Quando Óscar e Valeria ainda não tinham migrado

El Salvador aguarda os corpos do pai de família e da filha de um ano que morreram tentando atravessar o rio Bravo rumo aos Estados Unidos

J. LAFUENTE
Cidade do México -
Óscar e Valeria, em uma foto de um ano atrás; à direita, afogados no Rio Bravo.
Óscar e Valeria, em uma foto de um ano atrás; à direita, afogados no Rio Bravo.
Mais informações

Óscar e a filha Valeria posam, em uma de suas últimas fotos juntos, com um sorriso tímido. Ela acabava de completar um ano e usava uma touca rosa. Ele, então com 24 anos, a abraça e a segura entre as pernas. A imagem foi divulgada depois de outra fotografia deles, mostrando seus corpos de bruços, afogados em um rio, ter dado a volta ao mundo como amostra do drama migratório que vivem milhares de centro-americanos que tentam chegar aos Estados Unidos. Do tratamento muitas vezes desumano que recebem, primeiro no México e depois no vizinho do norte, onde o endurecimento das políticas migratórias provocou alarme.

Filippo Grandi, comissário-geral do ACNUR, a agência para refugiados da ONU, ressaltou que a morte do jovem salvadorenho e de sua filha são consequência dos fracassos dos Governos que não conseguiram enfrentar a crise migratória.

“As mortes de Óscar e Valeria representam o fracasso na hora de conter a violência e o desespero que empurra essas pessoas a empreenderem perigosas viagens em busca de uma vida segura e digna”, afirmou Grandi.

Os dois, junto com Tania Ávalos, de 22 anos, a esposa de Óscar e mãe da pequena menina, partiram para o México no começo de abril. Passaram algum tempo em Tapachula, onde obtiveram um visto humanitário graças à política de portas abertas com a qual o Governo de López Obrador iniciou o mandato de seis anos. Uma linha que mudou depois das ameaças de Trump e obrigou o presidente mexicano a endurecer as políticas migratórias, o que nas últimas semanas levou a um agravamento das imagens e das condições de vida tanto na fronteira sul quanto na norte, onde os dois salvadorenhos morreram. A família de Óscar e Valeria aguardava nesta quinta-feira em El Salvador o repatriamento dos corpos. O presidente Nayib Bukele se comprometeu a arcar com as despesas depois que um dos membros da família pediu ajuda.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: