Bolsonaro nomeia para o MEC o professor Carlos Alberto Decotelli, que promete uma gestão técnica

Ex-presidente do FNDE e professor, novo ministro substitui o polêmico Abraham Weintraub e diz não ter competência para a discussão ideológica

Novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli.
Novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli.Reprodução Facebook

Uma gestão técnica e mais distante das discussões ideológicas é a promessa do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, nomeado nesta quinta-feira (25) ao comando da pasta pelo presidente Jair Bolsonaro. Ele assume o posto após a gestão caótica de Abraham Weintraub, que integrava a ala ideológica do Governo. Decotelli tem 67 anos, é financista e professor. Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha, integrou a equipe de transição de Bolsonaro. Chegou a presidir o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) durante pouco mais de seis meses no ano passado, mas foi substituído e retomou sua atuação acadêmica. Decotelli presidia o FNDE, quando o órgão publicou um edital de R$ 3 bilhões que foi suspenso pela Controladoria-Geral da União (CGU) por suspeitas de fraudes. Ele é próximo do ministro da Economia Paulo Guedes e, junto ao ex-ministro Sergio Moro, participou da criação do curso de Pós-Graduação em Finanças na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Mais informações
Un niño indígena durante la manifestación de pueblos indígenas en Manaus (Brasil) contra las decisiones del Gobierno Federal brasileño como la revisión de las demarcaciones de los territorios indígenas y la retirada de la Fundación Nacional del Indio (FUNAI) del Ministerio de Justicia.
“Odeio o termo povos indígenas”: uma blasfêmia em dois atos
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, participa do primeiro culto de Santa Ceia de 2020 da Frente Parlamentar Evangélica do Congresso Nacional, em 19 de fevereiro de 2020.
O ministro que manipula a Bíblia para criar ódio político
BRA111. BRASÍLIA (BRASIL), 09/06/2020.- El ministro de Educación, Abraham Weintraub (i), participa en el izado de la bandera nacional este martes, en el Palacio do Alvorada, en Brasilia (Brasil). La Corte Suprema de Brasil determinó que el Gobierno debe volver a divulgar los datos diarios de la pandemia del nuevo coronavirus de manera consolidada, como lo venía haciendo hasta el último jueves, antes de adoptar una nueva y polémica metodología, y dio un plazo de 48 horas para explicar esa decisión. EFE/ Joédson Alves.
Weintraub deixa Ministério da Educação, mas antes revoga cotas para negros e indígenas na pós-graduação

Decotelli é visto como um perfil conservador, mas não integra a ala ideológica do Governo. E planeja adotar um tom diferente do seu antecessor, preconizando a conciliação com as demais instituições democráticas. O ex-ministro Weintraub protagonizou diversas crises à frente da pasta pelo seu perfil ideológico. Chegou a dizer que as universidades públicas faziam “badernas” e tinham plantações de maconha e a criticar cotas, travando uma verdadeira guerra com as universidades federais. Nas últimas semanas como ministro, teve sua imagem bastante desgastada após a divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, em que chamava os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de “vagabundos” e defendia suas prisões. A participação dele num ato contra o STF acabou influenciando seu desembarque no Governo, não sem antes publicar uma portaria que acabava com o incentivo a cotas na pós-graduação, um último ato que acabou revogado.

Agora, o MEC passa a ser comandado por Decotelli, o primeiro ministro negro do Governo Bolsonaro. E o terceiro nomeado pelo presidente para liderar a pasta. O professor tem o desafio de reconstruir as pontes implodidas pelo seu antecessor. “Não tenho nem preparação para fazer discussão ideológica, minha função é técnica”, disse o novo ministro em entrevista ao jornal O Globo. Ele tem boa relação com o Congresso Nacional e sinalizou que pretende estreitar o diálogo com as secretarias estaduais e municipais de Educação. Por outro lado, tem um perfil conservador que não chega a gerar fortes tensões com a ala ideológica do Governo. Oficial da Reserva da Marinha, onde atuou como professor, também agrada os militares.

Decotelli participou de toda a transição de governo do presidente Jair Bolsonaro. E acumula experiência na sala de aula, especialmente no ensino superior. Embora suas primeiras declarações apontem que pretende adotar um perfil mais técnico e afastado das discussões ideológicas, entidades de Educação não têm expectativa de uma guinada no modelo de gestão da pasta. Desde o início do Governo Bolsonaro, o MEC está imerso em uma guerra cultural. O primeiro ministro da pasta, Ricardo Vélez, deixou o cargo após uma guerra travada entre as alas militar e ideológica.

Weintraub o sucedeu com um discurso de que retiraria aqueles que quisessem permanecer em guerra e que não era radical, mas elevou o tom ideológico na pasta. Decotelli adota um discurso mais pacificador e promete diálogo. “É uma pessoa que desconhece a gestão pedagógica, não tem nenhum tipo de domínio. Essa é uma tradição brasileira gravíssima, que perpassa todos os governos, mas que é pior no bolsonarismo, que tem como norte a guerra cultural olavista”, afirma o coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara.

A presidente executiva do Todos pela Educação, Priscila Cruz, diz que é preciso esperar as ações do novo ministro para saber se ele vai, de fato, representar um afastamento da guerra ideológica. “Se ele quer uma gestão técnica, a primeira ação seria afastar os olavistas da pasta. Criar tolerância entre uma gestão técnica e a chamada revolução cultural que o Eduardo Bolsonaro diz que é papel MEC são incompatíveis. Temos que aguardar os primeiros passos”, afirma. Decotelli é visto como uma pessoa de perfil sério, com um estilo de gestão marcado pela austeridade de gastos. Tinha o plano de fazer uma espécie de lava-jato do FNDE.

Mas há um receio de que o novo ministro possa representar um retorno da agenda neoliberal de Paulo Guedes para dentro do Ministério, conforme diz Cara. “Weintraub foi menos privatista do que queria o Paulo Guedes”, analisa. O ex-ministro chegou a lançar o Future-se, um programa de financiamento para o Ensino Superior que pouco decolou. “Não tenho nenhuma expectativa positiva em relação ao novo ministro. Não tem como fazer gestão técnica se não conhece a questão pedagógica. Nem ele nem os outros ministros que saíram têm conhecimento científico pedagógico”, afirma Cara.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS