Promotoria sueca arquiva investigação contra Julian Assange por estupro

Denúncia contra o fundador do Wikileaks, que está preso em Londres e aguarda decisão sobre sua extradição para os EUA, data de 2010

Estocolmo / Madri -
Julian Assange em 1º maio em Londres.
Julian Assange em 1º maio em Londres.Henry Nicholls (REUTERS)

A Procuradoria sueca anunciou nesta terça-feira o arquivamento da investigação de uma denúncia de estupro feita em 2010 contra o fundador do Wikileaks, Julian Assange. A decisão, tomada após a análise das provas, facilita em tese a extradição de Assange para os Estados Unidos, onde é acusado de crimes por ter divulgado documentos secretos por meio do Wikileaks. A extradição depende de uma decisão da Justiça britânica. Washington acusa Assange de até 18 crimes, incluindo o de conspiração, segundo a Reuters.

Mais informações

O australiano Assange, de 48 anos, negou diversas vezes a acusação de estupro, feita em 2010 por uma mulher que compareceu naquele ano a uma conferência do Wikileaks em Estocolmo. A Justiça sueca tinha reaberto a investigação em maio deste ano.

“Quero comunicar minha decisão de suspender a investigação preliminar", disse a procuradora-adjunta Eva-Marie Persson à imprensa em Estocolmo. “Eu gostaria de enfatizar que a parte afetada apresentou uma versão crível e confiável dos fatos. Suas declarações foram coerentes, extensas e detalhadas. No entanto, minha avaliação geral é que a situação probatória se enfraqueceu tanto que já não há nenhum motivo para continuar com a investigação", disse Persson em um comunicado oficial.

Assange, que cumpre atualmente uma pena de 50 semanas na prisão londrina de Belmarsh, evitou a extradição para a Suécia por este caso −e também para os EUA por revelação de documentos secretos− durante os sete anos (de 19 de junho de 2012 a 11 de abril de 2019) que permaneceu refugiado na Embaixada do Equador no Reino Unido, da que saiu detido pela polícia britânica em abril.

A decisão da Procuradoria sueca foi tomada depois que um tribunal do país rejeitou, em junho, pedidos para deter o fundador do Wikileaks, segundo o jornal britânico The Guardian.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: