“Há risco de danos irreparáveis”, dizem servidores da Funai sobre nome que coordenará índios isolados

Funcionários divulgaram carta aberta contra indicação do ex-missionário Ricardo Dias, a segunda troca no comando da área em quatro meses

Mulher da etnia zoé.
Mulher da etnia zoé.SURVIVAL INTERNATIONAL

Servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) reagiram com “indignação” à indicação de um ex-missionário evangélico para a Coordenadoria de Índios Isolados e de Recente Contato do órgão federal indigenista. Em uma carta aberta publicada na manhã desta segunda-feira (03), eles reivindicam que a possível nomeação do antropólogo Ricardo Dias seja revogada e criticam que a fundação queira colocar à frente de uma de suas áreas mais sensíveis "alguém com atuação contrária aos direitos dos povos indígenas e de recente contato”. Ricardo Dias atuou na evangelização de indígenas por meio de uma organização chamada Missão Novas Tribos do Brasil (MNTB) durante ao menos dez anos. E tem dito à imprensa que, caso sua nomeação seja oficializada, atuará de forma técnica e não tentará evangelizar esses povos.

Mais informações

Se o ex-missionário realmente assumir o cargo, será a segunda mudança em quatro meses promovida pelo Governo Bolsonaro em uma área sensível da Funai. A Coordenação de Índios Isolados e de Recente Contato estava sob o comando da servidora Paula Wolthers de Lorena Pires desde outubro do ano passado. Antropóloga com mestrado em antropologia social pela Universidade de São Paulo, Paula está no cargo interinamente e atuava há pelo menos oito anos com diversos povos indígenas na Funai. Desde a redemocratização do país, a política com relação a indígenas que vivem sem contato na floresta mudou.

A Funai apenas os aborda quando a intenção de sair do isolamento parte deles, geralmente porque estão fugindo de alguma ameaça na floresta, como o ataque de madeireiros ou de garimpeiros. Na ditadura, o Governo fazia busca ativa destes povos para forçá-los a sair do isolamento, o que acabou por dizimar diversos povos por conta de doenças para as quais eles não tinham proteção. “A política pública brasileira para tais povos é reconhecida internacionalmente por sua qualidade e caráter estritamente técnico. Baseada na política do não-contato e no respeito ao direito desses povos à sua organização social, costumes e tradições, vedando, assim, proselitismo religioso e atuação missionária, crime agravado quando em comunidades de Povos Indígenas Isolados ou de Recente Contato”, defendem na carta.

Segundo os servidores, este cargo é historicamente ocupado por servidores de carreira justamente por conta da situação vulnerável na qual se encontram os indígenas isolados. Ricardo Dias não faz parte dos quadros da fundação e só poderá assumir o cargo porque, na última quinta-feira, o presidente fundação, Marcelo Xavier da Silva, alterou o regimento interno para permitir que pessoas que não sejam servidoras de carreira assumam cargos comissionados de comando. A decisão, embora ainda não tenha sido formalizada, gerou revolta em entidades da sociedade civil que atuam pelos direitos dos indígenas.

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a Associação dos Povos indígenas do Brasil (Apib) e a Survival Internacional publicaram notas na semana passada em repúdio à possível nomeação de Ricardo Dias. As entidades acusam o Governo Bolsonaro de ceder a interesses evangélicos e pôr em risco as etnias isoladas. A associação de servidores da Funai, Indigenistas Associados (INA), manifestou “a profunda incompatibilidade técnica e o risco de danos irreparáveis em virtude de possível nomeação”.

A Coordenadoria de Índios Isolados e de Recente Contato desenvolve ações de proteção desses povos. Visa garantir que eles possam exercer suas tradições sem a necessidade de contatá-los. Caso Ricardo Dias assuma o posto, terá sob seu guarda-chuva, por exemplo, os estudos de localização e monitoramento dos povos indígenas isolados. O Brasil têm hoje ao menos 107 povos indígenas isolados registrados pela Funai.

Nos dez anos em que integrou a Missão Novas Tribos do Brasil —entre1997 e 2007—, Ricardo Dias atuou na evangelização de indígenas do Vale do Javari, uma das maiores terras indígenas demarcadas do Brasil, no Amazonas. Após a veiculação de sua possível nomeação pela imprensa, a etnia também manifestou uma nota de repúdio. “As conquistas consolidadas por décadas na proteção aos índios isolados passam a estar ameaçadas, já que, na prática, quem vai executá-las são àqueles que já promoveram desgraças à vida e a sociedade de inúmeros povos indígenas na Amazônia”, diz trecho da publicação

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: