X
Privacidad y Cookies

Utilizamos Cookies propias y de terceros para ofrecer un mejor servicio y experiencia de usuario.

¿Permites el uso de tus datos privados de navegación en este sitio web?

Encontrados três roteiros inéditos e incompletos de Stanley Kubrick

Escritos nos anos cinquenta e centrados nas dificuldades da vida matrimonial, estão no arquivo do cineasta na Universidade das Artes de Londres

Kubrick, durante a filmagem de ‘Dr. Fantástico', em 1964.

Londres, a cidade que o cineasta Stanley Kubrick (Nova York, EUA, 1928 – St. Albans, Reino Unido, 1999) amava e que incorporou a vários de seus filmes, é também a depositária de novas surpresas sobre a mítica obra desse gênio. Três novos roteiros, nos quais trabalhou entre 1954 e 1956, surgiram surpreendentemente do meio de todo o material que está nos Arquivos de Kubrick, guardados na Universidade das Artes da capital britânica.

São fragmentos incompletos que giram em torno aos mesmos assuntos centrais: o casamento, o ciúme e o adultério. E coincidem no tempo com a relação que o diretor manteve durante os anos cinquenta com a atriz e bailarina de origem austríaca Ruth Sobotka, que chegou a ser sua segunda esposa, ainda que o casamento tenha durado só dois anos, de 1955 a 1957. O mais longo dos três tem o título de The Married Man (O Homem Casado): são 35 páginas datilografadas de um roteiro com inúmeras anotações e páginas extras escritas a mão. The Perfect Marriage (O Casamento Perfeito) e um terceiro chamado Jealousy (Ciúmes) são apenas poucas páginas de esboços, projetos que mal começavam a ser construídos.

“O casamento é como uma longa refeição cuja sobremesa é servida no começo”, escreve Kubrick no começo de The Married Man. “Você pode imaginar o horror de viver com uma mulher que se aferra a você como uma ventosa e cuja vida inteira gira em torno de você, manhã, tarde e noite? É como se afogar em um mar de plumas. E se afundar mais e mais nas suaves e sufocantes profundidades da rotina e da familiaridade. Se somente ela se decidisse a combatê-la. Ficar irritada, ou ciumenta, ainda que somente por uma vez”, acrescenta o texto encontrado no arquivo da universidade londrina.

“São projetos de roteiro, ideias em desenvolvimento”, esclarece por telefone Nathan Abrams, professor de cinema na Universidade Bangor (Reino Unido), autor de vários livros sobre o diretor e protagonista da descoberta anterior de material inédito de Kubrick. Há um ano, o filho de um antigo colaborador do diretor entregou ao especialista um roteiro perdido de mais de 100 páginas, em que Kubrick adaptava o romance do escritor austríaco Stefan Zweig Burning Secret. Sobre a nova descoberta, acrescenta: “Esses três projetos estão unidos pelas reflexões sobre a natureza do casamento, o ciúme, o adultério e a infidelidade”. Temas, no final das contas, que perpassam toda a filmografia de Kubrick. E que também apareciam, justamente, no roteiro resgatado de Burning Secret.

“Essas descobertas nos dizem que Kubrick estava trabalhando em mais ideias do que sabíamos. Se adicionarmos O Grande Golpe [1956] e Burning Secret, percebemos que ele se interessava em fazer filmes sobre esses assuntos ainda mais do que acreditávamos”, diz o pesquisador. O escritor Vicente Molina Foix, autor do livro Kubrick em Casa, faz essas reflexões: “São temáticas importantes para todos, mas especialmente para ele. Também fala disso em O Iluminado (1977) ainda que tenha principalmente exposto e ampliado em De Olhos Bem Fechados (1999), que pode ser considerado como um resumo de sua obra”.

Os dois estudiosos afirmam que Kubrick não se considerava um grande roteirista e preferia unir seu esforço criativo com o de outros, frequentemente romancistas. “Era um diretor muito culto, lido e respeitoso que, de maneira equilibrada, pensava que rodar um filme e escrevê-lo significavam duas coisas bem diferentes”, diz Molina Foix. O próprio cineasta não gostava de se definir como “escritor” e é o único autor somente do roteiro de dois de seus filmes: Laranja Mecânica (1971) e Barry Lyndon (1975), ambos baseados, além disso, em romances.

Abrams acrescenta que Kubrick costumava trabalhar em muitos projetos ao mesmo tempo, mas que só terminava os que realmente o prendiam. “Era muito minucioso”, diz Molina Foix. De modo que, frente aos apenas 13 filmes que rodou, tenham ficado pelo caminho uma miríade de ideias, textos e roteiros que nunca chegaram a se transformar em filmes, como os célebres Napoleão e Aryan Papers. “Também quis fazer um filme sobre a Guerra Civil espanhola, mas por fim o descartou”, diz Molina Foix. Algo parecido, de acordo com Abrams, deve ter acontecido com os materiais encontrados agora: “Provavelmente, Kubrick não encontrou o ponto de vista apropriado para desenvolvê-los. Tinha sempre várias frentes abertas ao mesmo tempo e outros acabaram prevalecendo, como Glória Feita de Sangue”.

Em todo caso, ainda que só tenha levado até o fim 13 dos muitos projetos que empreendeu, foram suficientes para transformar Kubrick em um dos diretores mais importantes da história do cinema. Entre suas obras estão clássicos como Glória Feita de Sangue (1957), Spartacus (1960), 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968), O Iluminado (1977) e seu último trabalho, o controverso e enigmático, já mencionado, De Olhos Bem Fechados, que bebe de todas essas obsessões sobre as relações amorosas que ressuscitaram agora nos novos roteiros descobertos.