Governo interino da Bolívia acusa Evo Morales de terrorismo

Procuradoria investiga áudio em que supostamente ex-presidente convoca apoiadores para sitiar La Paz pós sua renúncia

O ex-presidente boliviano Evo Morales na quarta-feira, durante uma entrevista coletiva na Cidade do México.
O ex-presidente boliviano Evo Morales na quarta-feira, durante uma entrevista coletiva na Cidade do México.PEDRO PARDO (AFP)

O Ministério Público da Bolívia abriu uma investigação contra o ex-presidente Evo Morales na sexta-feira por crimes de sedição e terrorismo, em resposta à divulgação, pelo governo de Jeanine Áñez, da gravação de um telefonema, no qual Morales supostamente dá instruções para bloquear estradas e "não deixar comida passar" para as cidades. O ex-presidente, através de sua conta no Twitter, considerou o vídeo uma "montagem" e ficou surpreso que o Ministério Público aja "ex officio" - espontaneamente — contra ele, enquanto não investiga "30 irmãos mortos bala” nos últimos dias.

Mais informações
Senado da Bolívia aprova primeiro trâmite para convocar eleições
ONU denuncia “ações repressivas” em protestos na Bolívia

A abertura da investigação é resposta à apresentação pelo Governo interino da Bolívia de uma denúncia. O áudio, onde se escuta supostamente o ex-presidente falar com o líder camponês Faustino Yucra, foi divulgado na quarta-feira pelo ministro do Interior em exercício, Arturo Murillo. “Estamos pedindo a pena máxima por sedição e terrorismo”, disse Murillo ao sair da sede da Procuradoria. Segundo o Governo, o vídeo foi extraído do telefone celular do filho de um dos líderes dos bloqueios que os camponeses realizam em várias estradas do país, principalmente em Cochabamba.

Essa é a área de influência dos plantadores de coca, o setor social que Morales nunca deixou de liderar. Yucra, com quem Morales estaria falando, é um fugitivo e as autoridades disseram que ele era procurado anteriormente por tráfico de drogas. Na gravação, Yucra aparece falando em um telefone celular. A voz que sai do alto-falante do telefone é a de Evo Morales, que pede que ele organize cuidadosamente os obstáculos para evitar que “as pessoas se cansem” e seja muito rigoroso para combater melhor “o golpe e a ditadura racista”, em alusão ao Governo da presidenta interina Jeanine Áñez.

O procurador-geral do Estado, Juan Lanchipa, afirmou que “o conteúdo dessa conversa estaria relacionado com os fatos violentos registrados no país nos últimos dias”. Segundo a argumentação do procurador, isso envolveria a prática de crimes “ligados à segurança pública, à vida e à colocação em perigo de outros bens legais”.

A presidenta interina da Bolívia, Jeanine Áñez, alertou há uma semana que Morales tinha contas pendentes com a Justiça e que, se voltasse ao país, teria de responder por elas. Naquela ocasião, em declarações à imprensa internacional, a ex-senadora, que assumiu a presidência sem o apoio majoritário do Parlamento depois da renúncia de Morales, reiterou que a meta de seu Governo provisório consiste em convocar eleições “justas e transparentes”, mas não disse quando serão realizadas.

O vice-presidente do Movimento ao Socialismo (MAS), Gerardo García, formalmente o segundo no partido Morales, foi preso pela polícia enquanto dirigia um carro sem registro para La Paz, carregando computadores e papéis que, segundo o G, eles estavam relacionados à fraude que, alegadamente, foi cometida pelo MAS nas eleições de 20 de outubro passado. No entanto, previa-se que Garcia fosse acusado de outro crime, sedição, que tipifica o comportamento daqueles que resistem em desobedecer e desrespeitar o Governo, e que prevê uma pena de um a três anos de prisão.

Morales e as poucas vozes do MAS que ainda são ouvidas no país denunciaram que o novo Governo está tentando criminalizar protestos sociais e impedir líderes sindicais para aplacar os conflitos atuais. Cochabamba e La Paz, capital administrativa do país, são "cercadas" por camponeses e vizinhos das áreas mais populares. Os habitantes de El Alto impedem a chegada de gasolina e gás à vizinha La Paz; por isso, bloqueiam a usina de coleta desses combustíveis localizada em Senkata, onde oito pessoas morreram na terça-feira em um incidente que o Governo considera um "ataque terrorista".

A Corte Interamericana de Direitos Humanos enviou uma missão à Bolívia para investigar os graves fatos ocorridos como parte da crise boliviana iniciada um dia após as eleições, quando a oposição denunciou a existência de fraude eleitoral, que levou à derrubada de Morales e a sua partida do país.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS