Star Wars

‘Star Wars IX’: o futuro da saga após seu terceiro final “definitivo”

Lançamento da Disney+ em março leva o universo galáctico ao mundo das séries

Imagem de 'The Mandalorian'. Em vídeo, trailer da série. DISNEY+

A chegada de A ascensão Skywalker, que estreia nesta quinta-feira, marca o fim de uma época. Star Wars coloca ponto final na saga da família com a qual tudo começou em 1977. O nono filme da história principal é “o final definitivo”. Outra vez. É verdade que em 2020 não haverá filme de Guerra nas Estrelas pela primeira vez desde 2015, mas isso não significa que a Disney não continuará se aproveitando da galinha dos ovos de ouro, mesmo se isso signifique se afastar dos Skywalker. É o momento do universo de George Lucas crescer mais além do clã que vem construindo há mais de 40 anos.

A presidente da Lucasfilm, Kathleen Kennedy, tem agora um duplo desafio: como construir esse novo capítulo? E como adaptá-lo ao novo mundo das plataformas? A empresa já começou a dar respostas, ainda que, pelo caminho, tenha passado por alguns altos e baixos: Josh Trank foi demitido da aventura de Boba Fett pensada como o filme de 2020; o filme dedicado a Han Solo foi um fracasso após a demissão dos diretores Phil Lord e Chris Miller, o que fez com que todos os spin-off planejados parassem, e, por fim, Dan Benioff e D.B. Weiss (criadores de Game of Thrones) saíssem da trilogia que preparavam para se dedicar ao seu acordo exclusivo com a Netflix.

Sequência de 'Star Wars: A Ascensão Skywalker''.

The Mandalorian e o futuro em séries na Disney+

A Disney+, que aterrissa no Brasil apenas no final do ano que vem, terá a primeira temporada completa de The Mandalorian, que já está sendo transmitida nos EUA, como é óbvio pela quantidade de memes do Baby Yoda que se multiplicam na Internet. Mas o bebê é somente uma parte da série que introduz Pedro Pascal como um caçador de escalpos que nunca tira o capacete e sua equipe de amigos e inimigos: Werner Herzog, Gina Carano, Nick Nolte, Taika Waititi e Carl Weathers. O projeto serviu como substituto ao filme de Boba Fett, com uma segunda temporada já confirmada.

The Mandalorian é composta por oito episódios quase autocontidos e curtos com um toque clássico de série de aventuras entre western e os samurais de O Lobo Solitário e seu bebê. A série foi criada por John Favreau (menino dos olhos da Disney após Homem de Ferro e O rei leão) e Dave Filoni, o herdeiro autonomeado por George Lucas para dirigir seu universo criativo e que nesse ano continuará na Disney+ a série A guerra dos clones, em sua sétima temporada, sobre as Guerras Clone situadas entre os Episódios II e III. A confiança em Dave Filoni é tanta que ele acompanhou J.J. Abrams e Rian Johnson nas filmagens para aprender a dirigir ação real, após uma carreira dedicada à animação.

A série Cassian Andor também voltará ao passado, prequela de Rogue One em uma aventura que junta o espião rebelde interpretado por Diego Luna e seu androide (Alan Tudyk) antes de roubar os planos da Estrela da Morte. Será filmada em Londres em 2020. A série mais esperada das anunciadas também se situa entre os Episódios III e IV: Obi-Wan Kenobi, em que Ewan McGregor voltará ao papel do mestre jedi de Anakin e Luke Skywalker. O roteirista de Drive e The Alienist, Hossein Amini, será o responsável pelo projeto. Deborah Chow, que com The Mandalorian se transformou na primeira diretora de Star Wars, contará também o retiro como ermitão do jedi em Tatooine. É o salto definitivo da franquia às séries, que sempre viu como algo secundário, dos ewoks aos androides animados.

A futura trilogia de Rian Johnson 

Rian Johnson é uma das melhores coisas que poderiam ter acontecido a Star Wars. No Episódio VIII: os últimos Jedi quebrou algumas regras, fez da franquia algo próprio com mudanças surpreendentes e criou certos debates, mas isso não caiu bem entre o setor dos seguidores mais beligerantes (os enormes lucros do filme não importaram muito). Talvez A ascensão Skywalker se envergonhe de alguns dos aspectos mais polêmicos daquele filme, mas Johnson é, após o sucesso do original Entre facas e segredos, um dos cineastas mais cobiçados de Hollywood, e a Disney o contratou para continuar a seu lado.

Muitos são os rumores que afirmam que Johnson não filmará essa trilogia que lhe prometeram, e pouco mais se sabe além do fato de que tomará caminhos afastados dos Skywalker, mas por enquanto tudo leva a crer que seguirá adiante. Não tem datas, mas a Disney tem três estreias essenciais para seus novos filmes: 16 de dezembro, de 2022; 20 de dezembro, 2024 e 18 de dezembro, de 2026. Outro dos rumores fala de filmes sobre os Cavaleiros da república. Ele responde insistentemente que não sabe de nenhuma novidade.

O fenômeno 'Star Wars' através dos anos. Disney

Outros filmes por Kevin Feige, e vários rumores

Outro que tem filmes sendo preparados é Kevin Feige, chefe da Marvel e bem posicionado nos escritórios da Disney, pela despedida do conselheiro-executivo, Bob Iger, em 2021. E se ele tem sua visão confirmada, quem surge forte para continuar com a saga é Favreau, bem colocado nos escritórios da Disney e da Lucasfilm, de acordo com o The Hollywood Reporter. Algum deles poderá substituir Kathleen Kennedy, de 66 anos? Por enquanto, a principal executiva está trabalhando noite e dia para realizar um novo episódio, uma nova esperança, que funcione da mesma forma que os anteriores, sem nenhum dos grandes nomes ligados, muito menos John Williams.

O outro grande rumor inclui uma série sobre a Doutora Aphra, anti-heroína nascida nos quadrinhos como uma arqueóloga que trabalha tanto para os rebeldes como para Darth Vader. A Disney+ será agora o principal foco da franquia, e não seria estranho aterrissarem alguns dos personagens que ficaram no ar após A ascensão Skywalker. Star Wars termina para sempre. Isso já é quase uma tradição paradoxal. Com todos os atores do legado original mortos, na ficção e na realidade, dessa vez pode ser algo mais definitivo. Mas todos sabemos que Star Wars não morrerá nunca. Os brinquedos não se vendem sozinhos.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete