigenação sanguínea” para essas comunidades.

Mais informações

Publicado durante a madrugada no Diário Oficial da União, o PL, de autoria de 24 deputados do PT, PCdoB, DEM, PSOL e PSB, cria o Plano Emergencial para Enfrentamento à covid-19 nos Territórios Indígenas. Entre outros vetos feitos pelo presidente, no entanto, estão os trechos que obrigam o Governo a liberar verba emergencial para a saúde indígena, a facilitar aos indígenas e quilombolas o acesso ao auxílio emergencial, e a instalar internet nas aldeias. De acordo com o Executivo, essas e outras medidas foram vetadas porque criam “despesa obrigatória” sem demonstrar o “respectivo impacto orçamentário e financeiro, o que seria inconstitucional”. O Congresso, que tem a última palavra sobre os vetos, ainda pode derrubá-los.

No final de março, o Supremo Tribunal Federal, por meio de decisão do Ministro Alexandre de Moraes, atendeu uma solicitação da Advocacia Geral da União (AGU) e autorizou o Governo a descumprir leis orçamentárias para gastar o necessário em medidas de combate à pandemia. Juliana Damasceno, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), considera que, uma vez reconhecido o estado de calamidade pública frente à crise sanitária, o Governo poderia, sim, incluir em seus gastos as medidas vetadas. “Uma possibilidade é abrir créditos extraordinários, algo que vem sendo feito em outros casos. Ao meu ver, a base legal para aprovar o auxílio emergencial, por exemplo, é a mesma para implementar medidas como essas”, explica.

Ao todo, 445 indígenas já faleceram por covid-19 no país e 12.048 foram infectados, de acordo com a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), que indica que 124 povos já foram afetados pela pandemia. A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde —que não inclui dados dos indígenas que vivem em áreas urbanas— contabiliza apenas 184 óbitos e 8.098 casos confirmados. De acordo com a Apib, a mortalidade pelo coronavírus entre esses povos é de 9,6%, enquanto na população brasileira em geral é de 5,6%. Um estudo da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel), em parceria com o Ministério da Saúde, revelou que a prevalência da covid-19 entre a população indígena urbana (5,4%) equivale a cinco vezes a encontrada na população branca (1,1%).

Márcio Santilli, sócio-fundador do Instituto Socioambiental (ISA), considera os vetos de Bolsonaro uma “aberração em vários níveis”. “Primeiro, o Executivo se omitiu na atenção a essas populações na pandemia, e o Congresso que teve que se mobilizar para propor um plano emergencial. Agora, o presidente responde com 16 vetos, é muito chocante”, comenta ao EL PAÍS. Santilli lembra que os povos tradicionais, em sua grande maioria, vivem em áreas remotas do país e têm maior dificuldade de acesso aos serviços de saúde.

“Bolsonaro está rasgando o texto Constitucional, que garante direitos básicos, como o acesso à água e saúde e concretiza a institucionalização de sua política genocida. O presidente apenas deixou público e notório que declarou os povos indígenas como seus inimigos”, afirma Dinaman Tuxá, coordenador da Apib. Ele diz que as lideranças continuarão o diálogo com os parlamentares para que o Congresso Nacional derrube os vetos do presidente.

Medidas aprovadas

O texto aprovado pelo Executivo garante equipes multiprofissionais de saúde indígena, qualificadas e treinadas para o combate ao novo coronavírus, que devem disponibilizar locais adequados para a quarentena dos infectados e equipamentos de proteção individual (EPIs) às comunidades; disponibilização de testes de covid-19, medicamentos e equipamentos médicos adequados para o combate à pandemia e garantia de financiamento e construção de casas de campanha para o isolamento de indígenas nas comunidades. O pacote de medidas também garante que o atendimento aos indígenas que não vivem em comunidades ou aldeias deve ser realizado através do SUS, com adaptações na estrutura para respeitar “as especificidades culturais e sociais dos povos”.

O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso determinou nesta quarta-feira que o Governo deve adotar cinco medidas para proteger os povos originários e mitigar a letalidade do novo coronavírus entre eles. Barroso institui que o Executivo de Bolsonaro deve criar uma Sala de Situação, uma espécie de gabinete de crise, com participação de comunidades indígenas, da Procuradoria Geral da República (PGR) e da Defensoria Pública da União (DPU), para a gestão das ações de combate à pandemia entre povos indígenas em isolamento ou de contato recente. Os membros deverão ser escolhidos no prazo de 72 horas a partir da ciência da decisão, e a primeira reunião virtual deve ocorrer em até 72 horas depois da indicação dos representantes.

Barroso também determina que o Governo, a partir desse gabinete, elabore em 10 dias, contados a partir da notificação sobre a decisão, um plano de barreiras sanitárias em territórios indígenas. O Governo também terá 30 dias para elaborar um Plano de Enfrentamento da covid-19 para esses povos e estabelecer medidas de contenção e isolamento de invasores em relação a terras indígenas, além de garantir o acesso ao Subsistema Indígena de Saúde, independente da homologação das terras ou reservas indígenas. “Na atual situação, em que há uma pandemia em curso, os povos em isolamento e de contato recente são os mais expostos ao risco de contágio e de extinção”, escreveu Barroso, que solicitou que a questão seja incluída na pauta de julgamentos de agosto do STF, quando o tribunal retornar do recesso.

A AGU informou não haver omissão do Governo federal na adoção de medidas de enfrentamento à pandemia em comunidades indígenas. O órgão também afirmou que medidas de saúde e segurança estão sendo regularmente desempenhadas pelo poder público.




Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: