Megan Rapinoe é eleita melhor do mundo: “Seria ótimo se todos se posicionassem contra homofobia e racismo”

Norte-americana campeã do mundo levou o principal prêmio da categoria e fez discurso contra racismo e homofobia. Entre os homens, Messi venceu pela sexta vez e Alisson também foi premiado

Diogo Magri
São Paulo -
Mais informações

A americana Megan Rapinoe, 34 anos, foi eleita a melhor jogadora do mundo pela FIFA nesta segunda-feira, no evento The Best, que premiou os melhores da temporada em Milão, na Itália. Campeã do mundo pelos Estados Unidos, Rapinoe superou a compatriota Alex Morgan e a britânica Lucy Bronze. Entre os homens, Lionel Messi saiu com o prêmio principal, deixando Van Dijk, do Liverpool, e Cristiano Ronaldo, da Juventus, em segundo e terceiro lugares. O brasileiro Alisson também saiu vencedor como melhor goleiro do ano.

Rapinoe é a terceira americana a ganhar o prêmio de melhor do mundo, antecipada por Mia Hamm (2001 e 2002) e Carli Lloyd (2016). Apesar de jogar apenas por três vezes na temporada pelo seu clube, o Seattle Reign, a atacante teve destaque na Copa do Mundo feminina, onde marcou seis gols em sete jogos e foi eleita a craque do Mundial. Além do desempenho em campo, Rapinoe também chamou a atenção por protestar publicamente contra o presidente dos EUA, Donald Trump.

No discurso da vitória, Rapinoe destacou a valorização do futebol feminino, que teve um ano atípico com o Mundial mais assistido de todos os tempos. "Vocês que começaram a assistir agora estão um pouco atrasados para a festa, mas vou perdoá-los", começou. Ela lembrou dos casos de racismo vividos pelo inglês Raheem Sterling, do Manchester City, e pelo senegalês Kalidou Koulibaly, do Napoli, além da garota iraniana Sahar Khodayari que se suicidou ateando fogo ao próprio corpo após ser presa tentando assistir à uma partida de futebol em seu país, e das "incontáveis jogadoras LGBT que lutam todos os dias". "Essas histórias me inspiram e me entristecem", afirmou a jogadora. "Seria excelente se todos se posicionassem contra racismo, homofobia e a favor da igualdade salarial. Temos a oportunidade no futebol de usar esse jogo para mudar o mundo para melhor".

Antes de anunciar o prêmio para Rapinoe, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, anunciou que a partir de agora as mulheres estão autorizadas a assistirem partidas de futebol no Irã. A proibição, que durava 37 anos, foi parcialmente contornada ano passado, quando o Governo autorizou as mulheres a assistirem no estádio um jogo da seleção iraniana na Copa transmitido no telão. Em março de 2019, porém, a torcedora Khodayari, 29 anos, se disfarçou de homem para assistir uma partida da Champions asiática em Teerã, mas foi descoberta. Ao saber que poderia pegar seis meses de prisão, a iraniana se suicidou colocando fogo em si mesma às portas do tribunal.

Messi volta a ganhar

Vencedor em 2009, 2010, 2011, 2012 e 2015, Messi faturou seu sexto prêmio e superou Cristiano Ronaldo, que tem cinco. Apesar disso, foi a primeira vez que o argentino foi eleito o melhor jogador do mundo desde que o prêmio passou a se chamar FIFA The Best. Com o Barcelona, Messi venceu o campeonato espanhol e foi o maior artilheiro da Europa na temporada, mas amargou uma eliminação traumática para o Liverpool nas semifinais da Champions e uma derrota para o Valencia na final da Copa do Rei. Ele superou Van Dijk, campeão da Champions e melhor jogador da temporada pela UEFA, e Cristiano, campeão da Nations League.

A torcedora brasileira Silva Grecco e o filho Nickollas, deficiente visual, foram homenageados com o FIFA Fan Awards. Torcedora do Palmeiras, a mãe ficou conhecida por narrar os jogos do clube brasileiro para Nickollas dentro do estádio. Em seu discurso, reforçou a importância do esporte como ferramenta de inclusão para deficientes.

A FIFA também revelou no evento a seleção dos melhores jogadores do ano. Apesar da temporada ruim, o Real Madrid foi quem mais emplacou jogadores no time: Sergio Ramos, Marcelo e Modric, além do recém contratado Hazard. O time foi formado por Alisson; Ramos, Van Dijk, De Ligt e Marcelo; De Jong, Modric e Hazard; Messi, Mbappé e Cristiano Ronaldo. Jürgen Klopp, do Liverpool, ganhou como melhor treinador. Pela primeira vez, foi montada também uma seleção feminina: Veenendaal; Lucy Bronze, Renard, Fisher e Ohara; Henry, Ertz, Marta e Lavelle; Rapinoe e Alex Morgan. Jill Ellis, treinadora dos Estados Unidos, foi eleita a melhor entre mulheres.

No Prêmio Puskas, que traz o gol mais bonito da temporada, Daniel Zsori foi o vencedor com uma bicicleta aos 47 minutos do segundo tempo que ganhou o clássico pelo Debrecen contra o Ferencvaros, no campeonato húngaro. Por fim, Marcelo Bielsa, treinador argentino do Leeds United, venceu o prêmio FIFA Fair Play, dado por conta da atitude do treinador durante o penúltimo jogo da segunda divisão inglesa de 2018-19. Jogando contra o Aston Villa, a equipe de Bielsa lutava pelo acesso quando se aproveitou de uma lesão de um jogador adversário em campo para abrir o placar. Imediatamente, o argentino mandou sua equipe deixar os rivais marcarem um gol em sequência. O jogo terminou empatado em 1 a 1 e o Leeds não subiu de divisão.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: